Quinta, 07 Julho 2022

Governo inicia contra-ataque à reeleição de Theodorico Ferraço

Governo inicia contra-ataque à reeleição de Theodorico Ferraço

Recentemente, o presidente da Assembeia, deputado Theodorico Ferraço (DEM), fez uma brincadeira durante a sessão, dizendo que gostaria de ver o primeiro secretário da Mesa Diretora, deputado Roberto Carlos (PT), na presidência da Casa. Mal sabia o demista que a coisa ficaria séria.



Nos bastidores da discussão sobre o processo, o governo estaria articulando um contra-ataque à permanência de Ferraço à frente do Legislativo, se movimentando em favor do petista.



O governador Renato Casagrande já teria consultado interlocutores sobre ideia, que vem sendo bem vinda nos meios políticos. Roberto Carlos é deputado de primeiro mandato, mas construiu nesse tempo um trânsito bom no plenário e fora da Assembleia.



Na primeira secretaria da Mesa, o parlamentar ganhou liberdade e teve participação em situações de visibilidade, como na coordenação do concurso da Casa e na divulgação dos salários da Assembleia, com o portal da transparência.



Fora isso, o perfil de Roberto Carlos vai ao encontro da necessidade do governo para manter a unidade com o Legislativo, o que não seria garantido com a personalidade explosiva de Ferraço. No plenário, o nome do petista é palatável para os demais deputados, o que pode facilitar a manobra palaciana.



Os parlamentares tendem hoje a aceitar a reeleição de Ferraço, devido ao fortalecimento que ele empregou na Casa. Mas o perfil da Assembleia nas últimas legislaturas, de acatar os nomes indicados pelo Palácio Anchieta para a presidência do Legislativo, é um fator que vai pesar na eleição de fevereiro do próximo ano, até porque o ambiente político será outro.



Um acordo entre o Executivo e o Legislativo, conquistado depois de muito embate entre os Poderes, teve uma deliberação para que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que permite a reeleição à presidência da Casa seja votada apenas depois da eleição de outubro próximo.



Como a Casa tem 13 deputados concorrendo a prefeituras Estado afora, quem sair vitorioso do processo eleitoral pode eleger o governo como uma prioridade, já que diante das dificuldades financeiras previstas para as prefeituras no próximo ano, uma parceria com o governo do Estado pode se tornar essencial.

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 07 Julho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/