Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,22
Terça, 22 Setembro 2020

Lideranças capixabas criticam troca de chefe do Parque Caparaó

Lideranças capixabas criticam troca de chefe do Parque Caparaó

É com muita insatisfação que lideranças ambientalistas, políticas e turísticas do Espírito Santo receberam a notícia da troca do antigo chefe do Parque Nacional (Parna) do Caparaó, o analista ambiental Cristophe Balmant, pelo comerciante Dalmes Dutra Cardoso Junior.



A substituição foi feita pelo presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação (ICMBio), Homero Cerqueira, em portaria publicada nesta segunda-feira (15). Conhecido como Juninho do Artesanato, o novo chefe é filiado ao Partido Democratas (DEM) e foi a candidato a vice-prefeito de Alto Caparaó - município onde está localizada a sede mineira do Parque - em 2016, mas não foi eleito.



Dalva Ringuier, secretária municipal de Turismo de Dores do Rio Preto, no entorno direto do Parque, e uma das mais experientes lideranças ambientais do Caparaó Capixaba, ressalta que a direção de um Parque Nacional é um cargo técnico, que necessita de pessoas com experiência em administração de unidades de conservação. “Não é o mesmo que administrar um comércio ou uma empresa”, compara.



O Caparaó, especificamente, está localizado em dois estados e o gestor do Parque precisa ter experiência com essa realidade complexa e saber dialogar com todas as comunidades do entorno.



“Estados e municípios não foram ouvidos. Os comitês de bacias hidrográficas não foram ouvidos. Em nenhum momento. Fomos surpreendidos com a exoneração do Chistophe. Isso não é bom pra uma unidade de conservação. Independentemente da pessoa que entrar, não pode ser dessa forma”, criticou Dalva, ressaltando a importância hídrica da região, que é produtora de água para três bacias: Itapemirim, Itabapoana e Doce.



Presidente do Circuito Caparaó Capixaba, uma associação de empreendimentos turísticos de Guaçuí, Dores do Rio Preto, Divino de São Lourenço e Ibitirama, Marcelo Sanglard Valentim declarou a indignação do setor com a decisão política, principalmente pelo fato de que o chefe anterior mantinha um bom diálogo com as comunidades, inclusive no lado capixaba, historicamente preterido em relação à porção mineira do Caparaó.



“A bancada federal capixaba é muito omissa em relação ao Parque. O Cristophe vinha atendendo às demandas capixabas, agora a gente não sabe como vai ficar. A impressão é que a antiga gestão do parque não estava coadunando com a gestão do ICMBio”, comentou. “É uma grande injustiça a gente ficar à mercê desses joguetes políticos”, lamentou.



Em reportagem veiculada no Jornal Nacional nesta terça-feira (16), também criticaram a medida a Associação dos Servidores do ICMBio e a ONG WWF Brasil, ressaltando os prejuízos advindos da excessiva interferência política na gestão ambiental brasileira, características do atual governo federal.

 

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 22 Setembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection