Terça, 21 Mai 2024

Movimento Invasão Zero cerca acampamento de trabalhadores sem terra

cercamento_bolsonaristas_ocupacao_coqueirinho_2_redes_sociais Redes Sociais
Redes Sociais

Proprietários rurais, empresários apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), ligados ao Movimento Invasão Zero, cercaram, na tarde desta quarta-feira (17), a ocupação realizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na Fazenda Coqueirinho, em São Mateus, norte do Estado.

A ocupação teve início horas antes, de madrugada, e conta com cerca de 250 famílias, incluindo mulheres, crianças e idosos. O cerco dos bolsonaristas chegou a contar com 27 carros populares, além de tratores agrícolas e drones, relata o MST. "Estavam na entrada do acampamento cercando e fazendo pressão".

A Polícia Militar, que marcou presença na ocupação desde a madrugada, continuou no local durante o cerco, "empenhada no papel de zelar pela integridade física das famílias, sob ameaças dos proprietários", informou o MST, em suas redes sociais.

Redes Sociais

Membros do Serviço de Inteligência do governo do Estado também foram enviados ao local. "A deputada Iriny Lopes [PT] acionou o governador [Renato Casagrande (PSB)], que enviou a Secretaria de Segurança Pública [Sesp] e o Serviço de Inteligência", complementa Carolino da Silva, da direção nacional do MST no Espírito Santo.

A ocupação na Fazenda Coqueirinho integra a Jornada Nacional de Luta pela Reforma Agrária, que acontece, desde segunda-feira (15), em 14 estados e deve se estender até a próxima sexta-feira (19).

Redes Sociais

As ocupações de terra enfatizam a importância da reforma agrária como alternativa urgente e necessária para a produção de alimentos saudáveis no Brasil, tendo como foco a erradicação da fome no campo e na cidade, garantindo o desenvolvimento do país, no contexto agrário, social, econômico e político. Conforme destaca o MST, o orçamento voltado para a obtenção de terra e direitos básicos no campo, como infraestrutura, crédito para produção e moradia, é por dois anos consecutivos, o menor dos últimos 20 anos.

Na Carta ao Povo Brasileiro, lançada nesta segunda-feira (15), o movimento expõe a importância da reforma agrária para o desenvolvimento do país.

"Lutamos, porque 105 mil famílias estão acampadas e exigimos que o Governo Federal cumpra o artigo 184 da Constituição Federal, desaproprie latifúndios improdutivos e democratize o acesso à terra, assentando todos e todas que querem trabalhar e produzir alimentos para o povo". E continua o documento: "lutamos pela reforma agrária para que a terra cumpra sua função social: produzir alimentos saudáveis para o povo brasileiro e cuidar da natureza."

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 21 Mai 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/