Terça, 16 Agosto 2022

Docentes e técnico administrativos da Ufes realizam Dia Nacional de Luta

dia_de_luta_FotoDivulgacao Divulgação

Nos quatro campi da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), foram realizadas atividades nesta quinta-feira (28) do Dia Nacional de Luta, em defesa do serviço público federal. A programação, mais intensa no campus de Goiabeiras, contou com panfletagens, aulas públicas, rodas de conversa e atividades culturais. Um dos pontos prioritários de pauta é o reajuste anual, já que os salários estão congelados há cinco anos, com perda de 49,28%, sendo 19,99% somente no governo de Jair Bolsonaro (PL).

Os servidores também defendem a revogação da Emenda Complementar 95, aprovada no governo Temer (MDB), que congelou o investimento em políticas públicas por 20 anos, além do arquivamento da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 32, que trata da reforma Administrativa.

Divulgação
A mobilização no Estado foi organizada pela Associação dos Docentes da Ufes (Adufes), com apoio do Sindicato dos Trabalhadores da Ufes (Sintufes).

As aulas foram mantidas, mas muitos professores estimularam os alunos a participar das atividades, como relata a presidente da Adufes, Junia Zaidan. Esse estímulo, acredita, faz parte da "compreensão de que o que está em jogo é a destruição do serviço público em geral e de que o momento é grave, inclusive, de ameaças à autonomia universitária".
Divulgação

Essa ameaça, afirma, se baseia no fato de que mais de 20 universidades brasileiras estão sob intervenção, uma vez que o primeiro colocado na lista tríplice para a Reitoria não foi nomeado, como no caso da Ufes, quando a professora do Centro de Ciências da Saúde (CCS) Ethel Maciel não foi empossada, apesar de escolhida em consulta à comunidade universitária e de ter ficado no topo da lista tríplice. "Essa situação abre precedente para desmandos", acredita Junia.

A realização do Dia Nacional de Luta foi aprovada em assembleia da Adufes no último dia 20 de abril. O diretor de Formação Política do Sintufes, Ivan Gomes da Silva, afirma que o Sintufes decidiu apoiar por entender que trata-se de "uma luta conjunta, pois as reivindicações afetam todo o serviço público federal". Ele classifica a reforma Administrativa como "um caminho para a privatização", por limitar a realização de concurso público e ampliar outras possibilidades de contratação, como a terceirização.

Além da realização do Dia Nacional de Luta, durante a assembleia os professores aprovaram indicativo de greve sem data de deflagração. O debate do Dia Nacional de Luta também tem sido feito por bases de várias outras categorias de servidores federais. A ideia inicial era discutir a construção de uma greve, iniciativa que já havia sido aprovada em outras duas assembleias da Associação dos Docentes da Ufes (Adufes), em janeiro e fevereiro deste ano. Entretanto, afirma a presidente da Associação, Junia Zaidan, houve um avanço nesse ponto de pauta em todo o país, acompanhado pelos docentes da Ufes.

A discussão a respeito do indicativo de greve tem sido feita pelo Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe), Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) e da Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra).

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 16 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/