Dólar Comercial: R$ 5,76 • Euro: R$ 6,72
Sexta, 30 Outubro 2020

Matilde Campilho e suas influências em Jóquei

matilde_campilho_divulgacao Divulgação

Temos em Jóquei¸ de Matilde Campilho, a apresentação de uma obra singular, e mesmo se tratando de uma estreia, tal livro teve uma boa repercussão, tanto nos meios literários como na mídia.

A crítica a situa ao mesmo tempo como uma voz nova na poesia, e também trazendo ecos da tradição poética, e sua dicção plural, juntando o português de Portugal, do Brasil, algo de inglês, permeando os poemas, e uma biografia, a colocou como a imagem de um nomadismo biográfico e literário. Sua pluralidade em vida se reflete na sua poesia também plural.

Matérias de jornal criaram o chamado clichê-Matilde, que eu já pontuei aqui também, tais como "poeta nômade", "Portuguesa mescla sotaque de Rio e Lisboa em Jóquei, sua estreia literária, e em vídeo-poemas que conquistaram fãs na internet". Meses antes da publicação de Jóquei, o poema "Fur" foi publicado na extinta página "Risco", mantida pelo poeta Carlito Azevedo.

O poema que inicia o livro traz a indicação, como uma epígrafe, "com cara de Whitman", o que indica as pontes evidentes da obra de Matilde com a tradição poética. "Fur" faz eco à poesia de Whitman não necessariamente por uma mimética de influência direta, mas na parte funcional da prática do verso livre e por uma caudalosa enumeração.

Matilde faz referência, em seus poemas, ao universo fundador dos mesmos, que para além de poetas citados, de canções, da música, passa também por diálogos cotidianos, filmes, etc. Em Portugal, em matéria do jornal português Público, sobre o Jóquei, o jornalista João Bonifácio pontua: "O universo que funda os poemas vêm tanto da vida como de leituras, filmes, canções".

E Matilde reforça o papel das canções em seus poemas, da importância delas. Canções como Purple Rain do Prince ou Don't Think Twice It's Alright de Bob Dylan, que são influências na sua escrita. E aí também podem surgir Simon & Garfunkel, Mercedes Sosa ou Ataulfo Alves.

Por sua vez, tem-se também a mescla musical da linguagem coloquial, com linguagem e vocábulos do cotidiano, e um uso variável dos pronomes tu e você, como temos no poema "Roma amor". Neste poema, é possível ler a presença constante de um interlocutor, como se todo o livro fosse dirigido a este tu ou você, com estes dois pronomes se revezando nesta presença constante deste interlocutor no livro Jóquei, um tu ou você onipresente nestes poemas do livro.

POEMAS 

ANÚNCIO: O poema se abre na experiência de figuras próximas da poeta, numa narração de poema em prosa que descreve fatos e metáforas, as asas brancas em destaque, no que temos : "Falemos do boi à espreita no vértice da mesa da cozinha, nem tudo o que mexe é cupim, falemos de transa no discurso de Gabriel e ainda de como foram brilhantes suas enormes asas brancas. Respeitemos o fato de algumas penas dessas asas terem caído naquela hora e de estarem ainda planando se espalhando pelo mundo, fazendo ad eternum o percurso ininterrupto entre Jaipur e Nashville." O percurso também se abre, e há acidentes, e novas descrições surpreendentes, no que vem : "Falemos da invenção arborizada de Cage e da forma estúpida como Joaquim dirigia na cidade para encontrar sua mulher, falemos do estado de desgaste da caixa de marcha do automóvel de Joaquim, dos estofos queimados pelo sol e pelas mãos de Joaquim, falemos do cabelo queimado da mulher de Joaquim.". O poema em prosa, de consistência circular, dá uma volta em si mesmo, fechando em sua narrativa com uma coda que condensa os trechos anteriores e os retomam em chave de síntese, no que temos : "Falemos do boi à espreita na cara de Pedro, João e Joaquim e falemos da confissão que o padre não ouve porque está concentradíssimo na circularidade estranha do botão de sua batina.".

A PRIMEIRA HORA EM QUE O FILHO DO SOL BRINCOU COM CHUMBINHOS: Mais um poema em prosa de Matilde com riqueza metafórica e uma amplitude temática, a fluidez aqui se instaura logo na partida, no que temos : "Meu querido, as árvores falam. Os tigres correm olimpíadas em pistas muito mais incríveis do que aquelas feitas de cimento laranja. Usain Bolt vezes cem, o sorriso de Usain Bolt vezes mil. A matemática não é difícil se você comparar tudo ao aparecimento de um cardume.". De um poema sobre velocidade, agora Matilde se volta para as canções, no que temos : "Certas canções despertam em nós a vontade de uma história que já aconteceu mas que não vai acontecer mais. Algumas histórias têm a duração exata de uma música rock, outras se dividem em cantos.". Agora a mística do terceiro olho, mas em chave poética, livre, sem misticismo propriamente dito, um ar leve e bem humorado toma o plano, no que vem : "O alvo de um humano está no terceiro olho e um dia alguém vai explicar para você como o afagar e onde ele fica. Nunca aponte ao terceiro olho, com aquilo é só cuidados. Algumas vezes vão te empurrar e você vai empurrar de volta, provavelmente vai até querer pegar uma pedra para jogar no peito de quem te feriu. Isso não está certo, mas é humano.". E o poema aponta ao riso e à consciência do mundo, Matilde abre uma chave de entendimento, da mira à coda inspiradora que remonta a vida na simplicidade de um bichinho e o convite terno à brincadeira : "Faça por polir seu riso, principalmente ao entardecer. Afine diariamente a pontaria e reze para que nunca seja necessário o disparo." (...) "Sim, daqui a muitos anos você vai conseguir acertar direitinho nessa lata de coca-cola que a gente suspendeu no sobreiro. Só acho que não vai querer. Também vai saber por que razão é melhor segurar uma arma descalço – é que é na terra que está a consciência do mundo, e é preciso escutar o seu ruído para agir em verdade. Saiba também, querido, que muitas vezes a sombra de um desenho é bem mais bonita do que o desenho que está à vista. É preciso estar atento, e descobrir o bichinho que se mexe debaixo da folhagem. Não o mate : se cubra de flores e entre para brincar com ele.".

DEGRAUS SUBMERSOS: As notícias chegam ao distante interlocutor, no que temos : "The roses are lovely. Fazes falta, meu chapa. No vaso anda tudo crescendo de uma forma muito desenfreada, não sei como dizer-te que os caules trepam as folhas, que a terra cai sobre as flores e que a frutaria toda ameaça inundar a sala. Anda tudo muito bonito.". As descrições de Matilde são comoventes, o relato a este interlocutor exilado, distante, segue : "Eu por enquanto fico lendo o jornal. Já sabes, é tremendo este vício de cair de cara na coisa e também de deixar sempre um taco de golfe encostado na mesa. Para o que der, para o que vier. Ainda durmo de camisa branca, ainda corto as laranjas de manhã, de vez em quando ainda abro a porta do quarto, subo até o terraço e canto. Ainda sou um cantorzinho de merda, mas já imito muito bem umas quatro ou cinco espécies de bichos.". O poema em prosa então canta em inglês, e este interlocutor ganha um afago da poeta, o poema segue leve à sua coda, e suave se encerra num humor sutil : "Gee wee, we`re getting older. A lua americana não achou o caminho do céu e os índices de alcoolemia no quartel dos bombeiros vão crescendo a passos bestiais. Oh well. Se um dia achares um penny, ligaí.".

WE'VE CHANGED, HONEY BOO: O poema tem um ar aventureiro, e a narrativa que se instaura aqui é bem interessante, no que temos: "Como estava previsto nos registros, agora você é muito mais dada à astrologia e eu ao estudo dos cafés servidos nas beiras de estrada. A polícia não nos procura mais.". E segue o poema, com as agruras narradas poeticamente por Matilde : "Quase nos prendiam por tráfico de influências, mas agora as urbanizações andam muito sossegadas. Daniel, entretanto, está morto. Walter emudeceu no caminho da composição e os jornais usam datas estranhas em seus cabeçalhos.". As mudanças se firmaram, e Matilde dá a notícia : "Mudou tudo, honey, e a distância entre nós não foi certamente a causa para toda a explosão.". O poema se estende em narrativa curiosa, Matilde lembra ao interlocutor algumas coisas, o poema tem um ar bem interessante, diferente, Matilde nos conta uma estória, e nos leva numa fluidez prazerosa, no que temos : "Antes do horóscopo e dos mapas você prestava alguma atenção ao despertar do soldado. Acho que tinha qualquer coisa a ver com luz ou com melancolia, tinha certamente tudo a ver com crença.". A mudança, eis o tema do poema : "Cada motel serve um café diferente, raios. Distingo os ares da China do vento do Cazaquistão num minuto. We`ve changed, honey boo, mas os climogramas permanecem.".

MILAGRES QUE NÃO SÃO CONTRÁRIOS À NATUREZA: O poema em prosa aqui tem um leitmotiv curioso com a figura do padre, santo e filósofo Santo Agostinho, no que temos : "Hoje é que é dia de Santo Agostinho. Agostinho só, aquele, bispo e doutor da Igreja, nascido uns quinhentos anos depois do Cristo. Hoje alguém escreveu qualquer coisa sobre corações de pedra e sobre a promessa que circunda a rendição. Rendição quer dizer a desistência do coração de pedra, acho.". O coração de pedra também tem certo papel preponderante no poema, ao lado da figura do santo padre, no que temos : "Hoje é que é dia de Agostinho, e naquela curta temporada que passamos na África (devíamos ter uns 19 anos, não sei bem) eu repetia a frase do santo todas as tardes. Até o infinito solar. Nessa época o coração de pedra não passava de uma escultura abandonada no sertão, um pedaço de terra seca amassada que alguém deixara entre o capim, o desenho inglório das formigas muchã.". A figura curiosa de um formigueiro grande, uma montanha de argila, no que segue : "A construção de doze metros feita por aqueles bichinhos mínimos só encontrava rival nos cagalhões dos elefantes, imagine a ironia. Torres de doze metros! Campanários argilosos, corações naturais de terra seca que eram como a representação de nosso corpo futuro. Agostinho sempre segredando o amor pelos furinhos da construção, Agostinho aparecendo nos cabelos do Rei, Agostinho nos estalinhos da língua makua, Nsina na Titi, Na Mwana, Na Munepa, Wotcela, Ámen.". O poema em prosa é a experiência de Matilde com Santo Agostinho, mas em sua história na África, a nômade poeta com sua cosmovisão produzida biograficamente como uma viajante, uma cosmopolita, no que temos : "Essa foi minha história com A. em África. Mais tarde apareceu nos corredores da biblioteca, sobressaindo manso da estante 27. Derrubou comigo a moto vermelha, na noite em que quase morri de ciúme e de rancor. Também foi Agostinho quem me pagou o bilhete de metrô quando voltei à cidade onde tomei todas as cervejas com o diabo.". A memória despertada pela música, a experiência de vida de Matilde, aqui como um personagem masculino, em vivíssima descrição aqui : "A primeira suíte de Bach fez as vezes da voz do santo, e já agora de todos os ruídos do mundo : desde o crepitar da fogueira que cozia o pão na caverna em Trás-os-Montes até ao barulhinho da lixa que roçava as unhas daquela moça na favela. O violoncelo arrasou com tudo, e esse era meu novo amuleto. Depois veio a canção da Gal, a concha do Leblon, o lenço vermelho, o pedaço de granito, a baleia de marfim, etc. Todo refúgio material acha uma forma de se renovar.". O jogo do poema com a memória agora invade o plano afetivo, o poema abre uma história, e um campo vasto de sensações, no que temos : "Entraram mais uns quantos Natais no tabuleiro do meu jogo de glória sideral. E quarenta silêncios. Até que subitamente, num dia qualquer de Natal, minha ex-noiva me ligou para dizer que no papelinho anual me tinha calhado o nome de um santo. Foi a homenagem mais bonita que alguém alguma vez fez a um amor já morto – é que em todos os Natais que passamos juntos, eu ganhava um santo e um chocolate. Tudo embrulhado nas flores pardas da paixão. Trazer isso à baila fora de tempo, achei um gesto corajoso e principalmente muito justo. Não comi o chocolate porque toda a gente sabe que o chocolate tem uma digestão terrível, mas confesso que guardei o papelinho. Só o papelinho e não a inscrição – eu nunca esqueci tanto tempo o nome de alguém, principalmente de um santo.". E, ao fim, a figura de Santo Agostinho, um letimotiv para um poema memorial, evoca novamente o tema lateral, o coração de pedra, numa coda intensa e genial : "Mas hoje, sem aviso nenhum, o verão me acordou com duas frases : "Ama e faz o que quiseres. Se calares, calarás com amor." Hoje, rapaz, hoje não é dia de Sebastião, nem de Tomé, nem de Jorge nem das rodas gigantes. Hoje que é dia de Santo Agostinho em minha janela inaugural apareceu a torre muchã de doze metros. E do cocuruto do palácio de terra um soldado gritava Senhor Arranca-me O Coração De Pedra.".

POEMAS

ANÚNCIO

Falemos do boi à espreita no vértice da mesa da cozinha, nem tudo o que mexe é cupim, falemos de transa no discurso de Gabriel e ainda de como foram brilhantes suas enormes asa brancas. Respeitemos o fato de algumas penas dessas asas terem caído naquela hora e de estarem ainda planando se espalhando pelo mundo, fazendo ad eternum o percurso ininterrupto entre Jaipur e Nashville. Falemos do recado talhado a vermelho na bancada da cozinha, falemos do afogamento de Pedro no dia de todos os santos quando nevou demais. Falemos da invenção arborizada de Cage e da forma estúpida como Joaquim dirigia na cidade para encontrar sua mulher, falemos do estado de desgaste da caixa de marcha do automóvel de Joaquim, dos estofos queimados pelo sol e pelas mãos de Joaquim, falemos do cabelo queimado da mulher de Joaquim. Falemos também do movimento físico dessa mulher não amando ninguém para além de seu reflexo no espelho. Falemos do piso escorregadio do Corso Independenza em dias de outono mais ou menos, falemos dos níveis de contaminação provenientes de um hino tocado no banheiro do restaurante, falemos da gota que em compasso cai do frasco de soro para dentro de uma veia previamente furada. Falemos do boi à espreita na cara de Pedro, João e Joaquim e falemos da confissão que o padre não ouve porque está concentradíssimo na circularidade estranha do botão de sua batina.

A PRIMEIRA HORA EM QUE O FILHO DO SOL BRINCOU COM CHUMBINHOS

para Francisco, aos nove anos

Não é que eu queira que você saiba manejar armas mas quero sim que se prepare para afinar sua pontaria.

Meu querido, as árvores falam. Os tigres correm olimpíadas em pistas muito mais incríveis do que aquelas feitas de cimento laranja. Usain Bolt vezes cem, o sorriso de Usain Bolt vezes mil. A matemática não é difícil se você comparar tudo ao aparecimento de um cardume. Alguns frutos nascem no chão, outros caem dos ramos. É preciso estar atento. Certas canções despertam em nós a vontade de uma história que já aconteceu mas que não vai acontecer mais. Algumas histórias têm a duração exata de uma música rock, outras se dividem em cantos. No intervalo dá para comprar pipocas. Poucas pessoas contaram as riscas de uma zebra, mas todos os que o fizeram regressaram diferentes. O alvo de um humano está no terceiro olho e um dia alguém vai explicar para você como o afagar e onde ele fica. Nunca aponte ao terceiro olho, com aquilo é só cuidados. Algumas vezes vão te empurrar e você vai empurrar de volta, provavelmente vai até querer pegar uma pedra para jogar no peito de quem te feriu. Isso não está certo, mas é humano. Quase tudo o que é humano é justo, não deixe que ninguém te diga o contrário – só não vale enfiar o dedo no tal olho porque isso é igual a matar. A morte é o contrário de justiça. Os peixes respiram debaixo de água e se você mergulhar entre as rochas e se concentrar muito também vai conseguir. Ah é : os peixes brilham mais que as chamas, e alguns deles vão morar dentro de seus pulmões. Segure-se. Faça por polir seu riso, principalmente ao entardecer. Afine diariamente a pontaria e reze para que nunca seja necessário o disparo. Não existe proteção melhor do que a consciência de que podemos decidir atirar ao lado. Sim, daqui a muitos anos você vai conseguir acertar direitinho nessa lata de coca-cola que a gente suspendeu no sobreiro. Só acho que não vai querer. Também vai saber por que razão é melhor segurar uma arma descalço – é que é na terra que está a consciência do mundo, e é preciso escutar o seu ruído para agir em verdade. Saiba também, querido, que muitas vezes a sombra de um desenho é bem mais bonita do que o desenho que está à vista. É preciso estar atento, e descobrir o bichinho que se mexe debaixo da folhagem. Não o mate : se cubra de flores e entre para brincar com ele.

DEGRAUS SUBMERSOS

The roses are lovely. Fazes falta, meu chapa. No vaso anda tudo crescendo de uma forma muito desenfreada, não sei como dizer-te que os caules trepam as folhas, que a terra cai sobre as flores e que a frutaria toda ameaça inundar a sala. Anda tudo muito bonito. Chastle não apareceu para o café, não esta manhã, mas é sabido que mais dia ou menos dia o tipo chega. Eu por enquanto fico lendo o jornal. Já sabes, é tremendo este vício de cair de cara na coisa e também de deixar sempre um taco de golfe encostado na mesa. Para o que der, para o que vier. Ainda durmo de camisa branca, ainda corto as laranjas de manhã, de vez em quando ainda abro a porta do quarto, subo até o terraço e canto. Ainda sou um cantorzinho de merda, mas já imito muito bem umas quatro ou cinco espécies de bichos. Sei os nomes dos pássaros que circundam meu bairro e meu bairro tem variado menos que o habitual. Dadá veio aí no outro dia e trazia os lábios pintados de vermelho, achei engraçado e também achei a coisa mais linda daquela tarde no mundo. Diz que vai para a Índia. Todas as mulheres vão. Gee wee, we`re getting older. A lua americana não achou o caminho do céu e os índices de alcoolemia no quartel dos bombeiros vão crescendo a passos bestiais. Oh well. Se um dia achares um penny, ligaí.

WE'VE CHANGED, HONEY BOO

Como estava previsto nos registros, agora você é muito mais dada à astrologia e eu ao estudo dos cafés servidos nas beiras de estrada. A polícia não nos procura mais. O tribunal dos seiscentos dias resolveu que a misturada que fizemos com os nomes dos pássaros já não é uma questão para a segurança interna. Mensagens encriptadas na bula dos medicamentos, aromas desleais enfiados à socapa nos pacotinhos de sorvete, assobios nos ouvidos do sinaleiro – tudo parou. Quase nos prendiam por tráfico de influências, mas agora as urbanizações andam muito sossegadas. Daniel, entretanto, está morto. Walter emudeceu no caminho da composição e os jornais usam datas estranhas em seus cabeçalhos. Junto àquelas figuras de aviões e homens fardados aparece o nome do décimo sexto mês. Mudou tudo, honey, e a distância entre nós não foi certamente a causa para toda a explosão. Existem mais de 39 marcas diferentes de café, isso sem contar as misturas solúveis. As professoras de Westbridge preferem-no forte. Os astronautas fora de missão bebem cafezinho claro, não vá acontecer uma emergência qualquer – quem entende de gravidade está muito consciente da ligação entre leveza e sono. Antes do horóscopo e dos mapas você prestava alguma atenção ao despertar do soldado. Acho que tinha qualquer coisa a ver com luz ou com melancolia, tinha certamente tudo a ver com crença. Quero dizer, tu trabalhavas na tipografia e eu ainda guardo a revista onde plantaste o retrato do barcalhão fazendo a vênia à alvorada. Falávamos muito de príncipes nessa época, e os príncipes pertencem às manhãs. Cada motel serve um café diferente, raios. Distingo os ares da China do vento do Cazaquistão num minuto. We`ve changed, honey boo, mas os climogramas permanecem.

MILAGRES QUE NÃO SÃO CONTRÁRIOS À NATUREZA

Hoje é que é dia de Santo Agostinho. Agostinho só, aquele, bispo e doutor da Igreja, nascido uns quinhentos anos depois do Cristo. Hoje alguém escreveu qualquer coisa sobre corações de pedra e sobre a promessa que circunda a rendição. Rendição quer dizer a desistência do coração de pedra, acho. Quando éramos pequenos a bondade parecia o gesto mais natural de todos, fácil, o movimento perene – agora quase tudo supõe uma rendição.

Hoje é que é dia de Agostinho, e naquela curta temporada que passamos na África (devíamos ter uns 19 anos, não sei bem) eu repetia a frase do santo todas as tardes. Até o infinito solar. Nessa época o coração de pedra não passava de uma escultura abandonada no sertão, um pedaço de terra seca amassada que alguém deixara entre o capim, o desenho inglório das formigas muchã. Inglório, rapaz, e nem por isso menos fascinante. A construção de doze metros feita por aqueles bichinhos mínimos só encontrava rival nos cagalhões dos elefantes, imagine a ironia. Torres de doze metros! Campanários argilosos, corações naturais de terra seca que eram como a representação de nosso corpo futuro. Agostinho sempre segredando o amor pelos furinhos da construção, Agostinho aparecendo nos cabelos do Rei, Agostinho nos estalinhos da língua makua, Nsina na Titi, Na Mwana, Na Munepa, Wotcela, Ámen. Agostinho ao volante da caminhonete pelas crateras da estrada picada, e muitas vezes Agostinho de bicicleta à saída dos estrados do capim. Essa foi minha história com A. em África. Mais tarde apareceu nos corredores da biblioteca, sobressaindo manso da estante 27. Derrubou comigo a moto vermelha, na noite em que quase morri de ciúme e de rancor. Também foi Agostinho quem me pagou o bilhete de metrô quando voltei à cidade onde tomei todas as cervejas com o diabo. Passeei pelos becos do bairro de Josefov, fui dar nas campas cobertas de neve, e nem por isso reparei nos filhos de Jerusalém que me cruzavam nas ruas. Aí meu coração já era bloco, e as construções da muchã uma história do passado. Comprei minha primeira pintura num bar lá perto do cemitério (era o desenho de uma roda gigante num parque de diversões) e à saída, olhando o termômetro de rua, decidi que a partir dali todos os amuletos seriam renováveis. É assim que um rapazinho se apaixona pela arte. Resignado ao processo contínuo da mentira que nos acompanha o caminho todo. Agostinho não disse nada. A primeira suíte de Bach fez as vezes da voz do santo, e já agora de todos os ruídos do mundo : desde o crepitar da fogueira que cozia o pão na caverna em Trás-os-Montes até ao barulhinho da lixa que roçava as unhas daquela moça na favela. O violoncelo arrasou com tudo, e esse era meu novo amuleto. Depois veio a canção da Gal, a concha do Leblon, o lenço vermelho, o pedaço de granito, a baleia de marfim, etc. Todo refúgio material acha uma forma de se renovar.

Passou muito tempo, embora eu não saiba muito bem contar o tempo. Entraram sete verões ou mais, entrou o carnaval, certos aniversários aninhados na barriga de um zepelim, entraram as celebrações novas e dentro delas um par de Hanukkahs. Entraram mais uns quantos Natais no tabuleiro do meu jogo de glória sideral. E quarenta silêncios. Até que subitamente, num dia qualquer de Natal, minha ex-noiva me ligou para dizer que no papelinho anual me tinha calhado o nome de um santo. Foi a homenagem mais bonita que alguém alguma vez fez a um amor já morto – é que em todos os Natais que passamos juntos, eu ganhava um santo e um chocolate. Tudo embrulhado nas flores pardas da paixão. Trazer isso à baila fora de tempo, achei um gesto corajoso e principalmente muito justo. Não comi o chocolate porque toda a gente sabe que o chocolate tem uma digestão terrível, mas confesso que guardei o papelinho. Só o papelinho e não a inscrição – eu nunca esqueci tanto tempo o nome de alguém, principalmente de um santo. Nunca calei tanto tempo as palavras naturais. Mas hoje, sem aviso nenhum, o verão me acordou com duas frases : "Ama e faz o que quiseres. Se calares, calarás com amor." Hoje, rapaz, hoje não é dia de Sebastião, nem de Tomé, nem de Jorge nem das rodas gigantes. Hoje que é dia de Santo Agostinho em minha janela inaugural apareceu a torre muchã de doze metros. E do cocuruto do palácio de terra um soldado gritava Senhor Arranca-me O Coração De Pedra.

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog:
http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Matilde Campilho e a poesia cosmopolita

A variedade de imagens, lugares e referências tornam Jóquei um excelente caleidoscópio poético
https://www.seculodiario.com.br/cultura/matilde-campilho-e-a-poesia-cosmopolita

Veja mais notícias sobre Cultura.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 30 Outubro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection