Quarta, 29 Junho 2022

LGBTfobia subnotifica dados sobre orientação sexual, aponta pesquisadora

bandeiralgbt_pixabay Pixabay
Pixabay

Uma pesquisa inédita divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quarta-feira (25), mostra que 42,7 mil adultos se declaram homossexuais ou bissexuais no Espírito Santo. Os dados, referentes a 2019, podem estar subnotificados, já que a LGBTfobia institucionalizada - e fomentada em todo o Brasil - faz com que muitas pessoas não consigam nem falar sobre o tema.

"Muitas pessoas relatam que não se sentem seguras, por conta desse preconceito vigente na nossa sociedade, as piadas, a segregação e a exclusão de toda ordem, passando pela família, instituições públicas, no trabalho (...)", aponta a pesquisadora e psicóloga Marina Francisqueto Bernabé, presidente da Comissão de Diversidade e Gênero do Conselho Regional de Psicologia (CRP).

Em Vitória, a pesquisa mostra que 7 mil pessoas com 18 anos ou mais se declararam homossexuais ou bissexuais. Os dados são da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2019 e foram coletados pela primeira vez pelo IBGE, por meio da autoidentificação. A PNS não coletou dados sobre identidade de gênero.

Em um universo de 42,7 mil pessoas declaradas homossexuais ou bissexuais no Espírito Santo, a pergunta que se faz é sobre as políticas públicas destinadas a essa população. Marina acredita que, apesar dos últimos avanços, como a instituição do primeiro Plano Estadual de Combate à LGBTIfobia no Estado, ainda falta um olhar atencioso para a pauta, principalmente nos municípios.

"Quando a gente para para pensar em política pública, o trabalho dos municípios é fundamental. Direitos humanos estadual precisa da colaboração, do empenho dos municípios nesta pauta, assim como do empenho nas demais políticas públicas (...) Existem estratégias e projetos pontuais, principalmente dentro do Governo do Estado, mas que precisam de um maior investimento para orientações, inclusive, relacionadas à orientação sexual e identidade de gênero. A população desconhece isso", aponta a mobilizadora, que é ex-presidente do Conselho Estadual LGBTQIA+.

Distribuição das pessoas de 18 anos ou mais de idade, segundo a orientação sexual – Espírito Santo e Vitória - 2019 :

Reprodução IBGE

Os 42,7 mil capixabas que se declararam homo ou bissexuais correspondem a 1,4% da população com 18 anos ou mais. Nesse mesmo grupo, 97,4% se declararam heterossexuais e 1,2% não sabiam ou não quiseram responder sobre a própria orientação sexual. Em todo o Brasil, o número de pessoas que se declaram bi ou homo é de cerca de 2,9 milhões de pessoas, correspondendo a 1,8% da população adulta.

A inibição em torno do tema, citada por Marina, também ficou evidente nas pesquisas no âmbito nacional. Ao todo, 3,6 milhões de pessoas não quiseram responder à pergunta sobre orientação sexual, número maior que o total de pessoas que se declararam homossexuais e bissexuais, que foi de 2,9 milhões. No Espírito Santo, 35,8 mil pessoas não quiseram responder.

Para Marina, é preciso barrar o desmantelamento de políticas públicas na área e promover muito mais investimento. "Inclusive, nas políticas públicas de âmbito municipal, que é onde atende a maior parte da população. Sem esse investimento, uma parcela da população ficará desassistida e, ainda, quando procurar por equipamentos, pode estar sujeita a processos violentos por conta desse preconceito vigente, que é alimentado, principalmente, pelo governo federal nesse momento", alerta.

Veja mais notícias sobre Direitos.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 29 Junho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/