Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,40
Sábado, 15 Mai 2021

Vitória, Vila Velha e Serra garantem escolas cívico-militares

soraya_manato_luismacedo_camaradeputados Luis Macedo/Câmara

A Grande Vitória terá mais escolas no modelo cívico-militar este ano. O anúncio foi feito nesta terça-feira (9) pela deputada federal Soraya Manato (PSL), em suas redes sociais, após interlocução com o governo federal. As novas unidades serão em Vila Velha, Vitória, Serra e Cariacica, por meio do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares, gerido pelos ministérios da Educação e da Defesa.

O município administrado por Euclério Sampaio (DEM) já havia feito o anúncio oficial, em 18 de fevereiro, quando assinou a ordem de serviço para as obras no local onde será implementada a escola, no bairro Itanguá, em Cariacica. Viana inaugurou uma unidade com essa proposta ainda em 2020.

Apesar da expansão no Espírito Santo, o modelo não é unanimidade entre os profissionais da área. O coletivo de professores Educação pela Base acredita que as escolas cívico-militares são apontadas como solução por defenderem a disciplina, mas que a disciplina, em meio à educação, "não é um fim em si mesma".

"Há outros fatores que contribuem para o processo educacional, não somente a disciplina. Tem que levar em consideração a formação de profissionais da educação, a valorização desses trabalhadores, o investimento em infraestrutura", diz o integrante do coletivo, Antônio Barbosa.

Para ele, o modelo das novas escolas anunciadas pela deputada fere o que foi construído ao longo do tempo pela sociedade brasileira, como a gestão democrática. "Educação não é empresa, não é destacamento militar, não é ONG [Organização Não Governamental]. Tem sua maneira própria de gestão, tem que prezar pela livre manifestação de pensamento. O modelo militar, em sua essência, não permite o questionamento", afirma

Antônio acredita que a expansão das escolas cívico-militares é um retrocesso. "Por mais que sejam cívico-militares, ou seja, que tenham os civis como professores e os militares como gestores, abrem caminhos para que outros postos sejam ocupados por militares. A educação tem que ser feita por profissionais da educação, não por militares, que não têm perfil para isso, nem formação", defende.

Outra crítica do Educação pela Base se refere aos investimentos, que são mais altos em relação às demais escolas. "Quando uma escola dessa recebe investimento maior, está se criando uma falácia, atribuindo a qualidade dela ao fato de ser militar, e não ao investimento mais elevado em relação às escolas que não têm esse perfil", acredita.

Antônio destaca, ainda, o fato de as escolas cívico-militares não tratarem a "raiz do problema" com os alunos. 
"Se o aluno é indisciplinado, e na escola não cabe a indisciplina, então ele precisa ser excluído. Temos que lembrar que as escolas cívico-militares normalmente são instaladas em áreas de vulnerabilidade social e que isso pode ter consequência no comportamento dos alunos. Esses colégios também não tratam da questão da diversidade, então, temas como bullying e racismo não serão debatidos", prevê.

A programa, uma prioridade do presidente Bolsonaro, pretende implantar 216 escolas cívico-militares em todo o país, até 2023. A adesão pelos estados e municípios é voluntária, tendo como primeiro marco a implantação do projeto-piloto em 2020.

Escolas cívico-militares na Grande Vitória preocupam profissionais da educação

Viana inaugurou uma, Cariacica deu ordem de serviço, e Serra e Vitória já sinalizaram possibilidade de implantar o modelo
https://www.seculodiario.com.br/educacao/escolas-civicos-militares-sao-pautadas-no-autoritarismo

Veja mais notícias sobre Educação.

Veja também:

 

Comentários: 7

Francisco em Terça, 09 Março 2021 19:01

É absurdo o que fazem com os professores. Qualquer militar desqualificado mas com indicação política vai pintar e bordar em cima de um professor. Será que eles aceitariam um professor na gestão de um quartel?

É absurdo o que fazem com os professores. Qualquer militar desqualificado mas com indicação política vai pintar e bordar em cima de um professor. Será que eles aceitariam um professor na gestão de um quartel?
Eliel Moura em Terça, 09 Março 2021 21:48

Não resolve, o que vale é escola de qualidade, efeitando o pavão!!

Não resolve, o que vale é escola de qualidade, efeitando o pavão!!
Izabel Alves de Lima em Quarta, 10 Março 2021 15:06

Os militares não dão conta da violência, e da segurança onde deveria ser seu objetivo principal, agora querem dar pitacos na educação. Lugar de militar é no quartel.

Os militares não dão conta da violência, e da segurança onde deveria ser seu objetivo principal, agora querem dar pitacos na educação. Lugar de militar é no quartel.
Seu Madruga em Quarta, 10 Março 2021 18:39

Parabéns! Que venham mais escolas cívico-militares.

Parabéns! Que venham mais escolas cívico-militares.
Ricardo Pires em Domingo, 14 Março 2021 23:04

A diferença básica entre a educação 3º mundo e a de países mais desenvolvidos é o ensino dos fundamentos e dos valores da cidadania, algo em que nosso sistema educacional tem falhado há décadas. Considerando a cultura popular de um país onde o amor à pátria, cada vez mais tem se confundido com torcer pela seleção brasileira de futebol em jogos televisionados, eu acredito na iniciativa das escolas cívico-militares, desde que elas tenham liberdade de incutir esses valores que há muito tempo não fazem parte da educação de nossos jovens, criando verdadeiros cidadãos.

A diferença básica entre a educação 3º mundo e a de países mais desenvolvidos é o ensino dos fundamentos e dos valores da cidadania, algo em que nosso sistema educacional tem falhado há décadas. Considerando a cultura popular de um país onde o amor à pátria, cada vez mais tem se confundido com torcer pela seleção brasileira de futebol em jogos televisionados, eu acredito na iniciativa das escolas cívico-militares, desde que elas tenham liberdade de incutir esses valores que há muito tempo não fazem parte da educação de nossos jovens, criando verdadeiros cidadãos.
Gilberto em Sábado, 27 Março 2021 21:39

Bem, vê a origem do prefeito de vitória e sua vice. Ainda, pensa no qdo os militares comandaram o Brasil, uma lástima. Aliás, nem na segunda guerra foram eles a combater, mas os pracinhas.

Bem, vê a origem do prefeito de vitória e sua vice. Ainda, pensa no qdo os militares comandaram o Brasil, uma lástima. Aliás, nem na segunda guerra foram eles a combater, mas os pracinhas.
Marcela em Sexta, 07 Mai 2021 13:22

Ótima iniciativa das escolas cívico - militares já que os professores não querem sair de casa pra trabalhar....

Ótima iniciativa das escolas cívico - militares já que os professores não querem sair de casa pra trabalhar....
Visitante
Sábado, 15 Mai 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/