Segunda, 27 Setembro 2021

Trabalhadores dos Correios do Estado aderem à greve nacional

Caminhada_em_defesa_dos_CorreiosCreditosSintect Sintect

Em assembleia realizada nessa segunda-feira (17), na Praça Oito, Centro de Vitória, os trabalhadores do Correios do Estado decidiram pela adesão à greve nacional da categoria que começou nesta terça-feira (18). A paralisação foi aprovada por unanimidade e tem entre as reivindicações a manutenção de direitos históricos e a não privatização dos Correios, como ressalta o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Prestadoras de Serviços Postais, Telegráficos e Similares do Espírito Santo (Sintect-ES), Antônio José Alves Braga, . 

Segundo ele, os Correios querem retirar 70 das 79 cláusulas do Acordo Coletivo. As demais, afirma, querem que seja reeditada. "Sobre o plano de saúde, por exemplo, constaria na cláusula que ele poderia ser mantido, mas não garante que isso aconteça nem estabelece percentuais de participação. No caso do tíquete alimentação, também diz que pode fornecer, mas não dá garantias, e, inclusive, afirma que pode suspender o fornecimento em virtude de crise econômica no país", diz Antônio. 

O presidente do Sintec relata que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) havia aprovado a vigência do Acordo Coletivo por dois anos. Entretanto, uma liminar do ministro e presidente do Supremo, Dias Tóffoli, suspendeu a decisão. Antônio destaca que começou no dia 14 de agosto e terminará na próxima sexta (21) um julgamento sobre a manutenção ou não da liminar do Dias Tóffoli, o que, afirma, não é impedimento para a greve e outras mobilizações dos trabalhadores. "Não podemos deixar por conta da Justiça decidir nosso destino, a manutenção dos nossos direitos", defende. O presidente do Sintect salienta, ainda, o descaso dos Correios com os trabalhadores durante a pandemia do coronavírus.

"Antes mesmo do isolamento no Brasil, quando os casos estavam mais concentrados na China, havíamos alertado a empresa sobre o perigo, pois tinha muitas encomendas vindas da China. Quando foi decretado isolamento, tivemos que entrar na Justiça para conseguir que fossem fornecidos para os trabalhadores Equipamentos de Proteção Individual [EPIs]. Os trabalhadores, além de contaminados, poderiam ser vetor de contaminação nas regiões onde atuam", relata.

Antônio aponta ainda que o afastamento de trabalhadores do grupo de risco para a Covid-19 também foi garantido por meio de liminar, uma vez que os Correios afirmaram que iriam afastar, mas o processo estabelecido pela empresa era burocrático, dificultando a concretização da medida de segurança. 

'A empresa dá lucro'

O discurso dos Correios diante das iniciativas de retirada de direitos é, como pontua Antônio, de que os trabalhadores têm que fazer sacrifícios devido a uma suposta crise financeira da empresa, mas ele ressalta que a empresa é lucrativa e os funcionários são os que recebem o menor salários entre as estatais. Segundo balanço divulgado em 17 de junho no Diário Oficial da União, o lucro líquido dos Correios em 2019 foi de R$ 102,1 milhões. Em 2020 aumentaram em 25% as postagens de encomenda devido à pandemia. 

Antônio relata que o sacrifício exigido para os trabalhadores contrasta com o salário do presidente da estatal, o General Floriano Peixoto, que, de acordo com o presidente do Sintect, ganha R$ 47 mil mais benefícios para cumprir essa função, fora o salário no Exército, que é de R$ 13 mil, e os benefícios. Destaca, ainda, que foram criadas sete assessorias no plano de saúde para empregar pessoas próximas ao general e que cada assessor ganha R$ 27 mil mais adicionais. 

Precarização dos serviços

Antônio salienta que uma das estratégias para a privatização dos Correios é a precarização dos trabalhadores e dos serviços. A criação da Distribuição Domiciliar Alternada (DDA) é uma das iniciativas que fazem parte dessa estratégia. "Antes o carteiro passava diariamente em todas as ruas da região onde ele atua. Agora não mais, pois os Correios estabeleceram que devem passar em dias alternados. Aí as pessoas ficam achando que a gente é preguiçoso, não quer trabalhar", desabafa.

Veja mais notícias sobre Direitos.

Veja também:

 

Comentários: 5

Tonyko Souza em Terça, 18 Agosto 2020 13:34

Porque não encomendam uma pesquisa de satisfação dos cliente/usuários dos Correios.
Será que a população é contra a privatização??
Num intervalo de 6 meses tive 3 encomendas devolvidas "por endereço insuficiente", só que o prédio da empresa onde trabalho existe há 53 anos no mesmo local e está a menos de 500m da Central dos correios.
Já encomendas realizadas por transportadora privadas nunca voltaram.

Porque não encomendam uma pesquisa de satisfação dos cliente/usuários dos Correios. Será que a população é contra a privatização?? Num intervalo de 6 meses tive 3 encomendas devolvidas "por endereço insuficiente", só que o prédio da empresa onde trabalho existe há 53 anos no mesmo local e está a menos de 500m da Central dos correios. Já encomendas realizadas por transportadora privadas nunca voltaram.
RICARDO PINTO GOMES em Terça, 18 Agosto 2020 15:30

Como engenheiro civil, imagino que no caminho de 500 metros de sua casa, até a Central dos Correios, deve ter no minimo umas 50 residencias. Em caso de prédios, a situação piora. Por isso eles precisam do endereço completo na indicação. Já pensou o carteiro, sair gritando..."quem conhece o Tonico", rsrs

Como engenheiro civil, imagino que no caminho de 500 metros de sua casa, até a Central dos Correios, deve ter no minimo umas 50 residencias. Em caso de prédios, a situação piora. Por isso eles precisam do endereço completo na indicação. Já pensou o carteiro, sair gritando..."quem conhece o Tonico", rsrs
Tonyko em Terça, 18 Agosto 2020 16:31

Cidade do interior, não tem nenhum prédio no caminho, mas a rua tem nome, o imóvel tem numero, tem porteiro, no mesmo bairro da sede dos correios e o nome da empresa de saneamento na etiqueta de endereço, que está no mesmo local somente há 53 anos.
Nada justifica a ineficiência.

Cidade do interior, não tem nenhum prédio no caminho, mas a rua tem nome, o imóvel tem numero, tem porteiro, no mesmo bairro da sede dos correios e o nome da empresa de saneamento na etiqueta de endereço, que está no mesmo local somente há 53 anos. Nada justifica a ineficiência.
RONALDO CHAGAS VIEIRA em Terça, 18 Agosto 2020 15:21

Precisamos de um Correio Público, e trabalhando com qualidade. Se privatizar essa empresa, que só dá lucro ao governo, as localidades de periferias serão as prejudicadas. Certamente, o estrangeiro, dono do capital, não vai continuar em zonas não urbanas, e fechará as agencias de pequenas cidades. Assim, como são todos os Correios privatizados em outros países. O que precisa é o governo, fazer concurso, para repor os funcionários, que hoje estão defasados em mais de 50%. Vale ressaltar que o carteiro, recebe 1700,00 reais de salário, portanto, uma baixa remuneração, comparando aos marajás do serviço público, bem como assessores fantasmas em gabinetes inexistentes.

Precisamos de um Correio Público, e trabalhando com qualidade. Se privatizar essa empresa, que só dá lucro ao governo, as localidades de periferias serão as prejudicadas. Certamente, o estrangeiro, dono do capital, não vai continuar em zonas não urbanas, e fechará as agencias de pequenas cidades. Assim, como são todos os Correios privatizados em outros países. O que precisa é o governo, fazer concurso, para repor os funcionários, que hoje estão defasados em mais de 50%. Vale ressaltar que o carteiro, recebe 1700,00 reais de salário, portanto, uma baixa remuneração, comparando aos marajás do serviço público, bem como assessores fantasmas em gabinetes inexistentes.
Andreas Rosso em Terça, 18 Agosto 2020 22:31

essa saga privativista tem um único objetivo, acabar com os postos de trabalho nas empresas estatais e levar milhares de família à miséria e ao subemprego.

essa saga privativista tem um único objetivo, acabar com os postos de trabalho nas empresas estatais e levar milhares de família à miséria e ao subemprego.
Visitante
Segunda, 27 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/