Sábado, 25 Junho 2022

Sindicato dos Bancários rearticula Comitê em Defesa do Banestes

banestes_FotoSergioCardoso Sérgio Cardoso

O anúncio da venda de parte das ações da Banestes Seguros pela gestão de Renato Casagrande fez com que o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários do Espírito Santo (Sindibancários) tomasse a iniciativa de rearticular o Comitê em Defesa do Banestes Público Estadual. Para isso, a entidade convoca a categoria e a sociedade civil para uma plenária virtual que acontecerá nesta quarta-feira (29), às 18h30.

O secretário-geral do sindicato, Jonas Freire, explica que a gestão estadual tem 92% das ações da seguradora, mas quer vender 51%, o que fará do governo do Estado acionista minoritário. "Como minoritário, não poderá decidir nada", diz. Para Jonas, a iniciativa trata-se de uma "privatização fatiada", uma vez que a Banestes Seguros "é um dos pilares do sistema financeiro estadual".

Jonas recorda que o Comitê foi criado no governo do presidente Fernando Collor de Melo, em virtude da ideologia privatista que ele defendia. Entretanto, ganhou força no de Fernando Henrique Cardoso, quando foram privatizadas diversas empresas, entre elas, bancos estaduais. O próprio Banestes quase passou por um processo de privatização na gestão do ex-governador José Ignácio Ferreira e no primeiro mandato do ex-governador Paulo Hartung, que tentou vender o banco em uma negociação com o Banco do Brasil. 

O secretário-geral afirma que hoje, além do Banestes, existem somente outras três instituições financeiras estaduais: Banco do Estado do Rio Grande do Sul, Banco de Brasília (BRB) e Banco do Estado do Pará (Banpará). De acordo com Jonas, foram privatizados mais de 30 bancos estaduais em todo o Brasil.

Privatizar a Banestes Seguros, afirma, é abrir mão de uma empresa "extremamente rentável", diminuindo o lucro do sistema financeiro estadual e, consequentemente, investimento em iniciativas como linhas de crédito, prejudicando a população. Jonas aponta que, em caso de desastres naturais e durante a pandemia da Covid-19, as linhas de crédito oferecidas pelo Banestes auxiliaram muitas pessoas.

Para ele, "guardadas as devidas proporções, o governo Casagrande está seguindo a política econômica de Paulo Guedes, que é privatizar". Isso contradiz, segundo o sindicalista, o compromisso firmado nas eleições 2018. Na ocasião, o governador assinou uma carta na qual assumia o compromisso de manter o Banestes como banco público e estadual.

Veja mais notícias sobre Sindicato.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 26 Junho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/