Quinta, 18 Agosto 2022

Sindicatos de professores e de servidores da saúde pleiteiam novos concursos 

Sindicatos de professores e de servidores da saúde pleiteiam novos concursos 

Entidades sindicais têm reagido à decisão do governador Renato Casagrande (PSB) de suspender concursos públicos. Áreas fundamentais, como Educação e Saúde, por exemplo, reclamam de defasagem de servidores, assim como órgãos da administração indireta. 


No último dia 2, Renato Casagrande assinou um decreto de contingenciamento de gastos que foi publicado em uma edição extra do Diário Oficial do Estado. O documento tem validade de 120 dias e, segundo o governador, o prazo servirá para que os concursos sejam analisados. A determinação, contudo, não altera os concursos antes anunciados pelo então governador Paulo Hartung. Com isso, o concurso da Polícia Civil, por exemplo, está mantido.


Para o Sindicato dos Trabalhadores da Saúde no Estado (Sindsaúde-ES), “assim como a área da segurança, a área da saúde pública também carece de mais servidores e servidoras. Reivindicamos a realização de concurso público já”, defende a presidenta do Sindsaúde-ES, Geiza Pinheiro. Para ela, as condições precárias de trabalho e o péssimo atendimento nos hospitais públicos capixabas são também resultado da falta de profissionais. “As equipes estão cada vez mais reduzidas, por isso a importância dos concursos públicos para o setor. Esta é uma de nossas bandeiras, juntamente com a luta contra as terceirizações”, ressalta a liderança sindical.


A presidenta do Sindsaúde-ES entende que no início da gestão é importante que o governador avalie os contratos e corte os custos desnecessários. “O zelo com a verba pública é fundamental. Estamos saindo de um governo em que o foco era drenar nossos recursos para as mãos de empresários abutres, com as privatizações/terceirizações dos hospitais. Exigimos que a verba da saúde seja de fato investida na área, com a realização de concursos públicos, valorização dos servidores e servidoras e melhorias dos hospitais”, conclui Geiza.


Educação

Entre os concursos suspensos por Casagrande estão o da Secretaria de Estado da Educação (Sedu), além de Iopes, Iases, Detran-ES, DER, Sejus, Jucees e Secont. Para representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública (Sindipúblicos-ES), há cerca de 10 mil professores atuando nas escolas estaduais com contratos temporários, os famosos DT’s, o que justifica sim a realização de novos concursos.  


“Temos denunciado há anos o déficit de professores concursados no Estado. Os concursos que são abertos são para mil, 700 ou 800 vagas, sendo que temos cerca de 10 mil DTs. Um novo concurso poderia, pelo menos, contemplar umas seis ou sete mil vagas, levando em conta que é necessário manter um número de contratos temporários para cobrir férias e licenças”, disse o diretor de Comunicação do Sindidato, Ildebrando José Paranhos.


Segundo o sindicalista, o Sindiupes já enviou um ofício ao novo governo solicitando uma audiência para tratar dos assuntos relacionados à educação estadual. Além de realização de concurso, reajuste do piso dos docentes.

 

Veja mais notícias sobre Sindicato.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 18 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/