Quinta, 27 Janeiro 2022

Unidade de saúde da aldeia indígena Boa Esperança será reformada a partir de março

boa-esperan_20220112-180328_1 Foto Leitor
Reforma estava travada no Ministério de Saúde desde 2012. Foto: Leitor

A Unidade de Saúde da aldeia Boa Esperança, em Aracruz, será reconstruída a partir de março deste ano. A promessa foi feita por representantes da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do governo federal, em uma reunião com o vereador e ex-cacique Vilson Jaguareté (PT), nessa terça-feira (11). Membros do Executivo Municipal também participaram do encontro, que pode resultar no atendimento a uma demanda antiga da comunidade local, travada no Ministério da Saúde desde 2012.

Enquanto as obras forem realizadas na unidade de saúde, o atendimento à população será feito em tendas que serão instaladas ao lado da escola da aldeia Boa Esperança, que está desativada. A escola será utilizada para abrigar materiais, equipamentos, e banheiros para os pacientes e profissionais da unidade.

Para que a utilização provisória da escola fosse possível, a Prefeitura de Aracruz também se comprometeu a fazer uma reforma paliativa do prédio, que não está em condições de receber os pacientes. A expectativa é que as reformas no prédio sejam feitas antes do dia 15 de março para que a reconstrução da unidade de saúde seja iniciada.

A reforma do posto se arrasta no Ministério da Saúde, pelo menos, desde 2012. O prédio foi construído na década de 90 e, desde então, os únicos reparos foram feitos pela própria comunidade. Em 2012, quando a atenção à Saúde Indígena já era uma responsabilidade da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), a reforma e ampliação da unidade de saúde foram incluídas no Plano Distrital de Saúde Indígena (PDSI), mas não foram desenvolvidas.

Ao longo de todo esse tempo, a comunidade precisou lidar com a falta de espaço e estrutura precária do prédio. Em julho, o vereador Jaguareté (PT) fez uma visita às unidades de saúde e ao Polo Base de Saúde Indígena do município, incluindo a unidade da aldeia de Boa Esperança. "É extremamente preocupante. Se a Vigilância Sanitária for até lá fazer fiscalização, pode até ter um problema. Tem muita infiltração, telhado muito precário. Está completamente inadequado para a realidade atual", disse na época.

No dia 27 de outubro de 2021, o Ministério da Saúde prometeu, mais uma vez, a reforma da unidade de saúde. Após ser questionado pela reportagem, a pasta do governo federal prometeu que o projeto seria realizado em 60 dias a contar daquela data.

O problema de Boa Esperança se repete em outras aldeias indígenas de Aracruz. Ainda no mês de outubro, o presidente do conselho local de saúde indígena, Renato Tupinikim, denunciou a situação da unidade de Saúde de Caieiras Velha, que apresentava problemas como infiltrações no teto e nas paredes, além de pontos com mofo.

Uma das propostas apresentadas pela comunidade para resolver esses e outros problemas da Saúde Indígena de Aracruz é a descentralização do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) de Governador Valadares (MG), responsável pelas comunidades indígenas de Minas Gerais e do Espírito Santo. No ano passado, profissionais de saúde e moradores denunciaram uma série de falhas no atendimento da saúde indígena do Espírito Santo, como a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPI's) e envio de máscaras vencidas pelo Dsei de Minas Gerais.

A ideia de construir um Dsei capixaba foi amplamente discutida ao longo de 2021 com parlamentares e especialistas e deve voltar a ser pautada este ano. Em relação à escola da aldeia Boa Esperança, que funcionará como um espaço de suporte às obras da unidade de saúde, ainda não há previsão de uma reforma definitiva. 

Veja mais notícias sobre Saúde.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 27 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/