Sexta, 21 Junho 2024

Dois candidatos de oposição integram lista tríplice do Ministério Público

lista_tripice_mpes_redes_ales_redes1 Ales/Redes Sociais

A eleição para o novo comando do Ministério Público do Estado (MPES), realizada nesta sexta-feira (22), colocou dois candidatos de oposição na lista tríplice que será submetida ao governador Renato Casagrande (PSB). O promotor Pedro Ivo Souza liderou a preferência, com 146 votos, e a promotora Maria Clara Perim ficou em terceiro, com 97. O segundo colocado foi o também promotor Francisco Berdeal, candidato da atual procuradora-geral de Justiça, Luciana Andrade.

Berdeal, que é secretário-geral do Gabinete Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ), obteve 132 votos, e a escolha de seu nome impõe derrota ao ex-procurador-geral Eder Pontes, atual desembargador do Tribunal de Justiça (TJES). Após 12 anos de domínio do MPES, Eder foi ator de um racha na situação, que o colocou em lado oposto ao de Luciana Andrade, e apoiou outro candidato, o promotor Danilo Raposo Lírio. Ele ficou na penúltima posição, com 64 votos.

A divisão do grupo criou, pela primeira vez na última década, um cenário favorável para a oposição, o que se confirmou nas urnas. O quarto colocado foi o procurador de Justiça Marcello Souza Queiroz, conhecido adversário de Eder, que recebeu 82 votos, e o último, o procurador de Justiça Josemar Moreira, também da situação, com 26 votos.

No início das articulações, o mercado indicou a possibilidade de união de Maria Clara, da Promotoria da Serra, com Marcello Queiroz, o que não se concretizou. Já Pedro Ivo de Souza, ex-presidente da Associação Espírito-Santense do Ministério Público (AESMP) e filho do procurador de Justiça Eliezer Siqueira de Sousa, pertence a outro grupo de oposição. Também não houve consenso entre Eder e Luciana, mantendo as duas candidaturas concorrentes, além de Josemar.

A eleição foi realizada das 9h às 17 horas, por meio do sistema informatizado de voto à distância do MPES. Do total de 268 promotores e procuradores em atividade e aptos a participar do pleito, todos registraram o voto no sistema.

A lista tríplice foi encaminhada logo após o resultado a Casagrande, que terá até 15 dias para definir o nome que ocupará a Procuradoria-Geral de Justiça no biênio 2024-2026. Ele já manifestou publicamente que não tem obrigação de escolher o primeiro colocado.

Uma decisão nesse sentido, porém, alteraria o curso de todas as últimas disputas do MPES sob comando de Eder Pontes, que perpassaram tanto os governos Paulo Hartung (sem partido) quanto de Casagrande. O ex-procurador-geral elegeu sucessoras – Elda Spedo e Luciana - por duas vezes e alçou o grupo a disputar em condição de unanimidade - o próprio Eder, em 2014, e a atual procuradora-geral, em 2022.

O novo ocupante do cargo máximo do órgão ministerial capixaba administrará, em 2024, um orçamento de R$ 527 milhões. A posse será no próximo dia 1º de maio.

Queda de braço

Abalos no grupo que domina o MPES há 12 anos criam um novo cenário para a oposição. Pergunto de novo: enfim, sinais de mudança?
https://www.seculodiario.com.br/socioeconomicas/queda-de-braco-1-1

Veja mais notícias sobre Justiça.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 21 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/