Sexta, 24 Setembro 2021

Grito dos Excluídos prepara retorno às ruas de Vitória em setembro

gritoexcluidos_divulgacao Divulgação

A 27ª edição do Grito dos Excluídos, em sete de setembro, será marcada pelo retorno dos manifestantes às ruas de Vitória. A concentração será na Praça Getúlio Vargas, no Centro de Vitória, às 8h30, de onde os participantes seguirão rumo à Câmara de Vitória. Devido à pandemia da Covid-19, a edição de 2020 foi virtual, com transmissão de uma celebração inter-religiosa no Convento da Penha, em Vila Velha, pelas redes sociais. "Estamos entrando no processo de ir para as ruas, botar a cara nas ruas, fazer o nosso grito ecoar, pois online ele não ecoa", ressalta o coordenador do Grito dos Excluídos e integrante do Fórum Igrejas e Sociedade em Ação, Giovanni Lívio. 

Ao chegar na Casa de Leis, os participantes irão se manifestar contra as ofensas proferidas pelo vereador Gilvan da Federal (Patri) contra a memória do ativista Lula Rocha na sessão de 19 de junho, na qual foi debatida e rejeitada a Comenda Lula Rocha, proposta pela vereadora Camila Valadão (Psol). Segundo Giovanni Lívio, a manifestação também será contra a omissão da Câmara diante do ocorrido. Ele recorda que Lula Rocha foi coordenador do Grito dos Excluídos. 

Giovanni informa que o lema do Grito deste ano é "Vida em Primeiro Lugar", e o lema, "Na luta por participação popular, saúde, comida, moradia, trabalho e renda já!". A manifestação será estruturada em sete eixos: terra, território e trabalho: a esperança está na organização popular; juventude: protagonismo juvenil e participação popular; vacina já, para todos e todas; soberania e princípio democrático; militarização: racismo e preconceito; e esperançar: nós podemos reinventar o mundo.

O coordenador do Grito dos Excluídos acredita que o lema e o tema deste ano dialogam com a realidade do Espírito Santo, marcada pela crise de moradia, aumento da população de rua, extermínio da juventude negra, desemprego e outras mazelas. Ele salienta também o aumento da fome entre os capixabas. "A gente vê a fome todo dia na porta dos supermercados e padarias", denuncia, referindo-se ao aumento de pedintes em frente a esse tipo de estabelecimento.

Giovanni acredita que faltam políticas públicas para sanar esses problemas. Para ele, a famosa frase de Dom João Batista da Motta e Albuquerque, "só o povo salva o povo", proferida diante das ações solidárias da sociedade civil em auxílio às vítimas das enchentes de 1979, no norte do Espírito Santo, continua muito atual. Ele cita como exemplo a campanha Paz e Pão, realizada pela Arquidiocese de Vitória, de doação de alimentos e dinheiro para compra de cestas básicas para famílias em vulnerabilidade social.

Ele relata que é perceptível que, nas paróquias localizadas em comunidades populares, o fluxo de doações é mais contínuo. "A solidariedade cotidiana é a do pobre, é pobre ajudando pobre. Quem vive a fome se dispõe mais a ajudar do que quem imagina como ela possa ser", diz.

Outro aspecto da realidade capixaba e que dialoga com o lema do Grito dos Excluídos 2021 é a precarização da saúde. "Há fila de espera para cirurgias eletivas e dificuldade de agendamento de consultas com determinadas especialidades médicas", alerta.

Nesse último caso, um dos exemplos é sobre os pacientes com HIV, que têm encontrado mais dificuldade para agendar consulta com infectologista. Giovanni diz que relatos de pessoas próximas e de agentes da Pastoral da Aids da Arquidiocese de Vitória mostram que há casos em que o paciente, ao tentar agendar consulta, conseguiu data somente para nove meses depois.

Os debates sobre a organização do Grito dos Excluídos prosseguem. No próximo dia sete de agosto, será realizada a segunda plenária, às 14h, na quadra do Colégio Agostiniano, no Parque Moscoso, em Vitória. O local, como aponta Giovanni, possibilita espaçamento entre as pessoas, além da prática de outras regras sanitárias, cuja execução são essenciais em meio à pandemia da Covid-19. "Convocamos todos movimentos para participar. Não podemos nos calar, temos que ir para a rua denunciar o governo Bolsonaro e sua política de morte", convoca.

Veja mais notícias sobre Direitos.

Veja também:

 

Comentários: 1

Ademar Possebom Pessini Junior em Segunda, 02 Agosto 2021 13:54

Parabéns pelo seu trabalho, Elaine! Reportagens imperdíveis! Sucesso!

Parabéns pelo seu trabalho, Elaine! Reportagens imperdíveis! Sucesso!
Visitante
Sexta, 24 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/