Quarta, 10 Agosto 2022

Psol e Rede fecham aliança nacional, mas falta diálogo no Estado

audifax_leonardo_sa-7092 Leonardo Sá

O Diretório Nacional do Psol ratificou, nessa segunda-feira (18), a formalização da federação partidária com a Rede Sustentabilidade, confirmando que os partidos seguirão juntos nas eleições de 2022, numa aliança que durará ao menos por mais quatro anos, de acordo com a legislação. A decisão gerou um incômodo de ambas as partes no Espírito Santo.

A Rede é comandada, no Estado, pelo ex-prefeito da Serra Audifax Barcelos, que tem proximidade com o ex-governador Paulo Hartung (sem partido), arqui-inimigo do novo parceiro de federação. Já o Psol capixaba é comandado pela oposição interna do partido, que foi contra o acordo com a Rede Sustentabilidade. Embora a nível nacional os dirigentes tenham conseguido conduzir diálogos amistosos e avançar, com base nas boas relações dos partidos no Congresso Nacional na oposição ao presidente Jair Bolsonaro (PL), em vários estados o diálogo é difícil, e o Espírito Santo é um dos locais que o nó ainda precisa ser desatado.

Nos bastidores, lideranças da Rede reclamam do retraso das conversas e da falta de vontade de diálogo do Psol capixaba para dar a construção de estratégias conjuntas para as eleições, cujas articulações já caminham a passos largos no Estado, enquanto os dirigentes psolistas ainda ganhavam tempo aguardando o desfecho da decisão oficial do partido, embora o resultado já parecia sinalizado pela conjuntura interna. Cedo ou tarde, as conversas terão que acontecer, mas o que parece é que a animosidade será recíproca.

O que está dado é que a prioridade da Rede é a candidatura ao governo de Audifax, que aliás, seria a única do partido a governador no país, o que poderia aumentar o investimento político e financeiro da sigla que tem como referência a ex-senadora Marina Silva. Porém, para se viabilizar de fato no Espírito Santo, Audifax busca parcerias com outros partidos. O campo da centro-esquerda já está minado, com o PSB e PDT em torno da reeleição de Renato Casagrande (PSB), e o PT indefinido sobre a candidatura do senador Fabiano Contarato ao governo, que depende ainda dos diálogos locais e nacionais com os socialistas.

Depois de tentar o MDB, o diálogo seria agora com o PSD, que tem como pré-candidato o prefeito de Linhares, Guerino Zanon, aliado de Hartung. Ainda há a possibilidade de acordo com o deputado e presidente da Assembleia Legislativa Erick Musso (Republicanos), para uma candidatura unificada de oposição a Casagrande. Quando se discute majoritárias, há três grandes trunfos em jogo: o governo, a vaga de vice e a candidatura ao Senado.

Em tese, Audifa, é o que teria maior estatura eleitoral, por ter sido prefeito do maior colégio eleitoral do Estado, a Serra, e deputado federal. Nas pesquisas já realizadas, porém, Guerino, que tem reduto eleitoral principalmente na região norte, não fica muito distante de Audifax. Erick Musso, político jovem de Aracruz, enfrenta o desafio de ainda não ser muito conhecido a nível estadual, embora venha intensificando os giros pelos municípios do Espírito Santo.

O certo é que qualquer dessas articulações vai desagradar e até constranger o Psol do Espírito Santo, já que o partido tradicionalmente manteve alianças sempre muito restritas ao campo da esquerda e extrema-esquerda. De parte da Rede, que quer construir uma frente mais ampla em torno de Audifax, a presença do Psol e suas bandeiras mais radicais à esquerda torna-se também um problema.

Na disputa pelo Senado, o Psol apresentou pré-candidatura de Gilbertinho Campos, que foi candidato à prefeitura de Vitória e ficou em nono lugar, com menos de 1% da votação. Com possível esvaziamento de sua militância no apoio à provável candidatura de Audifax, os psolistas querem garantir esta candidatura majoritária para ajudar a impulsionar a votação do partido nas outras casas legislativas. Mas, ao contrário do cenário nacional, no Espírito Santo a Rede tem maioria nas decisões da federação. Por isso, conta com a candidatura do Senado para negociar alianças, parecendo pouco disposta a ceder para um candidato sem grande densidade eleitoral. 

Para o Psol, a prioridade no Estado é a eleição de Camila Valadão, vereadora da Capital, como deputada estadual. Para isso, a federação com a Rede pode inclusive ajudar. Se sozinho o partido precisava de uma votação recorde da candidata e outras candidaturas que pudessem somar para a legenda atingir o coeficiente, com a federação, parece certa a conquista de ao menos uma cadeira, com a possibilidade de duas para o bloco partidário.

Nesse sentido, abre-se uma disputa na federação pela maior votação para a Assembleia Legislativa entre Camila Valadão e Fábio Duarte, da Rede, que foi derrotado no segundo turno para a prefeitura da Serra em 2020, e deve vir colado à candidatura de Audifax ao governo, caso esta de fato se viabilize. Outros candidatos devem correr por fora, com chances reduzidas, mas com chapa completa para somar votos e tentar até uma terceira vaga, o que até o momento é apontado como pouco provável.

No âmbito nacional, a federação ainda carece de nomes viáveis para deputados federais, podendo não conseguir eleger ninguém, contribuindo apenas com a soma de votos para superar a cláusula de barreira, que parece desafio bastante tranquilo com a junção das duas agremiações.

Lideranças nacionais enxergam convergências

Voltando ao âmbito nacional e interno das siglas, se bem a votação no diretório da Rede foi consensual a favor da federação no último dia 12 de março, no Psol foi diferente. Depois de aprovado pela Nacional no dia 30 de março, a federação foi aprovada com 62% dos votos da direção e oposição do restante.

A realidade é que a Rede precisa mais da federação do que o Psol para garantir sua sobrevivência. Em crescimento nos últimos anos, os psolistas cresceram em 59% sua votação para deputado federal em 2018, conseguindo superar a cláusula de barreira, com 1,8% dos votos nacionais para este cargo, que é o parâmetro de medição. Em 2022, no entanto, o sarrafo sobe e é preciso alcançar 2% do total de votos, contra 1,5% da última eleição nacional. Não parece tarefa improvável para o Psol, que terá candidaturas fortes a deputado federal como a do líder Guilherme Boulos em São Paulo. Porém, a federação garante segurança de superação do desafio para ambas siglas.

Há quatro anos, a Rede Sustentabilidade passou longe de conseguir atingir a cláusula, ficando sem tempo de propaganda gratuita em rádio e TV e nem verba do fundo partidário. Se o Psol, que superou por pouco as exigências, teve cerca 2,78 milhões de votos, a Rede chegou a pouco mais de 816 mil para deputado federal. Ao todo 11 partidos ficaram prejudicados por não atingirem a cláusula, sendo que alguns se fundiram para alcançá-la, como foi o caso de PCdoB e PPL e Podemos e PHS, tendo os segundos sendo incorporados aos primeiros em cada caso.

Ainda assim, as federações foram implementadas por meio da Lei 14.208/2021 para permitir que dois ou mais partidos se unam, mantendo suas identidades próprias, mas somando votos como nas antigas coligações e tendo obrigação de atuação conjunta. Precisam registrar estatuto e pontos programáticos comuns no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A aliança deve permanecer por quatro anos tanto na atuação conjunta parlamentar como nas eleições de 2024, embora os partidos sigam com autonomia.

Segundo o Psol, existem "pontos de convergência entre o ecossocialismo e o socialismo radicalmente democrático defendidos pelo Psol e o sustentabilismo progressista encampado pela Rede Sustentabilidade".

Entre os pontos definidos em comum pelas legendas, estão a defesa da educação pública, universal e de qualidade em todos os níveis; a democratização dos sistemas de comunicação; o respeito aos direitos humanos; a universalização e melhoria dos serviços de saúde; a defesa dos direitos dos animais; a reforma urbana; o incentivo a pequenos produtores e à agricultura familiar; a revisão da matriz energética; o fortalecimento da economia popular; o enfrentamento à violência policial; e o controle social sobre a política de mineração.

PT, PCdoB e PV ainda não definem candidatura ao governo

Também nessa segunda-feira, PT, PCdoB e PV registraram o estatuto e o programa de aliança, chamada de Federação Brasil da Esperança, que terá Lula como candidato à presidência da República, com apoio já fechado com o PSB e em busca de novas alianças.

"A FE Brasil surge desafiada por uma grande responsabilidade: atuar como força decisiva para libertar nosso país do desastroso governo da extrema da direita. Tendo em vista essa gigantesca tarefa, a Federação terá que, em torno da liderança da ex-presidente Lula, agregar, reunir e mobilizar amplas forças políticas, sociais, econômicas e culturais para que o povo e a democracia sejam vitoriosos nas eleições de outubro", diz a nota conjunta dos partidos da federação, que também chama atenção para a tarefa simultânea de eleger grandes bancadas federais progressistas para o Congresso Nacional e as Assembleias Legislativas, além de governadores.

No Espírito Santo, uma questão central é a definição da candidatura para governador. O PT vem de trocas de farpas com o PSB e coloca a candidatura de Contarato como prioridade. Agora, com a federação, o diálogo ganha amplitude. A decisão deixa de ser do partido e passa para a federação, que terá sua direção composta por critérios que darão ao PT maior número de representantes, mas com possibilidade de ter que negociar com os outros federados.

A possibilidade de que o PT apoie Casagrande à reeleição se faz possível se houver pressão nacional da direção do partido, que coloca como condição que o atual governador apoie formalmente Lula para a presidência, algo que Casagrande tem fugido para evitar desagradar a ampla base de apoio de partidos centro e centro-direita que vem construindo para sua reeleição.

Se retirada a candidatura de Contarato, não haveria maiores problemas para apoio a Casagrande, exceto o fato de desagradar parte da base petista. O PV, entretanto, tem sido aliado do governador e tem preferência por seguir apoiando-o, embora seu poder de decisão na federação seja reduzido. Já o PCdoB se equilibra entre boas relações tanto com o governo como o PT, e pode pender para um ou outro lado, conforme avancem os diálogos. 

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários: 2

Seu Madruga em Quarta, 20 Abril 2022 23:46

Dois puxadinhos do Partido das Trevas.

Dois puxadinhos do Partido das Trevas.
Walter em Sábado, 23 Abril 2022 12:39

Se juntar com porcariada de esquerdistas perde meu voto.

Se juntar com porcariada de esquerdistas perde meu voto.
Visitante
Quarta, 10 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/