Terça, 25 Junho 2024

Transparência Guarapari quer impugnação da eleição para o Conselho Tutelar

edsonmagalhaes_1_ales Ales

A Organização Não Governamental (ONG) Transparência Guarapari acionou o Ministério Público do Espírito Santo (MPES) solicitando impugnação da eleição para o Conselho Tutelar, realizada nesse domingo (1). A motivação, conforme consta em ofício, é que diversas regiões da cidade não contaram com urnas para votação, o que impossibilitou a participação de eleitores.

O documento diz que "não foi oportunizado a todos munícipes condições igualitárias para exercerem seu poder de voto, pois apesar de um processo eletivo interno longo da secretaria responsável (Setac), ficaram diversas regiões da cidade desassistidas de local próprio para votação, prejudicando de forma grave os eleitores e os candidatos ao pleito".

O ofício aponta ainda que, no dia da eleição, a urna de uma escola da região norte migrou para um colégio próximo à Prefeitura de Guarapari, "o que reforçou a dificuldade dos munícipes em votar". O documento destaca que para os moradores do bairro Praia da Sereia, que fica depois do pedágio, ficou difícil comparecer à votação, uma vez que, sem um local na região para votar, os moradores teriam que arcar com custos do pedágio para se deslocar até algum colégio eleitoral.

A Transparência Guarapari, na solicitação feita ao MPES, defende que novas eleições sejam realizadas "o mais breve possível", de forma a atender todas regiões, "pois é inaceitável o cerceamento do direito do povo a população guarapariense, principalmente no interior".

O presidente da ONG, Jorge Egbert Weytingh Júnior, informa que a mudança de local de votação a qual o documento se refere foi de Jabaraí para Santa Rosa, feita sem que a gestão de Edson Magalhães (PSDB) apresentasse uma justificativa. Além disso, diversos bairros, a exemplo dos da região de montanhas, como Buenos Aires e Todos os Santos, não contaram com locais de votação. "Isso não favorece a população a votar de forma plena, muita gente queria votar e não pôde, pois tinha que se deslocar para muito longe", critica.

Os conselheiros tutelares são escolhidos em todo o Brasil a cada quatro anos, sempre no primeiro domingo do mês de outubro do ano subsequente ao do pleito presidencial. A votação deste ano foi a primeira a ser realizada com urnas eletrônicas em todo o território nacional.


Ao todo, 4,3 mil pessoas participaram da eleição em Guarapari. Houve apenas 10 brancos e dois nulos. Foram eleitos cinco conselheiros. A mais votada foi Débora Wilselene Ferreira, com 520 votos, seguida de Lidia Simões Duarte (512), Ebenezer Ferreira (478), Zoraia de Fatima Medeiros Bramusse (475) e Samara Ribeiro Garcia (414). Onze candidatos ficaram na suplência.

Veja mais notícias sobre Justiça.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 25 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/