Dólar Comercial: R$ 5,31 • Euro: R$ 6,29
Quarta, 25 Novembro 2020

População se manifestou em consulta pública contra o Plano de Retomada das Aulas

vitor_de_angelo_mascara_secom Secom

A baixa presença dos estudantes no retorno das aulas presenciais, ao longo dos últimos dois meses, reflete o que a sociedade já havia manifestado na consulta pública aberta pela Secretaria de Estado de Educação (Sedu), gerida por Vitor de Angelo, para receber contribuições da população a respeito do Plano de Retorno às Aulas Presenciais na Rede Pública Estadual de Ensino. 

"Seis mil contribuições foram enviadas e a maioria indica a absoluta falta de bom senso no que tange à volta do ensino presencial nessa altura do ano letivo, dada a falta de estrutura das escolas da rede estadual. O plano de retorno teve críticas em todos os aspectos: administrativos, psicossociais e pedagógicos. E quando as escolas abriram, o número de alunos foi muito aquém do esperado", resume a doutora em Educação, professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e coordenadora do Laboratório de Gestão da Educação Básica do Espírito Santo (Lagebes/Ufes), Gilda Cardoso. 

A íntegra das contribuições só foi entregue pela Sedu ao final do prazo estendido permitido pela Lei de Acesso à Informação (LAI),  juntamente com respostas sintéticas às 25 questões – elaboradas pelo Lagebes em conjunto com a Associação dos Docentes da Ufes (Adufes) e a Frente Popular em Defesa do Direito à Educação – sobre os possíveis investimentos feitos pelo Estado para preparar as escolas para receber alunos e trabalhadores da rede estadual, cujas autorizações foram feitas gradativamente pelo governo do Estado a partir do dia 13 de outubro, iniciando com o ensino médio até a educação infantil.

Todas as respostas da Sedu, conta a educadora, "vieram de forma evasiva ou negando as informações". O que é lamentável, salienta. "Todas as perguntas feitas ali são do maior interesse público, respeitando a ideia republicana de controle e participação cidadã", qualifica.

Para a coordenadora do Lagebes, o quadro é lamentável e até assustador. "Falta transparência. Está tudo sob um manto de escuridão e interesses que a gente desconhece. A gente não consegue entender porque o governo estadual resolveu retomar as aulas nas atuais circunstâncias. Me causa estranheza, vergonha, porque nem republicano é", critica.

Das pseudo-respostas, aponta, fica claro que não houve investimentos em obras de infraestrutura necessárias para garantir o bem-estar da comunidade escolar, como reformas e compra de equipamentos de proteção individual de qualidade, capacitações e estratégias de ensino e aprendizagem.

"Há várias escolas com professores adoecidos, exaustos, por uma dupla jornada de trabalho desnecessária. Não há nenhuma lógica nesse plano de retorno. A gente fica com a sensação de que todos nós, como sociedade, perdemos com esse retorno, essa decisão unilateral, sem diálogo, contrariando a consulta pública, colocando em risco a vida dos professores", repudia. "E não garantindo sequer a alimentação", ressalta, tocando no aspecto que poderia ser uma justificativa mais plausível para legitimar a decisão do retorno.

"Todas as crianças, adolescentes e jovens matriculados nas escolas públicas, deveriam receber uma alimentação digna, saudável e balanceada, mas isso não está acontecendo. Os estudantes estão recebendo cestas básicas a partir do CadÚnico", informa.

"Chegou a circular via e-mail aos dirigentes escolares, uma orientação para que, nas escolas que estejam com uma frequência abaixo de dez alunos, seja feita distribuição de alimentos pelos próprios professores, alimentos preparados, o 'suco e bolacha'", relatou Gilda.

A educadora é enfática: "não basta se dizer, parecer democrático e dialógico. O governo precisa efetivamente ser democrático e dialógico", provoca. A postura do governo de Renato Casagrande (PSB), contextualiza, remete tristemente à gestão anterior, com o agravante da hipocrisia.

"Paulo Hartung assumia que não ia ouvir. Mas agora é hipócrita, porque tem um discurso de gestão democrática, de colocar o Fórum Estadual de Educação e os conselhos de escola pra funcionar, de ter um lugar de escuta, mas as decisões são tomadas fora desses espaços", expõe.

A democracia e o diálogo, metaforiza, são apenas um verniz no velho autoritarismo que insiste em predominar na gestão da Educação do Espírito Santo, governo após governo. "Um verniz, apenas um verniz", lamenta.

Veja mais notícias sobre Educação.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 25 Novembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection