Terça, 24 Mai 2022

'Este ato não é sobre mim, é sobre nós', afirma Camila Valadão

camila_valadao_leonardo_sa-4 Leonardo Sá

Ao chegar à Câmara de Vitória para a sessão extraordinária desta segunda-feira (6), Camila Valadão (Psol) foi recebida por representantes de diversas organizações da sociedade civil, que marcaram presença no ato em seu apoio, convocado pela executiva estadual e pelo diretório municipal do partido, diante da agressão sofrida pela vereadora por parte do vereador Gilvan da Federal (Patri), na sessão ordinária do dia primeiro deste mês. "Este ato não é sobre mim, é sobre nós", comentou Camila, referindo-se a "todas as outras mulheres e aos movimentos sociais".

A vereadora destacou que já sabia que sofreria violência política de gênero durante seu mandato, pois vem acontecendo em todo o Brasil. Para ela, porém, "a forma como isso é feito em Vitória é duro para as mulheres, que estão há muito tempo disputando para estar nesse espaço, é duro para os movimentos sociais, que querem vir a esta Casa trazer suas pautas e são atacados".

Foto: Leonardo Sá

O militante do Psol, Gilberto Campos, o Gilbertinho, informa que o partido, na última sexta-feira (3), encaminhou um ofício para o presidente da Câmara, Davi Esmael (PSD), solicitando uma audiência para discutir as agressões de Gilvan contra as vereadoras Camila Valadão e Karla Coser (PT). Gilbertinho salienta que o comportamento do vereador infringe a legislação penal e o regimento da Casa. "Dentro do regimento, queremos saber o que o presidente vai fazer em relação a isso. Também estamos estudando as medidas jurídicas que podem ser tomadas", destacou.

Embora em período de licença gala, pois casou no dia primeiro de dezembro, Karla Coser compareceu ao ato. "Quando Camila é agredida, eu também sou, quando uma mulher é agredida, todas que estão aqui, todas que militam pela política, também são. Nada me faria não estar aqui prestando solidariedade. Nós não vamos nos calar, nós não seremos silenciadas, nem eu, nem Camila, nem todas as mulheres que vêm ocupar este espaço, pois ele também é nosso", disse.
Foto: Leonardo Sá

Uma nova manifestação em frente à Câmara está marcada para a próxima quarta-feira (15). Dessa vez, quem organiza é o Movimento da Juventude de Terreiro do Espírito Santo, que conta com o apoio de mais de 100 entidades. A realização do protesto é motivada pelas ofensas proferidas por Gilvan da Federal, na sessão do dia 29 de novembro, contra as religiões de matriz africana, as quais chamou de "afronta a Deus".

Antônio Carlos do Nascimento, diretor institucional do Centro Nacional de Africanidades e Resistência Afro-Brasileira no Espírito Santo (Cenarab-ES), representou a entidade na manifestação em solidariedade a Camila. Ele afirma que ao dizer que lavaria à Câmara devido a bençãos feitas pelas mães de santo na sessão solene do dia 26 de novembro, em alusão ao Dia da Consciência Negra, Gilvan "apunhalou as mulheres de terreiro". "No Brasil, se fala muito em tolerância às religiões de matriz africana, mas não queremos que nos tolerem, queremos respeito. A palavra chave é respeito", apontou. 

Leonardo Sá
Limitação no acesso à Câmara

A vereadora Camila Valadão e os movimentos sociais contestam o ato 107/2021, da presidência da Câmara, publicado nesta segunda-feira (6), no Diário Oficial do Poder Legislativo. O documento estabelece que o plenário "funcionará para realização das sessões ordinárias legislativas, comissões permanentes e temporárias presenciais e reuniões públicas, sendo limitado o público total em 50 pessoas". Diz ainda que "o acesso às dependências físicas do plenário interno da CMV ficará restrito aos vereadores e a 15 (quinze) servidores de setores imprescindíveis para realização e funcionamento da sessão ordinária".

No que diz respeito ao acesso às galerias, fica limitado a, no máximo, 25 pessoas, sendo assegurado, pelo menos, um assessor parlamentar de cada gabinete de vereador. Além disso, a realização de sessões solenes, eventos de lideranças partidárias, de frentes parlamentares, audiências públicas, bem como de demais eventos, será limitado ao máximo de 50 (cinquenta) pessoas.

As restrições ou ampliação para o exercício de atividades presenciais no plenário, segundo o documento, são "pautadas em informações técnico-científicas prestadas por órgãos públicos, como o Ministério da Saúde, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária e, em especial, a Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo".

Camila Valadão informa que irá questionar o presidente Davi Esmael e afirma ser "minimamente curioso essa iniciativa justamente no dia do ato em apoio a mim, a Karla e aos movimentos". Gilbertinho acredita que trata-se do desdobramento das mobilizações desta segunda-feira e "reforça o comportamento antipovo que vem acontecendo na Câmara".

A restrição, no entanto, não funcionou igualmente para todos. Apoiadores do protesto contra o passaporte sanitário, convocado para o mesmo dia, horário e local do protesto em apoio a Camila, entraram na Câmara. 
Foto: Leonardo Sá

Entretanto, militantes do Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM), que estavam com a camisa do movimento, não puderam entrar. "Tentei acessar a Câmara e não deixaram, mas é engraçado que o povo do Gilvan está lá dentro. Do mesmo jeito que os apoiadores dele podem entrar, os da Camila também podem", denuncia a militante Rafaela Caldeira. 

Veja mais notícias sobre Direitos.

Veja também:

 

Comentários: 1

Seu Madruga em Segunda, 06 Dezembro 2021 18:53

Parabéns vereador Gilvan, continue assim na defesa da família, não deixe essa gentalha adoradora de chefe de quadrilha PTralha falar maias alto, esse pessoal não tem moral para nada, quebraram o país.

Parabéns vereador Gilvan, continue assim na defesa da família, não deixe essa gentalha adoradora de chefe de quadrilha PTralha falar maias alto, esse pessoal não tem moral para nada, quebraram o país.
Visitante
Terça, 24 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/