Quarta, 12 Junho 2024

'A indicação vai naufragar, as escolas cívico-militares são caras'

escola_militar_cariacica2_FotoClaudioPostay Claudio Postay/PMC

A iniciativa da Comissão de Segurança e Combate ao Crime Organizado da Assembleia Legislativa de encaminhar para prefeitos dos 78 municípios capixabas uma indicação para "estudo de viabilidade" e implantação de escolas cívico-militares, não surtirá efeito, como avalia o Sindicato dos Trabalhadores da Educação Pública do Espírito Santo (Sindiupes). "A indicação vai naufragar, as escolas cívico-militares são caras", afirma o diretor de Comunicação da entidade, Paulo Loureiro.

Ele acredita que a questão financeira é o único fator a barrar a proliferação desse tipo de escola em muitos municípios após o Governo Lula (PT), no primeiro mês de seu mandato, pôr fim ao Programa Nacional de Escolas Cívico-Militares (Pecim), bandeira política de Jair Bolsonaro (PL).

"Se fosse simplesmente pela ideologia, muitos acatariam a indicação, pois muitos leem a cartilha do extremismo e do bolsonarismo, mas não há como bancar sem recurso federal. E também não há recurso estadual, pois o governo Renato Casagrande (PSB) não apoia", aponta.

O Sindiupes é contrário à iniciativa da comissão. "A orientação do Governo Federal foi extinguir as escolas cívico-militares. Entendemos que o Fundeb [Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação] deve garantir a equidade dos investimentos, e não criar pequenas ilhas de excelência onde o pensamento crítico não é garantido", acrescenta.

Na justificativa apresentada aos municípios, a comissão defende que as escolas cívico-militares são "um farol para a realidade de muitas escolas públicas país afora, com qualidade de ensino e educação primorosa". Diz, ainda, que a proposta é "exitosa", já que, "segundo dados do Ministério da Educação (MEC), a taxa de evasão nas instituições de ensino que aderiram ao modelo é 71% menor, assim como a de reprovação, que é de 37,4%".

O colegiado também destaca que o modelo tem "uma gestão diferenciada, em que os militares, sejam das polícias militares ou das forças armadas, participam do gerenciamento das escolas, exceto a parte educacional".


As indicações são assinadas pelos deputados Danilo Bahiense (PL), presidente do colegiado, e Allan Ferreira (Podemos), Coronel Weliton (PRD), Mazinho dos Anjos (PSD) e Pablo Muribeca (Republicanos).

Veja mais notícias sobre Educação.

Veja também:

 

Comentários: 1

Valdelir do Nascmentor em Domingo, 26 Mai 2024 13:53

Caro...
caro é uma criança na quinta série não saber quanto é 3 X 8.
Caro é um aluno do terceiro ano do ensino médio não saber o que é uma tabela periódica.
Esses são os analfabetos funcionais.
Caro é um pai cujo aluno é reprovado no final do ano ir na Escola agredir o Professor.
Caro é uma Escola totalmente depredrada em razão de alunos rebeldes e um Diretor neófito.

Caro... caro é uma criança na quinta série não saber quanto é 3 X 8. Caro é um aluno do terceiro ano do ensino médio não saber o que é uma tabela periódica. Esses são os analfabetos funcionais. Caro é um pai cujo aluno é reprovado no final do ano ir na Escola agredir o Professor. Caro é uma Escola totalmente depredrada em razão de alunos rebeldes e um Diretor neófito.
Visitante
Quinta, 13 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/