Terça, 16 Agosto 2022

E as chapas, hein?

casagrande_leonardo_sa-7 Leonardo Sá
Leonardo Sá

A tão aguardada reunião para fechar a aliança entre o PSB, do governador Renato Casagrande, e o PT, do senador Fabiano Contarato, acabou sem definições sobre os pretendentes petistas ao Senado, os professores Célia Tavares e Reinaldo Centoducatte. Ficou para depois, assim como tem ficado todo o resto envolvendo essa disputa no Estado, há meses muito embolada. Nos últimos dias, para além desse imbróglio envolvendo as duas legendas, ganhou campo nas movimentações o pastor e escritor Nelson Junior, do polêmico projeto "Eu escolhi esperar", a aposta do partido Avante. Ele já foi anunciado como possível candidato de um monte de gente, os mais recentes, Audifax Barcelos (Rede) e Erick Musso (Republicanos). Por sua vez, o ex-prefeito de Colatina Sergio Meneguelli, correligionário de Erick, segue com sua campanha, mas não como antes, cheio de garantias, desde que provocou a ira de lideranças locais e nacionais por criticar os princípios do partido. No amplo campo de Casagrande, tirando o PT, também não "andam" as outras definições. A senadora Rose de Freitas (MDB) parece mais próxima de levar a composição, porém, vez ou outra, voltam à cena as exigências dos grupos aliados que têm o ex-secretário estadual de Segurança Alexandre Ramalho (Podemos) e o deputado federal Da Vitória (PP). Não dá para esquecer, também, do PSDB, que reivindicou em resolução nessa terça-feira (5), espaço na mesa majoritária, e tem entre seus quadros nomes como do ex-senador Ricardo Ferraço e do ex-presidente da Findes Léo de Castro. Outra questão remete a Guerino Zanon (PSD): depois de eliminar César Colnago (PSD), o que tem aprontado nessa área? Também não se sabe os planos de Felipe Rigoni (União), que já cogitou até aliança com Erick, sem sinalizar, porém, quem trocaria de posição. Ou seja, tudo certo, nada resolvido, mas os prazos correm...

Carreira solo
Também na área de Audifax, está Gilbertinho Campos, candidato do Senado do Psol. Mas embora o partido esteja federado com a Rede, os caminhos não têm se encontrado, e assim deverá permanecer.

Manda quem pode...
A costura atual do ex-prefeito da Serra para compor com Nelson Junior ao Senado teria sido feita por cima. O Avante daqui segue colocando gás no evangélico, valorizando o passe, atrás da melhor aliança.

Solução caseira
No bloco do Novo, do empresário Aridelmo Teixeira, o nome deverá sair do próprio partido, já que o mesmo não costuma fazer coligação. A legenda também não tem expressão no Estado. A vice, jornalista Camila Domingues, foi uma solução caseira.

Extremos
De certo, certo, mesmo, até agora, as chapas de dois extremos. Da direita e bolsonarista, com Magno Malta (PL) candidato ao Senado de Carlos Manato (PL); e da esquerda, com Felipe Skiter compondo com Capitão Sousa, ambos do PSTU.

Título
Por falar em Manato, diante de tanta disputa no campo bolsonarista ao governo, ele publicou um vídeo fazendo uma "volta ao passado". Recordou da primeira visita ao Estado do presidente, então deputado federal, em 2016, para logo dizer que foi o responsável por isso. De quebra, citou Magno, para não passar batido.

Vem?
Os dois, aliás, têm mantido de pé, nas redes sociais, a data do dia 23 de julho como a próxima visita de Bolsonaro, que ocorrerá, caso se consolide, em meio às intensas articulações deste ano. É quando ocorrerá a Marcha para Jesus. O presidente já anunciou e não veio outras vezes. Agora, porém, é hora de demarcar território político.

'Prejú'
Até porque, no Espírito Santo, os levantamentos já publicados indicam vitória de Lula nas urnas. Um cenário bem diferente da disputa entre Bolsonaro e o candidato petista Fernando Haddad, em 2018.

Vale tudo
Com votos dos evangélicos, o presidente da Câmara de Vitória, Davi Esmael (PSD), também circula por vários lados nas articulações entre candidatos e líderes religiosos. Nesta semana, se reuniu com pastores em Guarapari, junto com o candidato ao governo do seu partido, Guerino Zanon, e também com a Igreja Metodista na Assembleia, desta feita, com o presidente do legislativo e também candidato, Erick Musso (Republicanos).

Vale tudo II
Aliás, a Assembleia continua sendo palco, por meio de Erick, de incontáveis encontros desse tipo, recheados de interesses eleitorais. Que coisa...

Nas redes
"Nossa política de redução das alíquotas do ICMS já vem produzindo efeitos imediatos! Em relação à energia elétrica, as faturas que serão emitidas agora no mês de julho virão com a redução em 8% (...)". Renato Casagrande, governador do Estado pelo PSB.

FALE COM A COLUNA:

Veja mais notícias sobre Socioeconômicas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 16 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/