Quinta, 18 Agosto 2022

Greve dos petroleiros em Vitória terá cupons de desconto para abastecimento

Greve dos petroleiros em Vitória terá cupons de desconto para abastecimento

A greve dos petroleiros no Estado chega a Vitória nesta quarta-feira (5) com distribuição de cupons de descontos de R$ 40 para abastecimento de combustível aos 100 primeiros motoristas que chegarem à sede da Petrobras, na Reta da Penha, a partir das 8 horas. Cada motorista poderá abastecer 20 litros de gasolina, recebendo ajuda do sindicato da categoria (Sindipetro-ES) de R$ 2,00 por litro. 


Esse valor, segundo o sindicato, será pago pelos petroleiros para mostrar qual seria o preço justo a ser cobrado da população, se não fosse a atual política de preços dos combustíveis imposta pelo governo federal.


O movimento nacional, iniciado no último sábado (1), já conta com adesão de 100% dos empregados e terceirizados da Petrobras na Base 61, polo de produção terrestre em São Mateus, norte do Estado. A concentração dos trabalhadores aconteceu ainda na Fazenda Alegre, município de Jaguaré, local de carregamento de carretas de petróleo, em Linhares e na BR 101.  A paralisação, segundo o Sindicato dos Petroleiros, interrompeu parte da produção da unidade de gás, em Cacimbas, Linhares, e se amplia para atingir a região metropolitana.


Os atos, além de marcar a adesão oficial da categoria à greve convocada pela Federação Única dos Petroleiros, protestam contra as demissões em massa em todo o País, a saída já anunciada da Petrobras de São Mateus, e o descumprimento pela Petrobras do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT). Segundo a entidade, somente na unidade do norte do Espírito Santo, 100 trabalhadores próprios terão de ser transferidos e 400 terceirizados que serão demitidos, aumentando a conta dos desempregados no sistema.


Reações


O preço do combustível gerou impasse entre Jair Bolsonaro e 22 dos 27 governadores, após o presidente responsabilizar, nas redes sociais, os estados pela manutenção dos altos valores na bomba, o que foi usado por ele como justificativa para anunciar o encaminhamento ao Congresso Nacional de um projeto para alterar a forma de cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide sobre a gasolina e o diesel.


A reação coletiva surgiu em carta divulgada nessa segunda-feira (3), em que os governadores pedem ao presidente que reduza os tributos federais sobre os combustíveis e reveja a política de preços da Petrobras. O governador Renato Casagrande assina a carta, que defende o ICMS como principal receita dos estados para a manutenção de serviços essenciais à população, como segurança, saúde e educação.



“Os governadores têm enorme interesse em viabilizar a diminuição do preço dos combustíveis. No entanto, o debate acerca de medidas possíveis deve ser feito nos fóruns institucionais adequados e com os estudos técnicos apropriados”, diz o documento.


Bolsonaro anunciou a proposta domingo passado em sua conta no Twitter, o que causou desconforto aos governadores, já que o ICMS é um tributo dos estados. Na publicação na rede social, o presidente propõe a incidência de um valor fixo de ICMS por litro, e não mais sobre a média de preço cobrado nos postos. Os governadores apontam, no entanto, que o governo federal controla os preços nas refinarias e obtém dividendos com sua participação indireta no mercado de petróleo.


A Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) também se posicionou nesta terça-feira (4) no caso. Segundo a entidade, ao "anunciar uma medida que pode reduzir dramaticamente as já combalidas finanças de estados e municípios, altamente dependentes do ICMS em razão de um sistema tributário que privilegia os milionários e os grandes proprietários, o chefe do Executivo falta com a verdade".


A Fenafisco afirma que a disparada do preço dos combustíveis, verificada a partir de 2017, não apenas "nada tem a ver com a tributação, como tem tudo a ver com a mudança na política de preços da Petrobras, que passou a vigorar exatamente em 2017 e permanece intocada pelo atual governo, para regozijo dos acionistas da Petrobras, muitos dos quais estrangeiros".


A entidade prossegue dizendo que "o presidente Jair Bolsonaro, para não se indispor com os acionistas privados da Petrobras, que acumulam ganhos extraordinários com a mudança da política de preços da empresa, preferiu o caminho fácil do constrangimento e da ameaça aos estados que, em última análise, imporá sacrifícios ainda maiores, não aos governadores, mas à sociedade brasileira, especialmente a parcela mais dependente dos serviços públicos".


E conclui: "a Fenafisco espera que a coragem que falta ao presidente para enfrentar o problema na sua raiz, não falte aos governadores e prefeitos para denunciarem com veemência essa fake news e resistirem a esse violento assédio aos cofres públicos".

Veja mais notícias sobre Sindicato.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 18 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/