Dólar Comercial: R$ 5,56 • Euro: R$ 6,58
Quinta, 22 Outubro 2020

PSDB-Rede-PP

luis_paulo_roberto_martins_leonardo_s_20200728-232751_1 Leonardo Sá
Leonardo Sá

Sumido das movimentações eleitorais nos últimos meses, depois de cotado como candidato a prefeito em Vitória e da tentativa do diretório municipal de barrá-lo no retorno ao ninho tucano, Luiz Paulo Vellozo Lucas ressurge ao lado do vereador Roberto Martins (Rede), que está nas ruas para erguer seu palanque, para firmarem, juntos, nesta quarta-feira (29), uma "Aliança Cívica por Vitória". O documento, que se propõe a apresentar um projeto ao eleitorado da Capital, é divido por tópicos sobre "Desenvolvimento sustentável: caminho certo para uma Vitória cada vez melhor", "Ampliação e aprimoramento dos serviços sociais e urbanos", "Projetos Especiais", "Articulação metropolitana: transporte, mobilidade e segurança pública" e "Um novo modelo de gestão: moderna, responsável e criativa". Luiz Paulo assina como pré-candidato a prefeito pelo PSDB, partido representado também pelo deputado estadual Emílio Mameri, o vice-presidente da executiva estadual, José Pereira Lima, e o presidente do Instituto Teotônio Vilela (ITV), Thomaz Tomassi. Já a Rede tem ainda os porta-vozes de Vitória, Gean Jaccoud e Cristiane Martins. Uma terceira perna fecha a "Aliança Cívica", o PP, com o presidente do diretório, Marcos Marinho Delmaestro. O que vai sair daí, até o final do prazo de confirmação de chapas (agosto-setembro), ainda está em aberto. Mas, se não houver recuos, mexe no tabuleiro da segunda principal vitrine política do Estado.

Na espera
No caso de Luiz Paulo, ele depende de uma decisão judicial, em Brasília, onde recorre para se livrar da suspensão dos seus direitos políticos em processo que o condenou por improbidade administrativa. O tucano deixou a presidência do Instituto Jones Santos Neves em abril para disputar a prefeitura, e se mantém em ponto de espera, pronto pra jogar.

Racha
Liberado pela Justiça, porém, ainda terá que enfrentar uma concorrência interna, já que a vereadora Neuzinha de Oliveira, que preside o PSDB de Vitória, também é pré-candidata ao cargo, e ao mesmo tempo, se movimenta para fazer uma sucessora na Câmara. O que dizem, porém, é que se Luiz Paulo puder, dificilmente será impedido.

Racha II
Neuzinha foi um dos pés na porta para Luiz Paulo retornar ao PSDB, o que não logrou êxito por decisão da Nacional, que impôs a filiação. O ex-prefeito, depois de 24 anos de ninho, migrou para o Cidadania em 2018, por rejeitar a condução do partido por César Colnago, de submissão total ao governo Paulo Hartung.

Racha II
A articulação de Luiz Paulo e outras lideranças do PSDB da executiva estadual com a Rede e o PP é mais um capítulo dessa divisão interna que predomina no ninho tucano, hoje liderado pelo deputado estadual Vandinho Leite, oposição ao governador Renato Casagrande, que, por sua vez, tem seu grupo de adeptos no ninho tucano.

Bom negócio
Para o lado da Rede, que até outro dia esperava contar com o deputado estadual Sergio Majeski (PSB) como candidato, compondo com Martins na vice, o que não vingou, a composição de forças coloca gás no palanque, apresentado como um dos prioritários para comandante da sigla, o prefeito da Serra, Audifax Barcelos.

Bom negócio II
Já o PP, do secretário de Estado de Saneamento, Habitação e Desenvolvimento Urbano, Marcus Vicente, que não tem candidato a prefeito em Vitória, está no lucro.

Leque
Com a formalização da articulação, quais legendas mais poderão ser atraídas, ampliando o leque? O quadro, como se sabe, ainda tem candidato pra dar e vender. Expectativa, agora, é começar a afunilar.

Congestionado
Vale lembrar: tem ainda o candidato do prefeito Luciano Rezende, deputado Fabrício Gandini (Cidadania); o presidente da Câmara, Clebinho Felix (DEM), que diz ter o apoio do PMN e começou a circular com o também deputado Lorenzo Pazolini (Republicanos); o vice-prefeito, Sérgio Sá (PSB); o deputado Capitão Assumção (Patri); o Coronel Nylton Rodrigues (Novo); e o ex-superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT), Halpher Luiggi (PL).

Congestionado II
No campo de esquerda, que mais uma vez não apresentará um candidato de consenso, os candidatos são o ex-prefeito João Coser (PT); o ex-vereador Namy Chequer (PCdoB); e o militante do movimento negro Gilbertinho Campos (Psol).

PENSAMENTO:
"Não há nada que recebamos com tanta relutância como os conselhos". Joseph Addison

Veja mais notícias sobre Socioeconômicas.

Veja também:

 

Comentários: 1

Antonio Carlos em Terça, 04 Agosto 2020 21:10

Estão deixando o caminho aberto pro Gandini ganhar! Uma pena

Estão deixando o caminho aberto pro Gandini ganhar! Uma pena
Visitante
Quinta, 22 Outubro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection