Dólar Comercial: R$ 5,31 • Euro: R$ 6,00
Domingo, 12 Julho 2020

O Castelo dos Cisnes

Em tempos de quarentena, os velhos e obsoletos quebra-cabeças voltaram ao currículo. Trancafiados em casa e com a luz cortada por motivos óbvios, Lino e Lina deram a sorte de ter um desses mastodontes em casa: 5.000 pecinhas, presente de casamento da avó da Lina, Dona Gertrudes. Mas não era um passatempo qualquer e tinha pedigree: neta de alemães, a vetusta senhora cismou ser descendente do Rei Ludwig, da Bavaria, e que sua bisavó teve a honra de passar um fim de semana no Castelo, residência de verão do rei. 

*

Quando descobriu o quebra-cabeças do castelo, a velha achou sua missão na vida: comprou, armou, e a distração virou tradição de família, passado de lar em lar e repassado a cada novo casal no dia das bodas. Em tempos de celulares e Netflix, Lino e Liana ignoraram a sagrada missão de montar a figura, fotografar e mandar para Gertrudes, mesmo havendo uma recompensa: eles só receberiam o verdadeiro presente de casamento quando a avó recebesse a foto do jogo completo. As paredes da casa de Dona Gertrudes já estão cheias dessas fotos, catalogadas com o nome dos realizadores e a data da entrega, se bem que nesses tempos de photoshop e fake feitos, não se pode mais confiar em ninguém. Ainda mais que a velha nem sabe que essas coisas estão rondando por aí, como os vírus. Indiferente a esses modernismos, a avó continua reverenciando suas origens, verdadeiras ou ilusórias.

*

Embora os celulares tenham facilitado a comunicação, por outro lado desvirtuaram o contato social. É cada um grudado no seu aparelhinho, e Deus por todos, não há mais diálogos em viva-voz. As crianças não querem mais brinquedos e os chamados jogos de mesa sumiram. Lembro da Anacleia, filha da Ana e da Cleia, que montou no chão da sala um enbola-miolo de 20 mil peças. Tirou os móveis e quem chegasse tinha que entrar pela cozinha. Só poderia sair se encaixasse pelo menos uma peça. Que eu saiba, está lá até hoje.

*

Tal e qual, se a quarentena nos salva do C-19, por outro lado está nos matando de tédio. Lino e Lina, recém-casados e cheios de amor a compartilhar, seriam felizes para sempre, não fossem os desafios de um funde-cuca, mesmo com pedigree. "Amor, primeiro a gente faz o contorno"…"Ah não, vou começar pelo castelo"…"Não pode, tem que seguir a tradição". "Então vou fazer esse laguinho, quero todas as peças azuis…" "Não é lago, é um rio". Colocar a peça certa no lugar exato exige paciência e boa visão, é como achar tarraxinha do brinco na areia da praia. Ele diz, "Adorei essas torres". Ela: "Isso é machismo; era ali que enclausuravam as donzelas até que lhes arranjassem casamento". "Enclausuradas que nem nós, sem TV nem celular…"

*

O Castelo Neuschwantein era moderno e tais despropósitos lá não aconteceram. NeleWalt Disney se inspirou para criar o Magic Kingdom. Admirador das óperas de Wagner, o Rei Ludwig construiu o castelo em homenagem ao compositor, e o nome significa O Cavaleiro dos Cisnes, uma das óperas de Wagner. Ludwig morreu falido, sem conseguir completar sua grande obra e dormiu no castelo apenas 11 noites. No final da Segunda Guerra, Hitler mandou explodir o castelo, mas felizmente seus oficiais não cumpriram a ordem. Hoje ele é o castelo mais visitado na Alemanha, e umas das maiores atrações turísticas do mundo: seis mil visitantes por dia, 61 milhões até o dia em que Dona Gertrudes esteve lá.

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 12 Julho 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection