Dólar Comercial: R$ 5,47 • Euro: R$ 6,40
Quarta, 23 Setembro 2020

Matilde Campilho tem voz própria em Jóquei

matildecampilho_reproducaoyoutubecasaamericalatina Youtube/ Casa America Latina
Matilde Campilho já tinha uma certa reivindicação de uma edição de seus escritos desde a sua atuação no Facebook, aonde inicialmente foi publicando os seus poemas, e os poetas brasileiros que a liam foram incitando a poeta a editar o que ela estava fazendo, mas Matilde adiava a edição, até que decidiu fazer uma ação sistemática, o que foi seu retiro para fazer seu livro Jóquei.

Jóquei não se trata somente destes poemas que apareceram no Facebook, mas um novo material que Matilde tornou em um PDF, e acabou recebendo no dia seguinte um e-mail de Pedro Mexia, que a descobriu por indicação de um amigo. Jóquei demandou um ano inteiro de trabalho de Matilde Campilho, quando ela deixou o emprego e ficou fazendo freelance, num jeito de escrever rápido dentro de ônibus, por exemplo, e depois se debater com os poemas.

Matilde nos diz: "Foi mais de um ano assim, acordar para escrever, ir dormir depois de escrever. Claro que a vida acontecia na mesma - amigos, cervejas, mergulhos, chuva, empregos, tudo. Mas durante aquela temporada havia um eixo central (…) [que] era o livro.

Quando comecei essa temporada nem tinha a total consciência de que ia ser assim tão firme, tão constante. Mas foi. Foi uma prática diária, e quase tudo o que se pratica diariamente se afina e ganha as suas próprias regras. E ao mesmo tempo acaba dando uma regra à vida. Foi um tempo muito bom, ganhei uma cadência e um sossego que contaminou quase todos os meus gestos. É como um ginásio, sabes? Como fazer jogging todas as manhãs. Fica no corpo e muda o corpo. Fazer este livro foi muito isso".

E Jóquei foi ganhando este corpo imenso de uma polifonia de poetas e cantores, muitas vozes ecoando nestes poemas, e Matilde fazendo desta mistura seu próprio estilo, que tem um tributo especial aos norte-americanos como Frank O'Hara, Allen Ginsberg, Ferlinghetti, John Ashberry, Kenneth Koch, Wallace Stevens e William Carlos Williams.

Matilde leu bastante, e também traduziu muito. Matilde, falando destes norte-americanos, ela fala que o mais marcante talvez tenham sido "aqueles norte-americanos todos". Ela diz: "Acho que foi com os norte-americanos que aprendi o ritmo, aquela coisa quase de canção que muitos deles têm". E Matilde também faz tributo a figuras como Octavio Paz e Antonio Cisneros, e seus conterrâneos como Ruy Belo, Daniel Filipe ou Fernando Assis Pacheco.

Por fim, com a sua vinda ao Brasil, Matilde Campilho teve também a influência dos textos que Caetano Veloso escrevia no jornal e nas costas dos discos, que também tem ecos eventuais em Jóquei. O Brasil é um evento de gratidão para esta poesia que Matilde produziu em Jóquei, com este seu lado virado também para Portugal, como disse em meus outros textos sobre este livro e sobre Matilde.

Matilde consegue criar um caleidoscópio de cosmopolitismo mais do que de ecletismo, a mistura registrada em Jóquei tem norte, estilo e personalidade, sua polifonia, sua babel, portanto, não têm nada de um ecletismo pejorativo que não resulta em um material coerente.

Em Jóquei, muito pelo contrário, a mistura de ingredientes que Matilde realiza e dos quais se apropria é muito mais para dar ao seu ritmo um caminho próprio na poesia, na SUA poesia, e Matilde Campilho alcança este seu objetivo. Jóquei é um livro que lhe pertence, tem a sua assinatura inconfundível.

POEMAS 

BADLAND: O poema começa com uma dúvida sobre o gênero sexual da voz poética, lembrando, que em algumas partes de Jóquei, Matilde gosta de brincar com esta ambiguidade, assumindo, às vezes, em seus poemas, uma voz masculina fictícia, esta mania de Matilde também de se dirigir a um interlocutor percorre obsessivamente os versos de Jóquei, no que temos : "Não sei se sou homem/já não sei se sou/homem/se sou besta/se tenho olhos azuis/ou mesmo se visto/camisa azul.". O poema evoca uma dúvida, Matilde desperta aqui um questionamento e fundamentalmente uma interrogação, no que vem : "Não sei se sobre meu ventre/foi depositada uma concha, há uns./1.000 dias atrás. Não sei se sou automático, se devo/trabalhar, pagar o revólver a prestações,/fazer remo, correr na calçada, usar/camisa esquadrinhada, escrever em/cedro esquadrinhado.". Matilde não tem uma memória plena, se esquece dos nomes de poetas, e segue em seu poema do que ela não sabe : "Eu não sei os nomes/dos poetas todos mas sei que os poetas/todos são os novos roqueiros.". Evoca o amor, que promete ser intenso e segue seu curso normal, logo após, com os pés na realidade, e que tem muito a nos ensinar, no que vem : "Aquele amor/aquele que eu pensei/que se despedaçaria como/um meteorito no Minnesota" (...) "afinal caiu silencioso/como um aviãozinho de papel/passeando em Itaparica/em dia de apanha dos morangos.". Matilde finaliza, aqui, com esta dúvida de gênero sexual, a ambiguidade da voz poética de Matilde dando a cara mais uma vez neste poema simpático : "Não sei se sou homem,/se sou mulher. Mas este/é o caminho do estio/e por perto passam os bois.".

GNOMON: O poema tem um desejo intenso, a faculdade do querer em toda a sua potência, no que temos : "Eu queria tudo como/no livro monogramado/A musa/As crianças/A discussão à chuva/que nos obrigaria a perceber/a circularidade mística/de algumas árvores". Matilde quer tudo, no que vem : "Queria tudo como/no lenço das aparições/O gengibre assustando-nos/de vez em quando os pratos/O morro da Lopes Quintas/que você nunca chegaria a ver/Mas que certamente verá/Só não mais por meus olhos". O querer que, normalmente, vem de um desejo de mudança, e mais radicalmente, de transformação, no que temos : "Queria tudo em jeito de promessa/de um acontecimento que mudaria/a percepção da sombra humana/Mas você insistiu em morrer/Você sempre insistia em morrer/e finalmente conseguiu". No entanto, em meio a estes quereres, eventualmente, existem adversidades, e até mesmo tragédias, é a vida como ela é, e este poema a conhece, a vida, também, e narra de forma natural o curso dos acontecimentos, no que temos : "Acontece que agora/Mil anos depois/do enterro de sua bandeira/Depois do choro/Depois da impressionante mudança/nas ocorrências diárias do mundo/Você fica se queixando/Sobre a queda da musa/Sobre a saudade das crianças/Sobre a reprodução profícua/de certas árvores no jardim.". Matilde então segue a narrativa da sensação que vem após completar 30 anos de idade, no que temos : "As coisas que a gente aprende/depois dos 30 anos : sempre achei/que os mortos fossem mudos/E afinal os mortos se descontrolam/no exercício alto da sintaxe.". A ideia de morte e da voz dos mortos, aqui nesta coda, fecha o raciocínio com uma naturalidade que podemos chamar de poética.

O AMOR FAZ-ME FOME: Aqui temos um dos poemas em prosa de caráter fluido de Matilde Campilho, no que vem: "Tropecei numa ementa de vendas de comida ready-made/E por uma dessas fatalidades que vêm encadernadas/em vouchers de correio ou publicidade não endereçada/Fui reparar que agora tu e a tua miúda fazem/cafés da manhã para entregar ao domicílio". O poema segue sobre o tema da entrega a domicílio e logo divaga sobre Rimbaud, saltimbancos, e depois retorna à comida, e o tema da paixão, no que temos : "No meu tempo eu era o príncipe e tu a imagem/mais pura do menino Jean-Nicolas-Arthur Rimbaud/Dois saltimbancos cruzando a cidade e os dias" (...) "A comida não era de todo o que mais nos interessava/se pensarmos que a paixão alucinante era rastilho suficiente/para rebentar-nos o estômago até o nível da alegria". Mais uma vez, como Matilde fez em outros poemas de Jóquei, ela se refere a esta sua idade que acaba de passar dos 30 anos, no que temos : "Hoje temos mais de trinta anos e da minha janela dá para ver/os disparos dos incontáveis snipers das barricadas de Kiev/Desta varanda podem ouvir-se os gritos das ruas venezuelanas/se sobrepondo ao viejo papá que só quer dizer pásame el pan". Um tour rápido por Kiev, um sniper, as ruas venezuelanas, enriquecendo o poema em prosa que reforça a sua fluidez nestas imagens, e segue : "Parece que a primavera do mundo é um trabalho em progresso/mas o caminho até lá está sendo todo feito entre as veredas/e entre os galhos de fogo de um gigante inverno". E temos o amor, tema poético par excellence, em uma chave cool e contemporânea, no que vem : "O amor ainda é o estandarte onde vamos pendurando as bandeiras/A coragem ainda é o ferro onde vamos pendurando as roupas/Sim ainda rasgamos nossas roupas Sim ainda esfolamos os joelhos/Mas agora é tudo em nome de uma certa mudança universal/Onde andarás tu e teu sonho nesta manhã eu já não sei/Muito menos que espécie de alimentos entregas ao domicílio/Seja como for o amor ainda me faz bastante fome/e o relento ainda me parece o asfalto justo para toda revolução/Portanto (apesar dos vouchers) hoje meu miúdo e eu escolhemos/tomar café da manhã na rua e deixar para lá o domicílio.". E Matilde e seu miúdo, enfim, corrompem a chave de prata do poema e vão à rua, fora do domicílio, a chave de ouro ou coda formam a surpresa de uma decisão nova da poeta.

PAZ, PALAVRA ÚTIL: O poema lembra mais uma vez Whitman, um dos poetas-fetiche de Matilde, podemos compará-lo somente à presença de T.S.Eliot nesta citação de poetas que Matilde faz em seu livro Jóquei, no que temos : "Estava lendo Whitman/e lembrei de você/Isso para começo dos trabalhos/já é mais ou menos bom sinal". E Matilde faz esta colagem em que produz seu poema próprio de Whitman, no que temos : "Quando descobri o tal poema curto/que lá para o meio do corpo diz/"the pay is certain one way or another"/Não foi exatamente por isso/que lembrei de você/Até porque esse é um poema/que fala daqueles amores assim/longos, assustados, algumas vezes/raivosos e geralmente/de correspondência difícil". E o poema vem com o tema do amor, esta âncora comum dos versos clássicos, mas que aqui aparece junto com outros sentimentos como o espanto, no que vem : "Um amor daqueles semieternos/que faz escrever um livro/ou um punhado de versos" (...) "O que aconteceu foi que/por causa do espanto/precisei coçar o queixo/levar as duas mãos à cara". E o evento do poema explica o fato da memória que o poema evoca, no que temos : "O que aconteceu foi que/por causa do gesto indecifrável/ou da estocada da memória/o livro caiu no chão do trem/E então a queda ferroviária/fez voar o marcador das páginas/Veja só : era o cartãozinho/do bar dos pescadores". E aqui temos o esclarecimento de todo o tema do poema, no que temos : "caindo a meus pés/Foi por causa do nome da rua/que vinha escrito no cartão/O endereço do boteco/do sol & das fainas/Que lembrei de você" (...) "E daquele mês/de ouro na cidade-norte/Quando tudo ia bem/hiper mega bem/com as 4 vidas/transatlânticas.".

TENHO PLANOS PARA UMA CONFISSÃO: O poema segue em seu imprevisto e o que se espera, e se abre nesta tensão da razão desafiada, no que temos : "Foi em novembro de dois mil e tal/em Ipanema/Fazia frio e não devia/Chovia como era previsto/E algumas dessas coisas/nos confundiam/Eu era demasiado novo para o desterro/Um pouco velho já para certas aventuras". E o poema ganha um tom reflexivo, no que temos : "Meu rosto não se transformava/mas a paisagem sim" (...) "Maria meu velho tesouro/não me acompanhava mais/Os canaviais, as abóbadas do Arkansas,/as feridas no rosto e os recibos de pensões/iam caindo no caminho como balas de açúcar". O poema fala do pensamento, da reflexão do tempo, da memória, no que temos : "Era nisso que eu pensava/quando não pensava em nada/Foi no novembro de Ipanema/quando me acertei com a meditação" (...) "A vida nunca foi tão pacífica/Desistira facilmente dos troféus". E as consequências do tempo, em toda a sua densidade existencial, no que vem : "Meus amigos iam se retirando como lascas/Eu ia aproximando o rosto das orquídeas/atadas nas árvores pelos porteiros de Ipanema" (...) "As manhãs eram todas de ouro/E à passagem de cada uma delas/eu atava uma nova pulseira em meu braço/Foi um poeta quem me disse/Que os gêmeos se distinguem pelas cores/das fitas amarradas em seus pulsos/Eu queria distinguir-me de mim mesmo/Como um urso que fareja as moedas/entre os cachos de erva". O poema segue seu curso, e temos : "Certa manhã, entre as colunas/de fogo que de vez em quando/se levantavam no terror das esquinas,/apareceu o rosto doce de Antonio/Fotografei-o com minha câmera descartável/E essa imagem desfocada é a pagela/que trago dobrada em meu bolso até hoje". A voz poética, depois de todo este trajeto, faz uma bela descoberta, foi feliz, coda magistral de Matilde : "Aqueles foram meus pleitos literários/entre o mar e a cidade/E, como disse o santo da fotografia,/na verdade fui feliz.".

WE NEVER DID TOO MUCH TALKING ANYWAY: O poema descreve ambiguamente Coney Island, e contradiz apontando para um outro lado, no que temos : "Por exemplo/esqueça Coney Island/e as trezentas peças/de metal que compõem/o jogo mágico de Coney/Island no mês de agosto". Evoca a lembrança, no que temos : "Lembre de meu fascínio/profundo por desportistas/noturnos que sincronizam/a respiração com o batimento/dos dedos da amante morta" (...) "Lembre do quanto me iluminam/os animais talhados no marfim". O poema faz este jogo entre lembrança e esquecimento, mais uma vez Matilde coloca o tema aqui da memória, no que temos : "Esqueça talvez/a manobra repetida/de lamber envelopes/no silêncio de um quarto" (...) "Lembre que por vezes/você tem muita razão/e que outras vezes não/Esqueça vá esqueça/o inverno em Ipanema" (...) "Lembre de meu desejo/muitas vezes certo/muitas vezes não" (...) "E se puder não esqueça/o rosto calmo do tigre/que está parado na porta/esperando para entrar/e para depois nos atravessar.". A riqueza de imagens do poema conversa bem com os motes ambivalentes da memória, que são a lembrança e o esquecimento.

POEMAS 

BADLAND

Não sei se sou homem

já não sei se sou

homem

se sou besta

se tenho olhos azuis

ou mesmo se visto

camisa azul.

Também já não sei

se seguro um toco

meio ardido, aqui sentado

na esplanada desta cidade

cujo nome é Tavizkam.

Não sei se sobre meu ventre

foi depositada uma concha, há uns.

1.000 dias atrás.

Não sei se sou automático, se devo

trabalhar, pagar o revólver a prestações,

fazer remo, correr na calçada, usar

camisa esquadrinhada, escrever em

cedro esquadrinhado. Eu não sei

se possuo uma barca, se possuo

ossos que podem apodrecer

a qualquer hora. Eu não sei os nomes

dos poetas todos mas sei que os poetas

todos são os novos roqueiros. Eu não

sei, só sei que antes julguei que

os poetas eram escavadores.

Aquele amor

aquele que eu pensei

que se despedaçaria como

um meteorito no Minnesota

(uma coisa assim

estrondosa abusiva

gritante maravilhosa

estilhaço prolongado

cheio de uivos)

afinal caiu silencioso

como um aviãozinho de papel

passeando em Itaparica

em dia de apanha dos morangos.



Não sei se sou homem,

se sou mulher. Mas este

é o caminho do estio

e por perto passam os bois.



GNOMON

Eu queria tudo como

no livro monogramado

A musa

As crianças

A discussão à chuva

que nos obrigaria a perceber

a circularidade mística

de algumas árvores

O choro

O recado escondido de Chillida

Queria tudo como

no lenço das aparições

O gengibre assustando-nos

de vez em quando os pratos

O morro da Lopes Quintas

que você nunca chegaria a ver

Mas que certamente verá

Só não mais por meus olhos

(como você ainda disse :

o caleidoscópio através

do qual sucedia o mundo)

Queria tudo sobre o pano

de um chapéu de tirolês

Tudo tão importante quanto

a descoberta grega

do ângulo de noventa graus

Queria tudo em jeito de promessa

de um acontecimento que mudaria

a percepção da sombra humana

Mas você insistiu em morrer

Você sempre insistia em morrer

e finalmente conseguiu

Acontece que agora

Mil anos depois

do enterro de sua bandeira

Depois do choro

Depois da impressionante mudança

nas ocorrências diárias do mundo

Você fica se queixando

Sobre a queda da musa

Sobre a saudade das crianças

Sobre a reprodução profícua

de certas árvores no jardim.

As coisas que a gente aprende

depois dos 30 anos : sempre achei

que os mortos fossem mudos

E afinal os mortos se descontrolam

no exercício alto da sintaxe.



O AMOR FAZ-ME FOME



Tropecei numa ementa de vendas de comida ready-made

E por uma dessas fatalidades que vêm encadernadas

em vouchers de correio ou publicidade não endereçada

Fui reparar que agora tu e a tua miúda fazem

cafés da manhã para entregar ao domicílio

Perdão queria dizer pequenos-almoços

deixemos o café e as manhãs para outras dinastias

No meu tempo eu era o príncipe e tu a imagem

mais pura do menino Jean-Nicolas-Arthur Rimbaud

Dois saltimbancos cruzando a cidade e os dias

Também cruzávamos os dedos mas isso agora não importa

Dois rapazolas roubando meio croissant e três goles de suco

às mesas impecavelmente postas dos hotéis mais bonitos da cidade

A comida não era de todo o que mais nos interessava

se pensarmos que a paixão alucinante era rastilho suficiente

para rebentar-nos o estômago até o nível da alegria

Havia sempre alguém disposto a pagar-nos refeições

assim como nós estávamos sempre prontos a pular o fogo mágico

Acostumamo-nos desde muito cedo a sair das celebrações

de joelhos chamuscados e com as roupas mais ou menos rasgadas

Isso era motivo suficiente para que um de nós pegasse a moto

e então os dois acelerávamos até a praia mais deserta do país

Nem por isso deixamos de nos escapar aos acontecimentos

mas aqueles foram indubitavelmente os mergulhos de ouro

Agora as fogueiras levantam-se muito mais altas do que as magias

às quais dedicamos quase toda nossa juventude igualitária

Hoje temos mais de trinta anos e da minha janela dá para ver

os disparos dos incontáveis snipers das barricadas de Kiev

Desta varanda podem ouvir-se os gritos das ruas venezuelanas

se sobrepondo ao viejo papá que só quer dizer pásame el pan

Daqui dá para cheirar a ameaça de pólvora semi-invisível saindo

do documento que declara o estado de exceção no sul da Bahia

Parece que a primavera do mundo é um trabalho em progresso

mas o caminho até lá está sendo todo feito entre as veredas

e entre os galhos de fogo de um gigante inverno

No nosso tempo eu acreditava muito nas notícias e na televisão

Hoje eu acredito nas experiências que me contam os homens

Ontem éramos os filhos dos netos da revolução

E explicaram-nos que a tabuada e a paixão alucinante eram tudo

o que precisávamos e precisaríamos para o exercício da construção

Hoje somos pais de algumas crianças e pais de nós mesmos

e já vamos sabendo algumas coisas sobre a palavra desconstrução

O amor ainda é o estandarte onde vamos pendurando as bandeiras

A coragem ainda é o ferro onde vamos pendurando as roupas

Sim ainda rasgamos nossas roupas Sim ainda esfolamos os joelhos

Mas agora é tudo em nome de uma certa mudança universal

Onde andarás tu e teu sonho nesta manhã eu já não sei

Muito menos que espécie de alimentos entregas ao domicílio

Seja como for o amor ainda me faz bastante fome

e o relento ainda me parece o asfalto justo para toda revolução

Portanto (apesar dos vouchers) hoje meu miúdo e eu escolhemos

tomar café da manhã na rua e deixar para lá o domicílio.



PAZ, PALAVRA ÚTIL

poema alegre para o capitão



Estava lendo Whitman

e lembrei de você

Isso para começo dos trabalhos

já é mais ou menos bom sinal

Foi imediatamente depois do espanto

da página 108

Quando descobri o tal poema curto

que lá para o meio do corpo diz

"the pay is certain one way or another"

Não foi exatamente por isso

que lembrei de você

Até porque esse é um poema

que fala daqueles amores assim

longos, assustados, algumas vezes

raivosos e geralmente

de correspondência difícil

(repare que difícil é bastante

o contrário de impossível)

Um amor daqueles semieternos

que faz escrever um livro

ou um punhado de versos

Sendo essa a correspondência

mais honesta

Portanto não foi aí que lembrei

de você Não

O que aconteceu foi que

por causa do espanto

precisei coçar o queixo

levar as duas mãos à cara

e respirar entre os 20 dedos

O que aconteceu foi que

por causa do gesto indecifrável

ou da estocada da memória

o livro caiu no chão do trem

E então a queda ferroviária

fez voar o marcador das páginas

Veja só : era o cartãozinho

do bar dos pescadores

(ele que pelos vistos tem servido

de marca-compasso

para a canção de Whitman

desde o último verão)

caindo a meus pés

Foi por causa do nome da rua

que vinha escrito no cartão

O endereço do boteco

do sol & das fainas

Que lembrei de você

De sua primeira aparição

De sua primeira gargalhada

E daquele mês

de ouro na cidade-norte

Quando tudo ia bem

hiper mega bem

com as 4 vidas

transatlânticas.



TENHO PLANOS PARA UMA CONFISSÃO



Foi em novembro de dois mil e tal

em Ipanema

Fazia frio e não devia

Chovia como era previsto

E algumas dessas coisas

nos confundiam

Eu era demasiado novo para o desterro

Um pouco velho já para certas aventuras

Dormia algumas horas por noite

num quartinho de esquina

Onde guardava os 7 livros, uma hamaca

vermelha & branca e a pequena caixa

de madeira onde ia depositando a diário

as lascas que sobravam da escultura

Eu ia esculpindo um novo genoma

Com mãos encharcadas de água de coco



Meu rosto não se transformava

mas a paisagem sim

Uma vez por semana cruzava a rua

de saquinho plástico pendurado no braço

e levava a roupa na lavanderia

Maria meu velho tesouro

não me acompanhava mais

Os canaviais, as abóbadas do Arkansas,

as feridas no rosto e os recibos de pensões

iam caindo no caminho como balas de açúcar

O desenho daquele rastro no chão

apontaria certamente ao palácio lunar

Era nisso que eu pensava

quando não pensava em nada

Foi no novembro de Ipanema

quando me acertei com a meditação



Comia duas bananas por dia

Um suco de acerola

E de vez em quando um sanduíche

A vida nunca foi tão pacífica

Desistira facilmente dos troféus

Guardando para mim apenas a bandeirola

Da Federación Uruguaya de Esgrima

Porque sempre suspeitei

que aprenderíamos muito

fixando os espaços

entre as listras azuis e brancas



Meus amigos iam se retirando como lascas

Eu ia aproximando o rosto das orquídeas

atadas nas árvores pelos porteiros de Ipanema

Tomava o café da manhã no mercado

enquanto lia o jornal da cidade

Havia um forte cheiro de mar sujo

que subia sempre a 3 quadras

até chegar na avenida

As manhãs eram todas de ouro

E à passagem de cada uma delas

eu atava uma nova pulseira em meu braço

Foi um poeta quem me disse

Que os gêmeos se distinguem pelas cores

das fitas amarradas em seus pulsos

Eu queria distinguir-me de mim mesmo

Como um urso que fareja as moedas

entre os cachos de erva



Havia uma artéria que ligava todas as coisas

desde a Praia de Botafogo até o Centro da Cidade

O atravessamento do Aterro

nas cavalitas de um ônibus bêbado

foi durante muito tempo

a única salvação possível



Certa manhã, entre as colunas

de fogo que de vez em quando

se levantavam no terror das esquinas,

apareceu o rosto doce de Antonio

Fotografei-o com minha câmera descartável

E essa imagem desfocada é a pagela

que trago dobrada em meu bolso até hoje



Aqueles foram meus pleitos literários

entre o mar e a cidade

E, como disse o santo da fotografia,

na verdade fui feliz.



WE NEVER DID TOO MUCH TALKING ANYWAY



Por exemplo

esqueça Coney Island

e as trezentas peças

de metal que compõem

o jogo mágico de Coney

Island no mês de agosto

Lembre da palavra sushi

sendo gritada no metrô

quando tudo o que alguém

queria gritar era sua devoção

por pedacinhos de prata

Lembre de meu fascínio

profundo por desportistas

noturnos que sincronizam

a respiração com o batimento

dos dedos da amante morta

Esqueça o comprimido

composto de estearato

de magnésio e macrogol

receitado por doutor Roberto

quando o pobre doutor Roberto

não sabia mais o que tentar

ou então tinha mais o que fazer

naquela tarde de quarta-feira

na emergência de São Vicente

Lembre que quarta-feira

é dia de jogo de pebolim

e sobre isso não tem discussão

Lembre do quanto me iluminam

os animais talhados no marfim

principalmente aquela baleia

de oito centímetros e meio

minha única esperança

Esqueça talvez

a manobra repetida

de lamber envelopes

no silêncio de um quarto

quando já faz sol nas praças

Somos feitos para o relento

Lembre que por vezes

você tem muita razão

e que outras vezes não

Esqueça vá esqueça

o inverno em Ipanema

e o tubarão nadando

nas veias da besta

de Ipanema gelada

Lembre de meu desejo

muitas vezes certo

muitas vezes não

Lembre a descoberta

daquele excerto que dizia

nós subimos os degraus

a correr e saímos do frio

brilhante para o frio escuro

E se puder não esqueça

o rosto calmo do tigre

que está parado na porta

esperando para entrar

e para depois nos atravessar.



Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog: http://poesiaeconhecimento.blogspot.comMatilde Campilho tem voz própria em Jóquei

Jóquei tem norte, tem estilo, tem personalidade

Matilde Campilho já tinha uma certa reivindicação de uma edição de seus escritos desde a sua atuação no Facebook, aonde inicialmente foi publicando os seus poemas, e os poetas brasileiros que a liam foram incitando a poeta a editar o que ela estava fazendo, mas Matilde adiava a edição destes poemas, até que decidiu fazer uma ação sistemática, o que foi seu retiro para fazer seu livro Jóquei.

Jóquei não se trata somente destes poemas que apareceram no Facebook, mas um novo material que Matilde tornou em um PDF, e acabou recebendo no dia seguinte um e-mail de Pedro Mexia, que a descobriu por indicação de um amigo. Jóquei demandou um ano inteiro de trabalho de Matilde Campilho, quando ela deixou o emprego e ficou fazendo freelance, num jeito de escrever rápido dentro de ônibus, por exemplo, e depois se debater com os poemas.

Matilde nos diz : "Foi mais de um ano assim, acordar para escrever, ir dormir depois de escrever. Claro que a vida acontecia na mesma - amigos, cervejas, mergulhos, chuva, empregos, tudo. Mas durante aquela temporada havia um eixo central (…) [que] era o livro.

Quando comecei essa temporada nem tinha a total consciência de que ia ser assim tão firme, tão constante. Mas foi. Foi uma prática diária, e quase tudo o que se pratica diariamente se afina e ganha as suas próprias regras. E ao mesmo tempo acaba dando uma regra à vida. Foi um tempo muito bom, ganhei uma cadência e um sossego que contaminou quase todos os meus gestos. É como um ginásio, sabes? Como fazer jogging todas as manhãs. Fica no corpo e muda o corpo. Fazer este livro foi muito isso".

E Jóquei foi ganhando este corpo imenso de uma polifonia de poetas e cantores, muitas vozes ecoando nestes poemas, e Matilde fazendo desta mistura seu próprio estilo, que tem um tributo especial aos norte-americanos como Frank O'Hara, Allen Ginsberg, Ferlinghetti, John Ashberry, Kenneth Koch, Wallace Stevens e william carlos williams.

Matilde leu bastante, e também traduziu muito. Matilde, falando destes norte-americanos, ela fala que o mais marcante talvez tenham sido "aqueles norte-americanos todos". Ela diz : "Acho que foi com os norte-americanos que aprendi o ritmo, aquela coisa quase de canção que muitos deles têm". E Matilde também faz tributo a figuras como Octavio Paz e Antonio Cisneros, e seus conterrâneos como Ruy Belo, Daniel Filipe ou Fernando Assis Pacheco.

Por fim, com a sua vinda ao Brasil Matilde Campilho teve também a influência dos textos que Caetano Veloso escrevia no jornal e nas costas dos discos, que também tem ecos eventuais em Jóquei. O Brasil é um evento de gratidão para esta poesia que Matilde produziu em Jóquei, com este seu lado virado também para Portugal, como disse em meus outros textos sobre este livro e sobre Matilde.

Matilde consegue criar um caleidoscópio de cosmopolitismo mais do que de ecletismo, a mistura que temos em Jóquei tem norte, tem estilo, tem personalidade, sua polifonia, sua babel, portanto, não tem nada de um ecletismo pejorativo que não resulta em um material coerente.

Em Jóquei, muito pelo contrário, a mistura de ingredientes que Matilde realiza e dos quais se apropria é muito mais para dar ao seu ritmo um caminho próprio na poesia, na SUA poesia, e Matilde Campilho alcança este seu objetivo, Jóquei é um livro que lhe pertence, tem a sua assinatura inconfundível.

POEMAS :

BADLAND : O poema começa com uma dúvida sobre o gênero sexual da voz poética, lembrando, que em algumas partes de Jóquei, Matilde gosta de brincar com esta ambiguidade, assumindo, às vezes, em seus poemas, uma voz masculina fictícia, esta mania de Matilde também de se dirigir a um interlocutor percorre obsessivamente os versos de Jóquei, no que temos : "Não sei se sou homem/já não sei se sou/homem/se sou besta/se tenho olhos azuis/ou mesmo se visto/camisa azul.". O poema evoca uma dúvida, Matilde desperta aqui um questionamento e fundamentalmente uma interrogação, no que vem : "Não sei se sobre meu ventre/foi depositada uma concha, há uns./1.000 dias atrás. Não sei se sou automático, se devo/trabalhar, pagar o revólver a prestações,/fazer remo, correr na calçada, usar/camisa esquadrinhada, escrever em/cedro esquadrinhado.". Matilde não tem uma memória plena, se esquece dos nomes de poetas, e segue em seu poema do que ela não sabe : "Eu não sei os nomes/dos poetas todos mas sei que os poetas/todos são os novos roqueiros.". Evoca o amor, que promete ser intenso e segue seu curso normal, logo após, com os pés na realidade, e que tem muito a nos ensinar, no que vem : "Aquele amor/aquele que eu pensei/que se despedaçaria como/um meteorito no Minnesota" (...) "afinal caiu silencioso/como um aviãozinho de papel/passeando em Itaparica/em dia de apanha dos morangos.". Matilde finaliza, aqui, com esta dúvida de gênero sexual, a ambiguidade da voz poética de Matilde dando a cara mais uma vez neste poema simpático : "Não sei se sou homem,/se sou mulher. Mas este/é o caminho do estio/e por perto passam os bois.".

GNOMON : O poema tem um desejo intenso, a faculdade do querer em toda a sua potência, no que temos : "Eu queria tudo como/no livro monogramado/A musa/As crianças/A discussão à chuva/que nos obrigaria a perceber/a circularidade mística/de algumas árvores". Matilde quer tudo, no que vem : "Queria tudo como/no lenço das aparições/O gengibre assustando-nos/de vez em quando os pratos/O morro da Lopes Quintas/que você nunca chegaria a ver/Mas que certamente verá/Só não mais por meus olhos". O querer que, normalmente, vem de um desejo de mudança, e mais radicalmente, de transformação, no que temos : "Queria tudo em jeito de promessa/de um acontecimento que mudaria/a percepção da sombra humana/Mas você insistiu em morrer/Você sempre insistia em morrer/e finalmente conseguiu". No entanto, em meio a estes quereres, eventualmente, existem adversidades, e até mesmo tragédias, é a vida como ela é, e este poema a conhece, a vida, também, e narra de forma natural o curso dos acontecimentos, no que temos : "Acontece que agora/Mil anos depois/do enterro de sua bandeira/Depois do choro/Depois da impressionante mudança/nas ocorrências diárias do mundo/Você fica se queixando/Sobre a queda da musa/Sobre a saudade das crianças/Sobre a reprodução profícua/de certas árvores no jardim.". Matilde então segue a narrativa da sensação que vem após completar 30 anos de idade, no que temos : "As coisas que a gente aprende/depois dos 30 anos : sempre achei/que os mortos fossem mudos/E afinal os mortos se descontrolam/no exercício alto da sintaxe.". A ideia de morte e da voz dos mortos, aqui nesta coda, fecha o raciocínio com uma naturalidade que podemos chamar de poética.

