Terça, 16 Agosto 2022

Professora da Faesa paga fiança e responde por crime de racismo em liberdade

delegacia-regional-devitoria- Google Maps
Google Maps

A professora Juliana Zuccolotto, da faculdade Faesa, em Vitória, responde em liberdade após ser autuada em flagrante por injúria racial. Nessa quarta-feira (22), ela foi denunciada por uma aluna do curso de Design de Modas, após fazer comentários racistas sobre as suas tatuagens e a cor da sua pele.

De acordo com a Polícia Civil, Juliana responde em liberdade após pagamento de fiança. "Como as penas não ultrapassam quatro anos de detenção, uma fiança foi arbitrada pela autoridade policial, conforme artigo 322 do Código de Processo Penal. Ela foi liberada para responder em liberdade, após o recolhimento da fiança. O caso seguirá sob investigação", informou por meio de nota.

A professora também foi afastada das atividades na Faesa. A instituição informou que um processo administrativo já está em andamento, para que providências sejam tomadas. "O Centro Universitário reafirma que repudia todo e qualquer ato ou manifestação discriminatória e preconceituosa", pontuou.

Juliana Zuccolotto foi conduzida à Delegacia Regional de Vitória, após ser denunciada pela estudante Carolina Bittencourt por comentários racistas em sala de aula. A professora teria feito comentários como "tatuagem em pele negra parece encardida", dizendo ainda que "tatuagens eram coisas de escravos".

Carolina Bittencourt denunciou a professora em um vídeo publicado nas redes sociais na última quarta-feira. "Eu acabei de passar por um preconceito na sala de aula pela professora Juliana Zuccolotto (...) Ela falou que era muito feio tatuagem, que mais feio ainda era para quem tinha pele negra e que parecia pele encardida, quem tinha pele negra e tinha tatuagem", relatou a estudante, chorando.

Reprodução/Instagram

À Polícia Militar, que foi acionada logo após o ocorrido, a professora chegou a alegar que foi "mal interpretada" pela estudante. "Ela relatou que somente fez um comentário acerca da história do uso da tatuagem", disse a PMES no dia da denúncia.

Na ocasião, a Faesa publicou uma nota repudiando o ocorrido. "A Faesa repudia todo e qualquer ato ou manifestação discriminatória e preconceituosa. Qualquer manifestação contrária a esse posicionamento é ato individual, isolado, e não condiz com a política da instituição".

Aluna da Faesa denuncia professora por racismo em sala de aula

Estudante do curso de Design de Moda relata comentários racistas sobre tatuagens e a cor da sua pele
https://www.seculodiario.com.br/justica/aluna-da-faesa-denuncia-racismo-em-sala-de-aula-1

Veja mais notícias sobre Justiça.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 16 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/