Sexta, 28 Janeiro 2022

Uso de armas de fogo por agentes socioeducativos deve ser proibido no ES

plenario_ales Ales

Dispositivos da Lei Complementar Estadual 472/2009, de Santa Catarina, que autoriza o porte de armas para agentes de segurança socioeducativos e agentes penitenciários inativos, foram declarados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão foi bem recebida pelo movimento de Direitos Humanos no Espírito Santo, já que uma lei semelhante foi apresentada na Assembleia Legislativa. Trata-se do Projeto de Lei Complementar (PLC) 38/2019, de autoria do então deputado estadual Lorenzo Pazolini (Republicanos), atual prefeito de Vitória.

O projeto de Pazolini garante prerrogativas aos agentes penitenciários e de segurança socioeducativos, como o porte de arma de fogo e documento de identificação de validade nacional. A proposta, aprovada nas comissões de Justiça, Segurança e Finanças, não foi para análise em Plenário. Embora a pauta tenha "sumido" das discussões da Casa, como afirma o militante do Movimento Nacional de Direitos Humanos do Espírito Santo (MNDH/ES), Gilmar Ferreira, ela pode ser enfraquecida com a decisão do STF.

O relator da ação no STF, ministro Edson Fachin, afirmou que a Constituição conferiu à União a competência para legislar sobre material bélico e direito penal. Disse, ainda, que com base nessa prerrogativa, foi editado o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/2003), que afastou a possibilidade do exercício das competências complementares e suplementares dos estados e dos municípios sobre a matéria.

Segundo Fachin, o Estatuto do Desarmamento não autoriza a extensão do porte de armas aos agentes penitenciários inativos, que não estão submetidos a regime de dedicação exclusiva, nem aos agentes do sistema socioeducativo. A seu ver, as medidas socioeducativas têm caráter pedagógico, voltado à preparação e à reabilitação de crianças e jovens para a vida em comunidade. "Permitir o porte de armas para esses agentes significaria reforçar a errônea ideia do caráter punitivo da medida socioeducativa, e não o seu escopo educativo e de prevenção", disse.

Para Gilmar, a decisão do STF é uma conquista da socioeducação e reafirma, por exemplo, a importância do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). "É uma jurisprudência do STF que para nós deixa claro que o Estado não pode legislar sobre o assunto e transformar agente socioeducativo em força de segurança", acredita. Gilmar destaca que o projeto de Pazolini, apresentado em véspera de ano eleitoral, trata-se de "oportunismo eleitoral" e "serve aos interesses da indústria bélica, da mercantilização e da descartabilidade da vida em momento de aumento de homicídios e da violência".

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo (Sindipúblicos), Tadeu Guerzet, afirma que a entidade é contra o armamento de agentes socioeducativos. "Agente socioeducativo não é policial. Para qualquer situação de insegurança que seja necessário o uso de força existe a polícia para controlar. O agente não tem essa atribuição", defende. Tadeu acredita que em vez de aplicar recurso público em compra de arma para agentes socioeducativos, a gestão pública estadual deveria dar reajuste salarial para esses profissionais. "Não tem que gastar dinheiro com isso, tem que garantir remuneração justa, decente", diz. 

Veja mais notícias sobre Segurança.

Veja também:

 

Comentários: 2

Ribeiro em Segunda, 15 Março 2021 06:32

Alguém avise os desavisados que medidas socioeducativas não funcionam pois a lei neste País e falha, fraca ,arcaica...o menor rouba ,mata,estupra,trafica e vai para este programa é uma farra ..... é por isso quero e nos vamos continuar sendo país de 3 mundo ....não se tem Ordem e nem Progresso e as eles que eram em tese para fazer nossas leis serem cumpridas o lutar para que a justiça neste país prevaleça ..Dormem em Berço Esplêndido

Alguém avise os desavisados que medidas socioeducativas não funcionam pois a lei neste País e falha, fraca ,arcaica...o menor rouba ,mata,estupra,trafica e vai para este programa é uma farra ..... é por isso quero e nos vamos continuar sendo país de 3 mundo ....não se tem Ordem e nem Progresso e as eles que eram em tese para fazer nossas leis serem cumpridas o lutar para que a justiça neste país prevaleça ..Dormem em Berço Esplêndido
DE LIMA em Segunda, 15 Março 2021 15:08

O EXCELENTÍSSIMO SR MINISTRO EDSON FACHIN ESTA SE BASEANDO EM UMA LEI ABSOLETA QUANDO SE REFERE AO AGENTE PENITENCIÁRIO ! HAJA VISTA QUE POSTERIOR A REFERIDA LEI; FOI SANCIONADA LEI 12.993, DE 17 DE JUNHO DE 2014, onde Altera a Lei no 10.826, de 22 de dezembro de 2003, para conceder porte de arma funcional e particular aos Agente Penitenciário que foi assinada pela então PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF.
Em 2019 o artigo 144 da Constituição também foi modificado com a inclusão da POLÍCIA PENAL no Rol da Segurança Pública.
Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos:
I - polícia federal;
II - polícia rodoviária federal;
III - polícia ferroviária federal;
IV - polícias civis;
V - polícias militares e corpos de bombeiros militares.
VI - polícias penais federal, estaduais e distrital. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 104, de 2019).

Fontes: Câmara dos Deputados - Palácio do Congresso Nacional

O EXCELENTÍSSIMO SR MINISTRO EDSON FACHIN ESTA SE BASEANDO EM UMA LEI ABSOLETA QUANDO SE REFERE AO AGENTE PENITENCIÁRIO ! HAJA VISTA QUE POSTERIOR A REFERIDA LEI; FOI SANCIONADA LEI 12.993, DE 17 DE JUNHO DE 2014, onde Altera a Lei no 10.826, de 22 de dezembro de 2003, para conceder porte de arma funcional e particular aos Agente Penitenciário que foi assinada pela então PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF. Em 2019 o artigo 144 da Constituição também foi modificado com a inclusão da POLÍCIA PENAL no Rol da Segurança Pública. Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos: I - polícia federal; II - polícia rodoviária federal; III - polícia ferroviária federal; IV - polícias civis; V - polícias militares e corpos de bombeiros militares. VI - polícias penais federal, estaduais e distrital. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 104, de 2019). Fontes: Câmara dos Deputados - Palácio do Congresso Nacional
Visitante
Sexta, 28 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/