O AMOR FAZ-ME FOME : Aqui temos um dos poemas em prosa de caráter fluido de Matilde Campilho, no que vem : "Tropecei numa ementa de vendas de comida ready-made/E por uma dessas fatalidades que vêm encadernadas/em vouchers de correio ou publicidade não endereçada/Fui reparar que agora tu e a tua miúda fazem/cafés da manhã para entregar ao domicílio". O poema segue sobre o tema da entrega a domicílio e logo divaga sobre Rimbaud, saltimbancos, e depois retorna à comida, e o tema da paixão, no que temos : "No meu tempo eu era o príncipe e tu a imagem/mais pura do menino Jean-Nicolas-Arthur Rimbaud/Dois saltimbancos cruzando a cidade e os dias" (...) "A comida não era de todo o que mais nos interessava/se pensarmos que a paixão alucinante era rastilho suficiente/para rebentar-nos o estômago até o nível da alegria". Mais uma vez, como Matilde fez em outros poemas de Jóquei, ela se refere a esta sua idade que acaba de passar dos 30 anos, no que temos : "Hoje temos mais de trinta anos e da minha janela dá para ver/os disparos dos incontáveis snipers das barricadas de Kiev/Desta varanda podem ouvir-se os gritos das ruas venezuelanas/se sobrepondo ao viejo papá que só quer dizer pásame el pan". Um tour rápido por Kiev, um sniper, as ruas venezuelanas, enriquecendo o poema em prosa que reforça a sua fluidez nestas imagens, e segue : "Parece que a primavera do mundo é um trabalho em progresso/mas o caminho até lá está sendo todo feito entre as veredas/e entre os galhos de fogo de um gigante inverno". E temos o amor, tema poético par excellence, em uma chave cool e contemporânea, no que vem : "O amor ainda é o estandarte onde vamos pendurando as bandeiras/A coragem ainda é o ferro onde vamos pendurando as roupas/Sim ainda rasgamos nossas roupas Sim ainda esfolamos os joelhos/Mas agora é tudo em nome de uma certa mudança universal/Onde andarás tu e teu sonho nesta manhã eu já não sei/Muito menos que espécie de alimentos entregas ao domicílio/Seja como for o amor ainda me faz bastante fome/e o relento ainda me parece o asfalto justo para toda revolução/Portanto (apesar dos vouchers) hoje meu miúdo e eu escolhemos/tomar café da manhã na rua e deixar para lá o domicílio.". E Matilde e seu miúdo, enfim, corrompem a chave de prata do poema e vão à rua, fora do domicílio, a chave de ouro ou coda formam a surpresa de uma decisão nova da poeta.

PAZ, PALAVRA ÚTIL : O poema lembra mais uma vez Whitman, um dos poetas-fetiche de Matilde, podemos compará-lo somente à presença de T.S.Eliot nesta citação de poetas que Matilde faz em seu livro Jóquei, no que temos : "Estava lendo Whitman/e lembrei de você/Isso para começo dos trabalhos/já é mais ou menos bom sinal". E Matilde faz esta colagem em que produz seu poema próprio de Whitman, no que temos : "Quando descobri o tal poema curto/que lá para o meio do corpo diz/"the pay is certain one way or another"/Não foi exatamente por isso/que lembrei de você/Até porque esse é um poema/que fala daqueles amores assim/longos, assustados, algumas vezes/raivosos e geralmente/de correspondência difícil". E o poema vem com o tema do amor, esta âncora comum dos versos clássicos, mas que aqui aparece junto com outros sentimentos como o espanto, no que vem : "Um amor daqueles semieternos/que faz escrever um livro/ou um punhado de versos" (...) "O que aconteceu foi que/por causa do espanto/precisei coçar o queixo/levar as duas mãos à cara". E o evento do poema explica o fato da memória que o poema evoca, no que temos : "O que aconteceu foi que/por causa do gesto indecifrável/ou da estocada da memória/o livro caiu no chão do trem/E então a queda ferroviária/fez voar o marcador das páginas/Veja só : era o cartãozinho/do bar dos pescadores". E aqui temos o esclarecimento de todo o tema do poema, no que temos : "caindo a meus pés/Foi por causa do nome da rua/que vinha escrito no cartão/O endereço do boteco/do sol & das fainas/Que lembrei de você" (...) "E daquele mês/de ouro na cidade-norte/Quando tudo ia bem/hiper mega bem/com as 4 vidas/transatlânticas.".

TENHO PLANOS PARA UMA CONFISSÃO : O poema segue em seu imprevisto e o que se espera, e se abre nesta tensão da razão desafiada, no que temos : "Foi em novembro de dois mil e tal/em Ipanema/Fazia frio e não devia/Chovia como era previsto/E algumas dessas coisas/nos confundiam/Eu era demasiado novo para o desterro/Um pouco velho já para certas aventuras". E o poema ganha um tom reflexivo, no que temos : "Meu rosto não se transformava/mas a paisagem sim" (...) "Maria meu velho tesouro/não me acompanhava mais/Os canaviais, as abóbadas do Arkansas,/as feridas no rosto e os recibos de pensões/iam caindo no caminho como balas de açúcar". O poema fala do pensamento, da reflexão do tempo, da memória, no que temos : "Era nisso que eu pensava/quando não pensava em nada/Foi no novembro de Ipanema/quando me acertei com a meditação" (...) "A vida nunca foi tão pacífica/Desistira facilmente dos troféus". E as consequências do tempo, em toda a sua densidade existencial, no que vem : "Meus amigos iam se retirando como lascas/Eu ia aproximando o rosto das orquídeas/atadas nas árvores pelos porteiros de Ipanema" (...) "As manhãs eram todas de ouro/E à passagem de cada uma delas/eu atava uma nova pulseira em meu braço/Foi um poeta quem me disse/Que os gêmeos se distinguem pelas cores/das fitas amarradas em seus pulsos/Eu queria distinguir-me de mim mesmo/Como um urso que fareja as moedas/entre os cachos de erva". O poema segue seu curso, e temos : "Certa manhã, entre as colunas/de fogo que de vez em quando/se levantavam no terror das esquinas,/apareceu o rosto doce de Antonio/Fotografei-o com minha câmera descartável/E essa imagem desfocada é a pagela/que trago dobrada em meu bolso até hoje". A voz poética, depois de todo este trajeto, faz uma bela descoberta, foi feliz, coda magistral de Matilde : "Aqueles foram meus pleitos literários/entre o mar e a cidade/E, como disse o santo da fotografia,/na verdade fui feliz.".

WE NEVER DID TOO MUCH TALKING ANYWAY : O poema descreve ambiguamente Coney Island, e contradiz apontando para um outro lado, no que temos : "Por exemplo/esqueça Coney Island/e as trezentas peças/de metal que compõem/o jogo mágico de Coney/Island no mês de agosto". Evoca a lembrança, no que temos : "Lembre de meu fascínio/profundo por desportistas/noturnos que sincronizam/a respiração com o batimento/dos dedos da amante morta" (...) "Lembre do quanto me iluminam/os animais talhados no marfim". O poema faz este jogo entre lembrança e esquecimento, mais uma vez Matilde coloca o tema aqui da memória, no que temos : "Esqueça talvez/a manobra repetida/de lamber envelopes/no silêncio de um quarto" (...) "Lembre que por vezes/você tem muita razão/e que outras vezes não/Esqueça vá esqueça/o inverno em Ipanema" (...) "Lembre de meu desejo/muitas vezes certo/muitas vezes não" (...) "E se puder não esqueça/o rosto calmo do tigre/que está parado na porta/esperando para entrar/e para depois nos atravessar.". A riqueza de imagens do poema conversa bem com os motes ambivalentes da memória, que são a lembrança e o esquecimento.

POEMAS :

BADLAND

Não sei se sou homem

já não sei se sou

homem

se sou besta

se tenho olhos azuis

ou mesmo se visto

camisa azul.

Também já não sei

se seguro um toco

meio ardido, aqui sentado

na esplanada desta cidade

cujo nome é Tavizkam.

Não sei se sobre meu ventre

foi depositada uma concha, há uns.

1.000 dias atrás.

Não sei se sou automático, se devo

trabalhar, pagar o revólver a prestações,

fazer remo, correr na calçada, usar

camisa esquadrinhada, escrever em

cedro esquadrinhado. Eu não sei

se possuo uma barca, se possuo

ossos que podem apodrecer

a qualquer hora. Eu não sei os nomes

dos poetas todos mas sei que os poetas

todos são os novos roqueiros. Eu não

sei, só sei que antes julguei que

os poetas eram escavadores.

Aquele amor

aquele que eu pensei

que se despedaçaria como

um meteorito no Minnesota

(uma coisa assim

estrondosa abusiva

gritante maravilhosa

estilhaço prolongado

cheio de uivos)

afinal caiu silencioso

como um aviãozinho de papel

passeando em Itaparica

em dia de apanha dos morangos.



Não sei se sou homem,

se sou mulher. Mas este

é o caminho do estio

e por perto passam os bois.



GNOMON

Eu queria tudo como

no livro monogramado

A musa

As crianças

A discussão à chuva

que nos obrigaria a perceber

a circularidade mística

de algumas árvores

O choro

O recado escondido de Chillida

Queria tudo como

no lenço das aparições

O gengibre assustando-nos

de vez em quando os pratos

O morro da Lopes Quintas

que você nunca chegaria a ver

Mas que certamente verá

Só não mais por meus olhos

(como você ainda disse :

o caleidoscópio através

do qual sucedia o mundo)

Queria tudo sobre o pano

de um chapéu de tirolês

Tudo tão importante quanto

a descoberta grega

do ângulo de noventa graus

Queria tudo em jeito de promessa

de um acontecimento que mudaria

a percepção da sombra humana

Mas você insistiu em morrer

Você sempre insistia em morrer

e finalmente conseguiu

Acontece que agora

Mil anos depois

do enterro de sua bandeira

Depois do choro

Depois da impressionante mudança

nas ocorrências diárias do mundo

Você fica se queixando

Sobre a queda da musa

Sobre a saudade das crianças

Sobre a reprodução profícua

de certas árvores no jardim.

As coisas que a gente aprende

depois dos 30 anos : sempre achei

que os mortos fossem mudos

E afinal os mortos se descontrolam

no exercício alto da sintaxe.



O AMOR FAZ-ME FOME



Tropecei numa ementa de vendas de comida ready-made

E por uma dessas fatalidades que vêm encadernadas

em vouchers de correio ou publicidade não endereçada

Fui reparar que agora tu e a tua miúda fazem

cafés da manhã para entregar ao domicílio

Perdão queria dizer pequenos-almoços

deixemos o café e as manhãs para outras dinastias

No meu tempo eu era o príncipe e tu a imagem

mais pura do menino Jean-Nicolas-Arthur Rimbaud

Dois saltimbancos cruzando a cidade e os dias

Também cruzávamos os dedos mas isso agora não importa

Dois rapazolas roubando meio croissant e três goles de suco

às mesas impecavelmente postas dos hotéis mais bonitos da cidade

A comida não era de todo o que mais nos interessava

se pensarmos que a paixão alucinante era rastilho suficiente

para rebentar-nos o estômago até o nível da alegria

Havia sempre alguém disposto a pagar-nos refeições

assim como nós estávamos sempre prontos a pular o fogo mágico

Acostumamo-nos desde muito cedo a sair das celebrações

de joelhos chamuscados e com as roupas mais ou menos rasgadas

Isso era motivo suficiente para que um de nós pegasse a moto

e então os dois acelerávamos até a praia mais deserta do país

Nem por isso deixamos de nos escapar aos acontecimentos

mas aqueles foram indubitavelmente os mergulhos de ouro

Agora as fogueiras levantam-se muito mais altas do que as magias

às quais dedicamos quase toda nossa juventude igualitária

Hoje temos mais de trinta anos e da minha janela dá para ver

os disparos dos incontáveis snipers das barricadas de Kiev

Desta varanda podem ouvir-se os gritos das ruas venezuelanas

se sobrepondo ao viejo papá que só quer dizer pásame el pan

Daqui dá para cheirar a ameaça de pólvora semi-invisível saindo

do documento que declara o estado de exceção no sul da Bahia

Parece que a primavera do mundo é um trabalho em progresso

mas o caminho até lá está sendo todo feito entre as veredas

e entre os galhos de fogo de um gigante inverno

No nosso tempo eu acreditava muito nas notícias e na televisão

Hoje eu acredito nas experiências que me contam os homens

Ontem éramos os filhos dos netos da revolução

E explicaram-nos que a tabuada e a paixão alucinante eram tudo

o que precisávamos e precisaríamos para o exercício da construção

Hoje somos pais de algumas crianças e pais de nós mesmos

e já vamos sabendo algumas coisas sobre a palavra desconstrução

O amor ainda é o estandarte onde vamos pendurando as bandeiras

A coragem ainda é o ferro onde vamos pendurando as roupas

Sim ainda rasgamos nossas roupas Sim ainda esfolamos os joelhos

Mas agora é tudo em nome de uma certa mudança universal

Onde andarás tu e teu sonho nesta manhã eu já não sei

Muito menos que espécie de alimentos entregas ao domicílio

Seja como for o amor ainda me faz bastante fome

e o relento ainda me parece o asfalto justo para toda revolução

Portanto (apesar dos vouchers) hoje meu miúdo e eu escolhemos

tomar café da manhã na rua e deixar para lá o domicílio.



PAZ, PALAVRA ÚTIL

poema alegre para o capitão



Estava lendo Whitman

e lembrei de você

Isso para começo dos trabalhos

já é mais ou menos bom sinal

Foi imediatamente depois do espanto

da página 108

Quando descobri o tal poema curto

que lá para o meio do corpo diz

"the pay is certain one way or another"

Não foi exatamente por isso

que lembrei de você

Até porque esse é um poema

que fala daqueles amores assim

longos, assustados, algumas vezes

raivosos e geralmente

de correspondência difícil

(repare que difícil é bastante

o contrário de impossível)

Um amor daqueles semieternos

que faz escrever um livro

ou um punhado de versos

Sendo essa a correspondência

mais honesta

Portanto não foi aí que lembrei

de você Não

O que aconteceu foi que

por causa do espanto

precisei coçar o queixo

levar as duas mãos à cara

e respirar entre os 20 dedos

O que aconteceu foi que

por causa do gesto indecifrável

ou da estocada da memória

o livro caiu no chão do trem

E então a queda ferroviária

fez voar o marcador das páginas

Veja só : era o cartãozinho

do bar dos pescadores

(ele que pelos vistos tem servido

de marca-compasso

para a canção de Whitman

desde o último verão)

caindo a meus pés

Foi por causa do nome da rua

que vinha escrito no cartão

O endereço do boteco

do sol & das fainas

Que lembrei de você

De sua primeira aparição

De sua primeira gargalhada

E daquele mês

de ouro na cidade-norte

Quando tudo ia bem

hiper mega bem

com as 4 vidas

transatlânticas.



TENHO PLANOS PARA UMA CONFISSÃO



Foi em novembro de dois mil e tal

em Ipanema

Fazia frio e não devia

Chovia como era previsto

E algumas dessas coisas

nos confundiam

Eu era demasiado novo para o desterro

Um pouco velho já para certas aventuras

Dormia algumas horas por noite

num quartinho de esquina

Onde guardava os 7 livros, uma hamaca

vermelha & branca e a pequena caixa

de madeira onde ia depositando a diário

as lascas que sobravam da escultura

Eu ia esculpindo um novo genoma

Com mãos encharcadas de água de coco



Meu rosto não se transformava

mas a paisagem sim

Uma vez por semana cruzava a rua

de saquinho plástico pendurado no braço

e levava a roupa na lavanderia

Maria meu velho tesouro

não me acompanhava mais

Os canaviais, as abóbadas do Arkansas,

as feridas no rosto e os recibos de pensões

iam caindo no caminho como balas de açúcar

O desenho daquele rastro no chão

apontaria certamente ao palácio lunar

Era nisso que eu pensava

quando não pensava em nada

Foi no novembro de Ipanema

quando me acertei com a meditação



Comia duas bananas por dia

Um suco de acerola

E de vez em quando um sanduíche

A vida nunca foi tão pacífica

Desistira facilmente dos troféus

Guardando para mim apenas a bandeirola

Da Federación Uruguaya de Esgrima

Porque sempre suspeitei

que aprenderíamos muito

fixando os espaços

entre as listras azuis e brancas



Meus amigos iam se retirando como lascas

Eu ia aproximando o rosto das orquídeas

atadas nas árvores pelos porteiros de Ipanema

Tomava o café da manhã no mercado

enquanto lia o jornal da cidade

Havia um forte cheiro de mar sujo

que subia sempre a 3 quadras

até chegar na avenida

As manhãs eram todas de ouro

E à passagem de cada uma delas

eu atava uma nova pulseira em meu braço

Foi um poeta quem me disse

Que os gêmeos se distinguem pelas cores

das fitas amarradas em seus pulsos

Eu queria distinguir-me de mim mesmo

Como um urso que fareja as moedas

entre os cachos de erva



Havia uma artéria que ligava todas as coisas

desde a Praia de Botafogo até o Centro da Cidade

O atravessamento do Aterro

nas cavalitas de um ônibus bêbado

foi durante muito tempo

a única salvação possível



Certa manhã, entre as colunas

de fogo que de vez em quando

se levantavam no terror das esquinas,

apareceu o rosto doce de Antonio

Fotografei-o com minha câmera descartável

E essa imagem desfocada é a pagela

que trago dobrada em meu bolso até hoje



Aqueles foram meus pleitos literários

entre o mar e a cidade

E, como disse o santo da fotografia,

na verdade fui feliz.



WE NEVER DID TOO MUCH TALKING ANYWAY



Por exemplo

esqueça Coney Island

e as trezentas peças

de metal que compõem

o jogo mágico de Coney

Island no mês de agosto

Lembre da palavra sushi

sendo gritada no metrô

quando tudo o que alguém

queria gritar era sua devoção

por pedacinhos de prata

Lembre de meu fascínio

profundo por desportistas

noturnos que sincronizam

a respiração com o batimento

dos dedos da amante morta

Esqueça o comprimido

composto de estearato

de magnésio e macrogol

receitado por doutor Roberto

quando o pobre doutor Roberto

não sabia mais o que tentar

ou então tinha mais o que fazer

naquela tarde de quarta-feira

na emergência de São Vicente

Lembre que quarta-feira

é dia de jogo de pebolim

e sobre isso não tem discussão

Lembre do quanto me iluminam

os animais talhados no marfim

principalmente aquela baleia

de oito centímetros e meio

minha única esperança

Esqueça talvez

a manobra repetida

de lamber envelopes

no silêncio de um quarto

quando já faz sol nas praças

Somos feitos para o relento

Lembre que por vezes

você tem muita razão

e que outras vezes não

Esqueça vá esqueça

o inverno em Ipanema

e o tubarão nadando

nas veias da besta

de Ipanema gelada

Lembre de meu desejo

muitas vezes certo

muitas vezes não

Lembre a descoberta

daquele excerto que dizia

nós subimos os degraus

a correr e saímos do frio

brilhante para o frio escuro

E se puder não esqueça

o rosto calmo do tigre

que está parado na porta

esperando para entrar

e para depois nos atravessar.

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog
: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Matilde Campilho antes do Brasil

Matilde estudou Línguas e Literaturas Modernas, variante Estudos Portugueses e Ingleses
https://www.seculodiario.com.br/cultura/matilde-campilho-antes-do-brasil

Veja mais notícias sobre Cultura.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 23 Setembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection