Dólar Comercial: R$ 5,62 • Euro: R$ 6,67
Segunda, 26 Outubro 2020

Uma vez líder


Destituído da liderança do governo na Assembleia Legislativa no final do ano passado, o deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) saiu chutando a canela da equipe do governador Renato Casagrande, com críticas pesadas e desgaste à gestão estadual. Chegou a se colocar como independente, e assim ficou até o recesso parlamentar, alternando posicionamentos em plenário em relação ao executivo. Neste retorno dos trabalhos legislativos, porém, em que fica delimitado cada vez mais os campos da base versus oposição, com o gás adicionado das eleições municipais, Enivaldo tem sido muitas vezes mais líder do que o próprio escalado para assumir sua função, Eustáquio de Freitas (PSB). Conhecido por encarar de frente os embates e por seus discursos contundentes, o deputado não dá trégua aos colegas de plenário que estão em cima do governo quase que diariamente, como Capitão Assumção (PSL), Lorenzo Pazolini (sem partido) e Vandinho Leite (PSDB). Na sessão desta terça-feira (18), que marcou mais um confronto entre os dois lados, Enivaldo apareceu várias vezes ao microfone para rebater questões levantadas pelos parlamentares que atingem a gestão estadual, incluindo o presidente Erick Musso (Republicanos), devido à manifestação que ele entendeu ser favorável à oposição, mas logo contestada por Erick. Já Freitas acabou sobrando. Um ex-líder do governo, na versão 2020, melhor até que a encomenda. 


Barrados

A defesa de Enivaldo, desta vez, foi para rebater as esperadas críticas de Assumção e Pazolini em referência à reunião da última quinta-feira (13) entre o governo e a frente unificada de militares, civis e bombeiros. Como se sabe, os dois tentaram participar como representantes da Comissão de Segurança, mas foram barrados, segundo eles, pelos secretários Tyago Hoffmann (Governo) e Davi Diniz (Casa Civil).


Toma lá

O tiroteio era esperado para essa segunda, primeira sessão após o fato. Mas como esta foi derrubada com apenas 12 minutos, adiou o bate-boca, que descambou, no discurso de Pazolini, até para acusações de violência, força policial e crime de responsabilidade. Assumção fez coro e repetiu que o governo quer evitar o debate sobre a segurança pública, além de usar a Assembleia como “puxadinho”. Enivaldo contestou todas, apontando “factoides para fazer política”.


Providências

E onde entra Erick Musso nessa polêmica toda? O presidente da Assembleia interferiu nas discussões para defender o diálogo, bom senso e equilíbrio entre os poderes, deixando claro, porém, que qualquer intercorrência que comprove desrespeito aos deputados, seja da base, oposição ou independentes, “não se furtará de tomar providências”.


Segue

Pazolini aproveitou a deixa e logo pediu investigação da Procuradoria da Casa. Daí apareceu Enivaldo, imediatamente, para dizer que Erick estaria, com sua fala, oficializando um apoio à oposição. Mas Erick o interrompeu e pediu respeito à Mesa Diretora, comunicando do indeferimento do pedido do deputado-delegado.


Encarou

Não parou por aí. Com a presença nas galerias de motoristas de aplicativos que protestavam contra a morte de Cássio Caliman, esfaqueado durante o trabalho nessa segynda, Enivaldo também se irritou com as vaias quando outros deputados discursavam, com exceção de Assumção, Pazolini e Vandinho. Dirigindo-se ao grupo, avisou que a Assembleia tem 30 deputados e perguntou se eles só precisavam dos três.


Folga

Em seguida, para variar, a sessão caiu novamente, antes da análise dos projetos na pauta da Ordem do Dia, exatamente às 16h30. Euclério Sampaio (DEM), de novo ele, pediu recomposição de quórum e, resultado: apenas seis deputados em plenário (o mínimo exigido são dez).


Prazo curto

A propósito, Erick Musso informou que Casagrande precisa prestar contas de sua gestão na Assembleia até o próximo dia três. A obrigação é determinada por lei.


Novo abrigo

Voltando a Euclério, ele se filiou ao DEM na tarde desta terça-feira, após alguns meses sem partido desde que deixou o Democracia Cristã. O deputado, já há algum tempo, se coloca como candidato a prefeito em Cariacica nas eleições deste ano. Articulações por lá estão bombando.


Sem mudança

O deputado federal Da Vitória (Cidadania) foi reconduzido, nesta terça, em reunião realizada em Brasília, para coordenar a bancada federal capixaba neste ano. O parlamentar exerce a função desde fevereiro de 2019. No entanto, por aqui, anda meio apagado.


PENSAMENTO:

“A vida é como uma sala de espectáculos; entra-se, vê-se e sai-se”. Pitágoras

Veja mais notícias sobre Socioeconômicas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 26 Outubro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection