Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,40
Sábado, 15 Mai 2021

História de transexual proibida de frequentar igreja vai virar filme

mel_rosario_capa_divulgacao Divulgação

Antes do culto, em frente a uma igreja evangélica no Centro de Vitória, Mel Rosário se posiciona com seu corpo e um cartaz de protesto, confeccionado com a própria letra. Dois seguranças vigiam a porta e controlam o acesso. Os fiéis vão entrando, mas ela está proibida. Transexual, a cabeleireira trava há anos uma batalha política e judicial para ter direito ao que vem sendo considerado "serviço essencial" mesmo em tempos de pandemia: o acesso à igreja e seus cultos. Essa história real será contada em Toda noite estarei lá, documentário de longa-metragem dirigido por Tati Franklin e Suellen Vasconcelos, que deve ser finalizado ainda em 2021. 

Mel Rosário protesta em frente à entrada da igreja da qual foi impedida de participar. Foto: Divulgação

Mesmo tendo ganho na Justiça o direito de frequentar a Igreja no início de 2020, Mel voltou a ser proibida de frequentar os cultos, sob alegação de que por conta da pandemia só seria permitida a entrada de "membros". "Mel não pode ser considerada 'membro' da igreja por ser uma mulher trans. Ela segue fazendo protestos em busca de justiça e os processos continuam tramitando", explica Suellen.

Foi acompanhando seu cotidiano e suas lutas diárias que as cineastas buscaram um retrato mais íntimo com a personagem, muitas vezes filmando apenas entras as três, a entrevistada e as profissionais dividindo as tarefas na captação de imagem e de áudio. A entrada da igreja e o salão de beleza onde Mel trabalha, ambos no Centro de Vitória, a casa em que vive com a mãe em Jardim América, Cariacica, e os fóruns de justiça pelos quais se trava a disputa judicial estão entre os locais das filmagens. Um caso emblemático que envolve muitos temas, como luta por direitos, diversidade sexual, intolerância religiosa e outros.

"Nos interessa, enquanto realizadoras audiovisuais, contarmos histórias que questionem a realidade imposta que mata e oprime algumas vidas em detrimento de outras privilegiadas", diz Tati Franklin. Ela aponta que o filme investe na autoficcionalização, na qual, entre o real e o imaginário, Mel interpreta a si mesma. "A proposta narrativa é que, apesar da violência que sofre diariamente contra sua existência, Mel possa viver no filme um sonho que ela não pode materializar na vida real. Assim ela pode contar a história que ela mesma deseja contar sobre si. É uma forma de recriar e projetar na tela os desejos para uma história de vida possível para aqueles que diariamente trocam sonhos por sobrevivência".

Na obra que deve ser finalizada em 2021, a cabeleireira fala também sobre seus sonhos. Foto: Divulgação
As filmagens de Toda noite estarei lá ocorreram entre 2018 e 2020. Neste mês de abril, a obra foi a única brasileira selecionada para participar do laboratório online de montagem do importante festival suíço de documentários Visions du Réel, no qual recebeu consultorias de especialistas internacionais, com sugestões para construir o corte final. "É possível que o filme ainda passe por transformações até a última versão. As arestas estão sendo aparadas e acredito que boas mudanças vêm aí", aponta Thiago Moulin, produtor do longa-metragem.

Antes, o filme também passou pelo Brasil Cinemundi, encontro nacional importante no mercado cinematográfico. "Estamos na etapa de montagem do filme, talvez ainda voltaremos a gravar algumas coisas pontuais", explica Suellen Vasconcelos.

Ela entende que a boa recepção nesses espaços aponta a relevância do projeto e o interesse do mercado e da audiência no tema e na histórica que são retratados no filme capixaba. "É importante pensar o cinema como patrimônio e registro de um tempo-espaço, e precisamos pensar que estamos filmando o Brasil de 2021, palco de uma onda conservadora e reacionária que impacta vidas como a de Mel Rosário", diz Suellen sobre o aspecto emblemático da obra.

A relação de Mel Rosário com as câmeras começa quando Thiago Moulin a incluiu como uma das personagens do telefilme Impressões Urbanas, lançado em 2017 e que hoje faz parte da grade da TVE-ES. A força de Mel e sua história levou Thiago a conduzir uma produção exclusiva sobre ela, culminando no curta-metragem de mesmo nome, Toda noite estarei lá, exibido no Festival de Cinema de Vitória e Festival de Cinema de Brasília, tendo sua circulação precocemente interrompida diante da aprovação do projeto de longa-metragem, com recursos da Secretaria de Estado da Cultura (Secult) e da Agência Nacional de Cinema (Ancine). Para o longa, Thiago convidou Tati Franklin, que acabava de lançar o curta-metragem Transvivo, que também aborda a questão da transexualidade, para dirigir a obra. Suellen Vasconcellos, que inicialmente atuou como assistente de direção, acabou assumindo a co-direção junto a Tati.

Veja mais notícias sobre Direitos.

Veja também:

 

Comentários: 2

F em Segunda, 26 Abril 2021 23:36

Eu não gostaria de frequentar um lugar onde não me querem. E tem 200 outras igrejas.

Eu não gostaria de frequentar um lugar onde não me querem. E tem 200 outras igrejas.
Jessica em Terça, 27 Abril 2021 11:21

Nãó é a questão de frquentar um lugar em que não me querem, mas de ter a liberdade de fequentar lugares que não nos querem...

Nãó é a questão de frquentar um lugar em que não me querem, mas de ter a liberdade de fequentar lugares que não nos querem...
Visitante
Sábado, 15 Mai 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/