Quarta, 10 Agosto 2022

Professores da Ufes debatem greve unificada dos servidores federais

ufes_leonardo_sa-6371 Leonardo Sá

Professores da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) realizam assembleia na próxima quarta-feira (20), para deliberar a construção de uma greve unificada no País. O debate é feito não somente por professores universitários, mas também nas bases de várias categorias de servidores federais. Os trabalhadores reivindicam recomposição salarial de 19,99%; arquivamento da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 32, que trata da reforma Administrativa; e a revogação da Emenda Complementar 95, que congelou os investimentos em políticas públicas por 20 anos.

Segundo a presidente da Associação dos Docentes da Ufes (Adufes), Junia Zaidan, a defasagem de 19,99% é referente aos últimos três anos, mas se for considerar os últimos cinco, sobe para 50%.

A proposta da PEC 32 altera cerca de 80 pontos da Constituição Federal, que acabam com a estabilidade dos servidores e reduzem a realização de concurso público, utilizando como argumentos o combate aos privilégios, sem afetar, porém, salários do topo da pirâmide, como de magistrados, militares e parlamentares. "Vai atingir somente a base dos servidores, que não tem privilégios", critica Junia.

A construção da greve vem sendo discutida em nível nacional por meio do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe), Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) e da Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra).

Outras assembleias para tratar do tema foram realizadas em janeiro e fevereiro deste ano. Junia explica que a próxima será para ratificar esse posicionamento. "Construção de greve não significa indicativo, que pode vir a ser discutido mais à frente", destaca, apontando que a revogação da EC 95, por exemplo, é uma reivindicação que pode demandar muito tempo de mobilização. "Ela já está sendo implementada e, independentemente de quem vencer as eleições presidenciais, é uma pauta que permanecerá", afirma.

Desde 17 de março, servidores públicos federais têm feito protestos em Brasília, em frente ao prédio do Ministério da Economia, onde chegaram a visitar o Acampamento Terra Livre, composto por cerca de 8 mil indígenas contrários ao processo de destruição de suas terras e violações por parte do governo Jair Bolsonaro (PL).

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários: 1

Seu Madruga em Segunda, 18 Abril 2022 19:57

Parem mesmo, são militantes travestido de professor, não irão fazer falta, pelo contrário.

Parem mesmo, são militantes travestido de professor, não irão fazer falta, pelo contrário.
Visitante
Quarta, 10 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/