Sábado, 04 Dezembro 2021

As nuvens da política

max_filho_leonardo_sa-8977 Leonardo Sá
Leonardo Sá

O ex-prefeito de Vila Velha Max Filho (PSDB), que fez campanha eleitoral em 2020 exaltando a aliança com o governador Renato Casagrande, consolidada na sua gestão passada, mudou de tom. Em uma de suas lives nas redes sociais, que têm sido recorrentes, ao falar sobre inaugurações de obras de ruas e avenidas no município, informou com certa ironia que recebe convites para alguns desses eventos, mas "entende que o governador não me quis inaugurando". Max resolveu se queixar da anulação de 10 convênios firmados com o ex-governador Paulo Hartung (sem partido), os únicos das três administrações que comandou em Vila Velha, medida tomada por Casagrande no final de 2018, quando foi apontada uma "farra" nos contratos firmados no "apagar das luzes" pelo seu antecessor e adversário. "Tive que retomar tudo", emendou Max, com aviso, porém, de que "não tem nada contra ele". As declarações do ex-prefeito marcam uma nova fase na relação com Casagrande, a menos de um ano das eleições de 2022, quando o governador tentará a reeleição e Max a Câmara dos Deputados. No meio do cenário está o PSDB, que ninguém sabe ainda para onde vai, e o atual prefeito e seu rival, Arnaldinho Borgo (Podemos). O presidente estadual do ninho tucano, Vandinho Leite, agora é do time de Casagrande; o ex-vice-governador e deputado federal César Colnago quer, em sentido contrário, disputar contra ele o governo do Estado; e Max Filho, na mesma live, desconversou: "Não sei qual vai ser a política de alianças do nosso partido, Hartung deu sua contribuição, Casagrande também, mas vamos ter candidato a presidente...", resumiu, mudando logo de assunto. É aquela velha história das nuvens da política, você olha de novo, e já mudou.

Tônica
Nas eleições passadas, antes mesmo de oficializar sua candidatura, Max tornou como discurso diário ressaltar a parceria com a gestão estadual, como essencial para manter o desenvolvimento de Vila Velha. Nessa pegada, conseguiu agregar o PSB em seu palanque, e assim manteve a aliança como tônica de sua campanha eleitoral, que acabou derrotada com folga para Arnaldinho no segundo turno: 69% x 30,9%.

Alvo fixo
A mesma live, inclusive, dedicou a maior parte do tempo exatamente a Arnaldinho, com críticas na área de saúde e segurança, além de serviços que Max listou como paralisados. "O que a gente temia, aconteceu", disparou, remetendo aos "alertas" que fez no período eleitoral de que a gestão do seu adversário seria de "aventura".

Alvo fixo II
Na relação de Max com Casagrande, Arnaldinho é outro peso da balança. O prefeito se aproximou do governador, impulsionado também por Gilson Daniel, presidente estadual do Podemos, seu partido, que responde pela Secretaria de Estado de Governo e integra o grupo dos mais privilegiados do governo socialista. Gilson está no mesmo páreo que Max: atrás de uma cadeira de deputado federal.

Respingos
Essas movimentações, do PSDB e Podemos, vale o lembrete, estão atreladas às decisões nacionais. O ninho tucano está próximo de realizar suas prévias, que vai decidir entre os governadores João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS), enquanto o Podemos lançou o ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro. Por aqui, até agora, os comandantes estaduais fingem que não é com eles e se mantêm em silêncio sobre os inevitáveis respingos.

Lado a lado
Em articulações para disputar o Palácio Anchieta, o prefeito de Linhares, Guerino Zanon (MDB), cumpriu agenda no município ao lado de Casagrande nessa segunda-feira (15). Na ocasião, foi autorizado o início das obras de implantação e pavimentação de trecho da Rodovia ES-010 e da ES-248, além de ações na área de assistência social.

Antes x depois
Nas fotos oficiais, os dois, que já se estranharam publicamente num passado recente, na mesma polêmica dos convênios de Hartung, de quem Guerino é aliado antigo, aparecem felizes e sorridentes. Logo mais, tudo indica, o vento vai virar.

Ensaio
Com a proximidade do final do ano, aperta a pressão dos servidores públicos em cima do governo do Estado. Vídeos circulam nas redes sociais reforçando a cobrança pela recomposição inflacionária, poucos dias antes da assembleia geral unificada que irá reunir diversas categorias na próxima segunda-feira (22), às 13h30, em frente à Assembleia Legislativa.

'Problemão'
Entre os possíveis encaminhamentos, a possibilidade de greve, que poderá resultar em desgastes para Casagrande. Os servidores alegam perdas salariais de mais de 50% e cobram uma resposta definitiva do governador. A conferir!

Nas redes
"Decisão errada é uma coisa, decisão que não é prioritária, é outra. Considerações sobre a decisão do Ministério [da Saúde] de vacinar todos com dose de reforço: Está errada? - Não. É prioritária? - Não. Mas você deve ir se vacinar? - Sim, pois estará + protegido também contra infecções leves". Ethel Maciel, epidemiologista e professora da Ufes.

FALE COM A COLUNA:

Veja mais notícias sobre Socioeconômicas.

Veja também:

 

Comentários: 1

José Salvador em Quarta, 17 Novembro 2021 16:00

Na minha opinião o Governador Renato Casagrande vem tendo um ótimo desempemho à frente da gestão estadual. Respeito e entendo a posição de Max Filho, mas na época ele também criticou a atitude de Paulo Hartung que desandou à assinar convênios no final do mandato, convênios esses que foram anulados pela atual gestão. O governador deve se manter distante dessas discussões rasteiras e seguir firme na condução do nosso estado.

Na minha opinião o Governador Renato Casagrande vem tendo um ótimo desempemho à frente da gestão estadual. Respeito e entendo a posição de Max Filho, mas na época ele também criticou a atitude de Paulo Hartung que desandou à assinar convênios no final do mandato, convênios esses que foram anulados pela atual gestão. O governador deve se manter distante dessas discussões rasteiras e seguir firme na condução do nosso estado.
Visitante
Sábado, 04 Dezembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/