Quinta, 20 Janeiro 2022

Professores da Serra cobram recomposição de perdas salariais históricas

sergiovidigal_7_redessociais Redes sociais

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública no Espírito Santo (Sindiupes) tenta uma negociação com a Prefeitura da Serra para que perdas salariais históricas dos professores do município sejam corrigidas. A entidade ressalta que o abono financeiro de final de ano - que ainda não foi anunciado pela prefeitura - não é a única demanda da categoria, que tem outras reivindicações prioritárias, como o cumprimento da Lei do Piso.

Paulo Loureiro, coordenador do Sindiupes na rede municipal da Serra, explica que a negociação com a prefeitura pela pauta salarial conta com três cenários principais: as perdas históricas no plano de carreira, a defasagem no piso salarial inicial e o descumprimento da revisão anual da inflação.

Em relação ao plano de carreira, um monitoramento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) aponta para uma perda salarial de 62,7% desde o ano de 1994, quando houve a última alteração no plano dos servidores. "Esse tempo todo acumula perdas durante anos e anos. Essa discussão está em nível judicial. Nós já ajuizamos a ação e aguardamos a decisão", informa.

Outra demanda da categoria é a correção da diferença do piso salarial em relação à Lei do Piso, sancionada em 2008 pelo governo federal. Paulo explica que, quase 14 anos depois, o município da Serra não conseguiu cumprir a legislação da forma correta, como em relação à carga horária de planejamento.

"A lei prevê que um terço da carga horária deve ser destinada ao planejamento, e não à interação com os estudantes. E na Serra essa proporção ainda é de um quinto", enfatiza, acrescentando que o município também não cumpre o que a legislação determina sobre o vencimento salarial, com uma desproporção na ordem de 47%.

O terceiro ponto de discussão é a falta de revisão anual da inflação, prevista na Constituição, mas descumprida desde a gestão Audifax Barcelos (Rede). "A legislação vinha sendo cumprida e, anualmente, os municípios e estados faziam a atualização. A partir de 2012, 2013, começou-se a descumprir essa legislação. Isso ocasionou uma perda inflacionária hoje na ordem de 34,6%", informa.

O abono salarial de fim de ano, que está sendo anunciado em diversos municípios da Grande Vitória e outras regiões do Espírito Santo, também é um desejo dos professores, apesar de não resolver todos esses outros problemas. Na contramão das outras administrações, a Prefeitura da Serra concedeu apenas folgas remuneradas para os profissionais, sem oficializar nenhuma bonificação financeira.

Para Paulo, a política de abonos é importante como forma de reconhecimento do trabalho dos servidores, mas não é suficiente. "Nós entendemos que ela é uma política compensatória, não resolve o problema. É claro, todos os municípios estão concedendo abono, é claro que nossa categoria também deseja um abono para passar um fim de ano mais tranquilo, mas não resolve o problema", reitera.

O sindicato enviou um ofício à prefeitura pontuando as reivindicações salariais, que, para Paulo, são fundamentais para que os profissionais da educação no município tenham melhores condições de vida. "Principalmente nesse momento em que o supermercado está pela hora da morte, a gasolina impraticável. A nossa política, a nossa luta, é para que seja dado o abono, mas nós desejamos, prioritariamente, uma recomposição salarial, algo que vá diminuir essa perda histórica", declara.

Veja mais notícias sobre Educação.

Veja também:

 

Comentários: 3

Adherbal em Terça, 16 Novembro 2021 10:21

dá nada não, prefeito. a maioria dos professores são de esquerda, todos não trabalharam durante de mais de 01 ano e FICA EM CASA, A ECONOMIA A GENTE VÊ DEPOIS.

dá nada não, prefeito. a maioria dos professores são de esquerda, todos não trabalharam durante de mais de 01 ano e FICA EM CASA, A ECONOMIA A GENTE VÊ DEPOIS.
Anajulia em Terça, 16 Novembro 2021 17:07

Tem se falado tanto em abono, para educação em todos município.
Mas não vejo falar sobre a saúde, que foi tão necessária nesta pandemia. Salário ,estamos igual os profissionais da serra, sem nenhum aumento, desde 2012.
Nosso plano de cargo e salário, foi engavetado desde dá gestão do presente prefeito, e nunca mais se falou.
Nós servidores merecemos também uma recompensa, por nós dedicarmos tanto nesta pandemia.e estamos ainda nela. Olhe por nós com carinho, nós servidores da saúde.

Tem se falado tanto em abono, para educação em todos município. Mas não vejo falar sobre a saúde, que foi tão necessária nesta pandemia. Salário ,estamos igual os profissionais da serra, sem nenhum aumento, desde 2012. Nosso plano de cargo e salário, foi engavetado desde dá gestão do presente prefeito, e nunca mais se falou. Nós servidores merecemos também uma recompensa, por nós dedicarmos tanto nesta pandemia.e estamos ainda nela. Olhe por nós com carinho, nós servidores da saúde.
Adherbal em Quarta, 17 Novembro 2021 17:46

de fato, os servidores da saúde é que merecem uma recompensa pelo enorme esforço na pandemia. enquanto os professores ficavam em casa e lutaram pra não voltar a dar aulas.

de fato, os servidores da saúde é que merecem uma recompensa pelo enorme esforço na pandemia. enquanto os professores ficavam em casa e lutaram pra não voltar a dar aulas.
Visitante
Quinta, 20 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/