Sexta, 24 Setembro 2021

Sem diálogo, Sindiupes vai à Justiça para mudar regras da Previdência em Vitória

aridelmo_teixeira_redessociais Redes sociais

Depois de tentar sem êxito vários canais de diálogo, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública no Espírito Santo (Sindiupes) decidiu mover ação na Justiça contra a Prefeitura de Vitória, para garantir alterações das regras da Previdência que passaram a vigorar em maio deste ano, com descontos de 14% nos vencimentos dos servidores. Essa é mais  uma ação contra a reforma da Previdência do município, aprovada em janeiro deste ano, que será alvo de novo protesto na próxima quarta-feira (9), em frente à prefeitura.

Para reverter a situação, que impõe sacrifícios aos servidores, a entidade de classe procurou o secretário da Fazenda, Aridelmo Teixeira. Ele informou que, por ser um ano de pandemia, "não poderá fazer qualquer mudança e pediu que aguardássemos o comportamento da pandemia e, à medida que houvesse uma melhora, retomaria a discussão".

O Sindiupes afirma que "obviamente, não acreditamos nesse velho discurso de 'esperar o bolo crescer para depois dividir', pois essa administração já demonstrou-se realmente alinhada com o governo federal, que visa somente o ataque e a retirada dos direitos dos trabalhadores", aponta.

Outro procurado pelo sindicato foi o presidente da Câmara de Vereadores, Davi Esmael (PSD), aliado do prefeito Lorenzo Pazolini (Republicanos), condutor da sessão extraordinária em janeiro, quando o projeto da reforma foi aprovado. "Infelizmente, não foi dado nenhum retorno", informa a entidade de classe dos professores, justificando a decisão de acionar a Justiça.

"Diante do descaso e da posição intransigente do governo Pazolini, refutamos mais uma vez essa reforma da Previdência e recorreremos a todos os meios através do nosso Departamento Jurídico para garantir a defesa dos direitos da nossa categoria".

Em 4 de janeiro, três dias da posse do prefeito Lorenzo Pazolini e dos vereadores, a reforma da Previdência de Vitória foi aprovada, sem qualquer tipo de debate, muito menos com a sociedade, e com total desconhecimento do projeto pelos novos vereadores.

Com as novas regras, que passaram a vigorar em maio, os servidores de Vitória têm descontos de 14% em seus vencimentos, uma elevação de três pontos percentuais, de forma linear, o que atinge toda a categoria.

O Sindiupes aponta um detalhe para tornar a situação mais grave: "Verificamos que na maioria dos estados e municípios essa legislação ocorre da seguinte forma: o desconto é para os servidores aposentados que percebem acima do teto do INSS, ou seja, quem recebe acima de R$ 6.432, somente o município de Vitória impôs o pagamento da alíquota da previdência aos servidores já aposentados e a partir de um salário mínimo".

A distorção já é apontada em ações que tramitam na Justiça, uma delas da Associação de Aposentados e Pensionistas da Prefeitura de Vitória. "O único município do Espírito Santo que vai taxar o servidor que trabalhou a vida inteira para se aposentar e que recebe acima do salário mínimo, ou seja, todos irão contribuir com 14% de seu vencimento a partir de agora".

O Sindiupes dialoga com a vereadora Karla Coser (PT), buscando subsídios a fim de contornar a situação. Além dela, também a vereadora Camila Valadão (Psol) faz parte do movimento para promover medidas contra as novas regras. As duas votaram contra o projeto, juntamente com o vereador Aloísio Varejão (PSB).

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários: 3

Romilson Rossi em Sábado, 05 Junho 2021 19:32

Aridelmo é da FUCAPE e tem pretensões políticas. Os representantes daquela instituição sempre defendem, equivocadamente, que o mal maior do serviço público é o servidor. Basta entrar no portal transparência da PMV para constatar os baixíssimos salários dos servidores efetivos e concursados. Devemos lembrar que os aposentados pelo INSS (também com baixíssimos proventos) não contribuem com a previdência, encargo que recai somente sobre os servidores públicos inativos. Com a alíquota de 14%, a situação fica ainda mais difícil para todos (ativos e aposentados).

Aridelmo é da FUCAPE e tem pretensões políticas. Os representantes daquela instituição sempre defendem, equivocadamente, que o mal maior do serviço público é o servidor. Basta entrar no portal transparência da PMV para constatar os baixíssimos salários dos servidores efetivos e concursados. Devemos lembrar que os aposentados pelo INSS (também com baixíssimos proventos) não contribuem com a previdência, encargo que recai somente sobre os servidores públicos inativos. Com a alíquota de 14%, a situação fica ainda mais difícil para todos (ativos e aposentados).
Gildo Lyone Antunes de Oliveira em Segunda, 07 Junho 2021 10:08

A FUCAPE e demais representantes da elite empresarial e econômica de capixaba defendem a presença mínima do Estado na economia...." pura lorota", ao longo dos anos, o que temos visto é o Estado a serviço das causas deste setor. Apropriaram do Estado impedi-lo de produzir políticas públicas de qualidade para o povo."mínimo para o povo, máximo para a elite". O Sindiupes está no caminho certo, na luta pela reversão de mais essa injustiça contra os/as servidores/as públicos.

A FUCAPE e demais representantes da elite empresarial e econômica de capixaba defendem a presença mínima do Estado na economia...." pura lorota", ao longo dos anos, o que temos visto é o Estado a serviço das causas deste setor. Apropriaram do Estado impedi-lo de produzir políticas públicas de qualidade para o povo."mínimo para o povo, máximo para a elite". O Sindiupes está no caminho certo, na luta pela reversão de mais essa injustiça contra os/as servidores/as públicos.
Marcos Pereira Martins Neto em Terça, 27 Julho 2021 10:10

E um absurdo o que esta ocorrendo com os funcionários da PMV através deste Prefeito enganador, que prometeu em sua politica defender os funcionários inativos e ativos da PMV. e fez totalmente o contrario nesse desconto de 14 por cento. Tínhamos tanta confiança em suas promessas de luta em favor de funcionários, mas agora sentimos que o mesmo e politico de um mandato só, mas ainda e tempo de rever tal situação e consertar o erro do famigerado desconto a partir do teto de R$ 6.432,00 ai seria mais justo para todos nos. Vamos lá Sr. Prefeito, seja justo como as outras Prefeitura e não o único traidor de funcionários Públicos. SEJA JUSTO. Marcos Martins(aposentado PMV-ES,)

E um absurdo o que esta ocorrendo com os funcionários da PMV através deste Prefeito enganador, que prometeu em sua politica defender os funcionários inativos e ativos da PMV. e fez totalmente o contrario nesse desconto de 14 por cento. Tínhamos tanta confiança em suas promessas de luta em favor de funcionários, mas agora sentimos que o mesmo e politico de um mandato só, mas ainda e tempo de rever tal situação e consertar o erro do famigerado desconto a partir do teto de R$ 6.432,00 ai seria mais justo para todos nos. Vamos lá Sr. Prefeito, seja justo como as outras Prefeitura e não o único traidor de funcionários Públicos. SEJA JUSTO. Marcos Martins(aposentado PMV-ES,)
Visitante
Sexta, 24 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/