Dólar Comercial: R$ 5,02 • Euro: R$ 6,11
Terça, 02 Março 2021

Sem desfecho

lorenzo_pazolini_ellencampanharo_ales Ellen Campanharo/Ales
Ellen Campanharo/Ales

A nomeação da vice-prefeita de Vitória, Capitã Estéfane (Republicanos), na secretaria de Cultura de Vitória, no lugar de outro interino, o subsecretário Luciano Gagno, só confirma que Lorenzo Pazolini (Republicanos) parece perdido em relação à condução da pasta. Muito troca-troca e, até agora, nada de nome definitivo. Tão sintomático quanto, foi a discrição do prefeito sobre a mudança, publicada no Diário Municipal dessa segunda-feira (8). Nada de comunicado, explicação ou divulgação nos canais oficiais. Capitã Estéfane aparece no site da gestão municipal como "respondendo" pela Cultura, mesmo status que está ainda o secretário de Meio Ambiente, Marcelo de Oliveira, que acumula a função com a pasta para qual foi anunciado, de Desenvolvimento da Cidade, que, inclusive, esbarra em temas conflitantes. A Secretaria de Meio Ambiente que, assim como Cultura ainda não tem um gestor exclusivo e com trajetória na área, é essencial para a Capital, que recebe toda poluição da Vale e ArcelorMittal, além de registrar histórico de negligência do poder público em cobrar e punir as empresas. As demoras, nos dois casos, chamam atenção. Qual é a dificuldade de Pazolini para desatar esses nós, afinal?

PH
Além das duas pastas, faltava a gestão municipal decidir ainda a direção da Companhia de Desenvolvimento, Turismo e Inovação de Vitória (CDTIV). A posse foi nesta terça-feira (9), nomeando Camila Brandão, ex-secretária de Estado da Ciência, Tecnologia. Mais um quadro herdado, portanto, da última gestão de Paulo Hartung.

Dança das cadeiras
Na Cultura, só para lembrar, já passaram a subsecretária de Comunicação Valéria Morgado, depois Luciano Gagno, subsecretário da pasta, e, agora, Capitão Estéfane. Entre Luciano e a vice, houve ainda o convite ao ex-prefeito de Colatina, Sérgio Meneguelli (Republicanos), negado poucos dias depois.

Aliados
Mudanças nos comandos de comissões da Assembleia Legislativa tiraram da presidência deputados de oposição ao governo Renato Casagrande. Em duas delas, principalmente, a articulação foi estratégica para evitar mais desgastes: Educação e Segurança.

Aliados II
Na primeira, entrou o aliado Bruno Lamas (PSB) no lugar de Vandinho Leite (PSDB). Já na de Segurança, saiu Danilo Bahiense (sem partido), ligado à frente de policiais e bombeiros, que está em confronto com a gestão estadual, para entrar Luiz Durão (PDT).

Segue...
Bahiense e a frente tentaram evitar a troca, porém em vão. O deputado acabou ficando com a presidência da Comissão de Proteção à Criança e ao Adolescente, com Capitão Assumção (Patri) na vice.

Espaço
Outros dois nomes do grupo de "independentes" também garantiram espaço, em tema bem mais ameno ao governo: Carlos Von (Avante) e Torino Marques (PSL), respectivamente, presidente e vice da Comissão de Turismo.

Chave das gavetas
Na Corregedoria, Hudson Leal (Republicanos) permaneceu no cargo principal, tendo Marcelo Santos (Podemos) na vice. Mas a Corregedoria da Assembleia, é aquela situação de sempre: muita esquiva e corporativismo ao investigar um colega, sempre terminando na gaveta.

Omissão
O último caso, de repercussão nacional, foi o processo por quebra de decoro instaurado contra Assumção, pelo oferecimento de recompensa de R$ 10 mil a quem matasse o assassino de uma jovem, feita em plenário. Não deu em nada.

Renova?
O RenovaBR, movimento apadrinhado por Luciano Huck, Hartung e afins, lançou nesta terça (9) seu novo curso de formação política, para as eleições de 2022. No último pleito, elegeu vereadores em municípios capixabas, como na Capital, com Karla Coser (PT) e Armandinho Fontoura (Podemos).

PENSAMENTO:
"A humildade é o sólido fundamento de todas as virtudes". Confúcio

Veja mais notícias sobre Socioeconômicas.

Veja também:

 

Comentários: 2

Ricardo Sa em Quarta, 10 Fevereiro 2021 15:52

Seria tão mais simples e mais legítimo ao prefeito fazer uma consulta à classe artística, por exemplo o conselho municipal de políticas culturais de Vitória, que é super atuante, pra sugerir 3 nomes e o Sr Prefeito escolher um deles. Ainda dá tempo de acertar, Sr Prefeito.

Seria tão mais simples e mais legítimo ao prefeito fazer uma consulta à classe artística, por exemplo o conselho municipal de políticas culturais de Vitória, que é super atuante, pra sugerir 3 nomes e o Sr Prefeito escolher um deles. Ainda dá tempo de acertar, Sr Prefeito.
Cidadão de vitória em Quinta, 11 Fevereiro 2021 20:22

Estamos esperando SINCRONIZAÇÃO DOS SINAIS DE TRÂNSITO em Vitória, promessa de campanha ainda não cumprida pelo Sr. Delegado prefeito eleito.

Estamos esperando SINCRONIZAÇÃO DOS SINAIS DE TRÂNSITO em Vitória, promessa de campanha ainda não cumprida pelo Sr. Delegado prefeito eleito.
Visitante
Terça, 02 Março 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection